COBERTURA ESPECIAL - Ecos - Guerras, Conflitos, Ações - Terrestre

09 de Agosto, 2013 - 14:01 ( Brasília )

Os 40 anos do Carro de Combate T-72: a história do Ural continua


Ilia Kramnik

Este ano se comemoram os 40 anos da entrada ao serviço doCarro de Combate T-72, que foi inscrito no Livro de Recordes do Guinness como o Carro de Combate mais fabricado da atualidade. O T-72 também foi reconhecido como o melhor Carro de Combate do último quarto do século XX. As suas várias modificações estão ao serviço dos exércitos de mais de 40 países.

“Igual a esse, mas mais simples”

Na segunda metade dos anos 60, as tropas blindadas soviéticas começaram a receber o Carro de Combate T-64. Esse carro de combate, com uma blindagem combinada de camadas múltiplas, um canhão de alma liza de balística elevada com carregador automático e excelentes características dinâmicas, se tornou num dos primeiros Carro de Combate base do mundo a combinar a proteção e o poder de fogo de um veículo pesado com a mobilidade de um  Carro de Combate médio.

Esse blindado, desenvolvido em Kharkov, definiu a imagem de todos os Carro de Combate de base soviéticos (e russos) principais até ao T-90 inclusive. Os traços determinantes do novo carro de combate eram as suas dimensões e peso reduzidos, quando comparados com as dos seus congéneres ocidentais, uma tripulação reduzida para três elementos e a sua estrutura compacta.

O T-64 foi em muito um Carro de Combate revolucionário, mas a sua produção esteve associada a muitas dificuldades: o motor, o quadro e uma série de outras partes e sistemas da nova geração obrigaram a distribuir novas capacidades e equipamentos por muitas fábricas. Entretanto, a capacidade do complexo de Kharkov nem sequer era suficiente para suprir as necessidades das Forças Armadas, quanto mais para criar uma reserva para mobilização.

“A fábrica de Kharkov iria demorar alguns 20 anos a reequipar as tropas de blindados com o Carro de Combate de nova geração”, considera o perito em blindados e coronel na reserva Viktor Murakhovsky, editor-chefe da revista Arsenal Otechestva (Arsenal da Pátria). “Durante todo esse tempo, teríamos de utilizar blindados da geração anterior T-55 e T-62”, acrescentou.

Entretanto, o aumento da produção do T-64 com a sua distribuição por outras fábricas era difícil até por razões econômicas. Os dirigentes do país reconheceram a necessidade de um Carro de Combate de nova geração mais barato.

O protótipo desse blindado foi o “artigo 172M”, criado pelos especialistas do gabinete de projetos de construção de blindados dos Urais que ainda hoje é o “cérebro” da “cooperativa de Carro de Combate” dos Urais. Com uma estrutura algo mais simples e um motor já experimentado V-2, esse Carro de Combate praticamente não era inferior ao T-64 pelas suas capacidades de combate, mas permitia reequipar rapidamente o exército com veículos de nova geração. Entretanto, esse blindado começou imediatamente a ser aperfeiçoado, aumentando as suas capacidades.

No final dos anos 70, o T-72 passou a constituir o grosso das forças de blindados no Ocidente e era ativamente exportado para os países do Pacto de Varsóvia e aos aliados da URSS fora dessa aliança e, em alguns casos, com a autorização de licença para o sua fabricação (Polônia, Iugoslávia, Romênia, Índia e outros países).

Segundo a avaliação feita por muitos militares, ele acabou por ser um Carro de Combate ideal, combinando a simplicidade à fiabilidade com elevadas características e potencial de modernização: as últimas versões do T-72 com sistemas de comando de fogo modernizados e blindagem reativa já não eram em nada inferiores ao T-64 e ao seu sucessor T-80. Porém, as especificidades do planejamento econômico soviético não permitiram que o Carro de Combate de base T-72 fosse o único a ser fabricado e a equipar as tropas. Paralelamente continuava a ser produzido tanto o T-64 (até 1987, quando a fábrica de Kharkov passou a fabricar o T-80UD), como o T-80, que começou a ser fabricado em 1976, em Leningrado, e que terminou já com o T-80U, em Omsk, em meados dos anos 90.

Do 72 para o 90 com a esperança no Armata

Depois do desmoronamento da URSS, a Rússia teve de enfrentar uma escolha: manter a produção simultânea do T-72 e do T-80 era claramente inviável para um país enfraquecido. O papel de Carro de Combate principal para o Exército Russo era disputado pelo T-90 dos Urais, com equipamento modernizado e localização da produção na Federação Russa, e pelo T-80UM de Omsk.

A favor do T-90 funcionou, tal como 20 anos antes a favor do T-72, a sua estrutura mais simples e o seu preço inferior. Esse Carro de Combate acabou por começar a ser fabricado em série e a ser fornecido tanto às Forças Armadas Russas como para exportação. A encomenda indiana no limiar entre os anos 90 e 2000 era a única fonte de financiamento da sua produção.

Com o passar do tempo, o T-90 continuou a ser modernizado, se afastando do Ural de base. Contudo, as possibilidades econômicas não permitiram o sua fabricação nas quantidades necessárias e por isso o T-72 continua a ser o carro de combate principal do Exército Russo. O desenvolvimento tecnológico, porém, e o aumento do orçamento da Defesa permitiu começar a modernizar o parque de T-72 existente adaptando as suas características ao nível do seu sucessor.

Nesse aspeto, grandes esperanças são depositadas no novo compartimento de combate com a nova torre desenvolvida para o Carro de Combate T-90AM (versão de exportação T-90SM). Ela pode ser instalada tanto nos T-90 das séries mais antigas, como nos T-72, acrescentando-lhes qualidades de um tanque geração seguinte com meios de detecção, de comunicação e controle de tiro de capacidades muito superiores.

Também aumenta em grande medida a proteção do novo tanque, tanto graças à nova torre, como as placas de blindagem reativa de nova geração a instalar no corpo. Nessa versão, os T-72 modernizados poderão continuar no ativo até serem substituídos pelo tanque de nova geração, desenvolvido pelos construtores dos Urais na plataforma de combate Armata.

A opinião do autor pode não coincidir com a opinião da redação da Voz da Rússia.