COBERTURA ESPECIAL - Doutrina Militar - Pensamento

05 de Março, 2020 - 19:20 ( Brasília )

Cel Montenegro - Fragmentação dos Conflitos Contemporâneos

Da simetria da Guerra Fria aos Conflitos Assimétricos o Coronel Fernando Montenegro atualiza conceitos.

Série Conflitos do Século XXI


 

Série de artigos e pensamentos sobre os Conflitos do Século XXI desenvolvida pelo Cel Fernando Montenegro.

1 - Fragmentação dos Conflitos Contemporâneos

2 - Impacto da ética sobre a tecnologia nos conflitos do século XXI

 


Fragmentação dos Conflitos Contemporâneos


Coronel Fernando Montenegro

Forças Especiais do Exército Brasileiro, Comandou a Ocupação do Complexo do Alemão, Doutorando em Relações Internacionais na Universidade Autônoma de Lisboa, Auditor do Curso de Defesa de Portugal


Quando se observa as quatro gerações de guerra, percebe-se que a evolução da tecnologia influencia e altera a forma dos conflitos.  Essa evolução tecnológica também depende da natureza dos conflitos, cuja grande característica hoje é a fragmentação.  Durante a Guerra Fria, havia dois principais modelos.  A guerra que estava sendo constantemente preparada, com milhões de soldados e blindados da OTAN e do Pacto de Varsóvia mobilizados permanentemente na Europa, ou seja, uma repetição das guerras mundiais, e a guerra revolucionária, caracterizada por confrontos do tipo guerrilha contra exércitos convencionais. 

No auge deste período da bipolaridade havia uma corrente de estudiosos que descreviam o século XX como sendo a “Era das Pequenas Guerras”. Isso porque, a guerra convencional existente entre os blocos liderados pelas potências atômicas tornou-se praticamente impossível de eclodir em função da ameaça nuclear e verificava-se uma expansão dos conflitos na periferia, que passaram a ser denominados como de “baixa-intensidade”, “guerrilha”, “irregular”, “assimétrico” etc.

Com a evolução dos armamentos, as concentrações de meios militares tornaram-se muito vulneráveis. Desde a Guerra Civil Americana, a metralhadora obrigou as formações de infantaria a se dispersarem e usar o terreno para se abrigar; a evolução da artilharia acentuou isso na I Guerra Mundial.  Durante a Guerra Fria, diante de um artefato nuclear, uma concentração de centenas de milhares de combatentes ou blindados passa a ser um alvo altamente compensador.  Atualmente, a evolução tecnológica da artilharia convencional permite que, num campo de batalha, possam ter desempenho similar ao de uma arma nuclear de pequeno calibre. 

A brusca mudança de cenário pós-Guerra Fria levou as guerras tradicionais a um colapso.  O último modelo de confronto à moda antiga foi a Guerra Irã-Iraque, na década de 1980. É improvável que seja testemunhado esse tipo de conflito em um futuro próximo; não só porque as concentrações militares são vulneráveis, mas também porque ninguém tem meios para travar guerras tão longas com armamentos sofisticados e caros, hoje os beligerantes têm acesso a outros métodos. 

Observe-se a Guerra do Golfo no início de 1991: o resultado (previsível) foi determinado pela campanha de bombardeio americana anterior à invasão.  Os Estados Unidos tiveram uma superioridade decisiva: o resultado era conhecido, independentemente da duração do conflito. 

 A maioria das guerras de hoje não é travada entre Estados, como alguns atores foram desmembrados, as contendas ocorrem muitas vezes entre entidades políticas (legítimas ou não), decorrentes: do enfraquecimento de nações, da perda do monopólio da violência pelos Estados, da divisão de países e/ou movimentos separatistas.

Vale dizer que esse é o único tipo de guerra em que os americanos foram derrotados, como exemplo cita-se a guerra do Vietnã. É esse o tipo de conflito que está acontecendo no Vale dos rios Apurimac, Ene e Mantaro (VRAEM) do Peru, favelas do Rio de Janeiro, selvas colombianas, Iraque, na Síria, na República Centro-Africana, no Sahel, Mali, Síria ou na Nigéria.

O resultado mais marcante desse tipo desse fenômeno no terreno é a fragmentação dos conflitos.  Hoje, a superioridade tecnológica, de equipamento e de adestramento das Forças Armadas de algumas potências militares é tal que se torna impossível serem enfrentadas em um campo de batalha convencional, e isso acaba ocorrendo de outra forma. 

Consequência: o campo de batalha clássico desaparece em sua forma tradicional para dar lugar a vários micro campos de batalha ou mesmo combates em que não há frentes nem retaguarda, quando ocorrem atentados de terroristas ou insurgência criminal. 

As Forças Armadas e de policias devem ser reestruturadas para ter capacidade de responder a hipóteses que ainda nem se conhece e que ocorrerão dentro e fora do território nacional.  Se for necessário intervir no Complexo do Alemão, Cabeça do Cachorro, Haiti, África ou qualquer outro lugar, é necessário equilibrar as forças quantitativa e qualitativamente, além de identificar a medida exata de utilização de blindados, helicópteros, efetivos humanos, drones e outros vetores.



Nota DefesaNet

Recomendamos a leitura dos artigos anteriores do Cel Fernando Montenegro, em especial os que analisam as ações no Rio de Janeiro.

O seu artigo mais recente meece uma leitura cuidadosa.

 

Cel Montenegro - O Sangue Azul dos Policiais do Rio de Janeiro

O Cel R1 EB Fernando Montenegro analisa questões fundamentais relacionadas às ações policiais do RJ
Fevereiro 2020 DefesaNet Link

VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Especial Terror

Especial Terror

Última atualização 07 ABR, 13:10

MAIS LIDAS

Doutrina Militar