COBERTURA ESPECIAL - Doutrina Militar - Terrestre

12 de Abril, 2016 - 11:10 ( Brasília )

Adjunto de Comando: experiência a serviço do Exército


Na última sexta-feira, dia 8 de abril, aproximadamente 700 subtenentes e sargentos da Vila Militar do Rio de Janeiro assistiram à palestra, na Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais, ministrada pelo Subtenente Osmar Crivelatti, Adjunto de Comando do Comandante do Exército. O encontro abordou os desafios e as responsabilidades dos graduados para com seus superiores e, principalmente, para com os soldados, desde a incorporação até o licenciamento.

O Adjunto de Comando é um cargo criado no Exército, em maio de 2015, com o objetivo de distinguir o subtenente ou o primeiro-sargento que apresente destacada liderança, reconhecida competência profissional e ilibada conduta pessoal, valorizando, assim, a carreira do graduado. Na palestra, o Subtenente Crivelatti falou, ainda, sobre a motivação da carreira de sargento e o espírito de equipe.

Modelo na EASA

O Adjunto de Comando tem como atribuições ser o divulgador da ética e dos valores militares; o fortalecedor dos padrões do comportamento militar; o facilitador da comunicação entre o comando e os praças; o disseminador da missão e da visão da organização militar e dos conceitos de comando; e o assessor do comando em assuntos disciplinares, de instrução e do bem-estar de todos os membros da família militar; além de tratar sobre outros assuntos que envolvam os praças.

O embrião dessa nova função surgiu há mais de vinte anos, na antiga CIAS-Sul (hoje Escola de Aperfeiçoamento de Sargentos das Armas – EASA), em Cruz Alta (RS), pelo seu primeiro comandante, o então Tenente-Coronel Sérgio Westphalen Etchegoyen, atualmente General de Exército e Chefe do Estado-Maior do Exército. Quando esteve à frente do Departamento-Geral do Pessoal (DGP), o General Etchegoyen foi responsável pela criação do cargo de Adjunto de Comando, com base na bem-sucedida experiência anterior.

Esse modelo, que teve pleno êxito e está consolidado na EASA, vem sendo testado em algumas organizações militares e, em breve, será adotado em todo o Exército. A nova função atende ao anseio dos subtenentes e sargentos de serem valorizados profissionalmente, com o emprego de sua larga experiência na caserna em prol da Instituição.