COBERTURA ESPECIAL - Doutrina Militar - Terrestre

27 de Agosto, 2015 - 11:00 ( Brasília )

AÇO - Boinas Pretas superando desafios

A Educação Militar e a Tropa Blindada

“ O ambiente militar é peculiar, visto que é
orientado pela missão atribuída ao profissional,
qual seja, estar apto para entrar em uma guerra e
vencê-la. Todos os fatores que não dizem respeito a
essa missão são secundários. ”

(DRISKELL E OLMSTEAD)

Alex Alexandre de Mesquita – TC
Comandante do Centro de Instrução de Blindados
com a colaboração do
Cap Inf Thales Ferreira Silva
Instrutor do CI Bld


A Educação Militar no Brasil remonta à época do Brasil Colônia. Segundo Pirassununga (1958)¹, o primeiro vestígio do ensino militar é encontrado em 1698, no Rio de Janeiro, nas lições mandadas dar aos contestáveis e Artilheiros, sobre o uso e o manejo da Artilharia.

Este ensino foi ordenado pelo Rei em Carta Régia de 22 de outubro de 1699. Com esse relato, observa-se que a Educação Militar do Brasil é quase tão antiga quanto o próprio país, e que, juntamente com a evolução da sociedade, a Educação Militar passou por muitas transformações até os dias atuais.

Para tratar da Educação Militar e tropa blindada, tem-se que retomar à chegada dos primeiros blindados ao Brasil, em 1919, com o Renault FT 17, a criação da Companhia de Carros de Assalto, em 1921 e, em seguida, a chegada dos Fiat Ansaldo CV-3 35, a partir do idealismo do Cap Paiva Chaves.

Com os novos e modernos meios mecanizados, os pioneiros da implantação dos blindados como arma de combate no Brasil sentiram a necessidade de se criar uma escola para o ensino desses materiais de emprego militar. Em 25 de março de 1938, foi criada no Rio de Janeiro a Sub-Unidade Escola Motomecanizada.

A partir desse núcleo, teve origem, em 1939, o Centro de Instrução de Motorização e Mecanização, com a primeira turma de operadores dos blindados Fiat Ansaldo CV-3 35, formada naquele ano.

Ao longo da história do Exército Brasileiro, desde a chegada dos primeiros blindados ao Brasil, o ensino técnico da viatura ficou sob encargo do Centro de Instrução de Motorização e Mecanização, transformado posteriormente em Escola de Motomecanização.

Em meados do século passado, o ensino técnico e de operação das viaturas blindadas se desvinculou do ensino tático, sendo este último tribuído às escolas de formação de oficiais e sargentos e o ensino técnico, denominado posteriormente de ensino de manutenção, passou à extinta Escola de Material Bélico.

No ano de 1996, por meio da Portaria Ministerial número 656, foi criado, na cidade do Rio de Janeiro, o Centro de Instrução de Blindados (CIBld), uma das unidades de referência do Exército Brasileiro como vetor de modernidade e profissionalização na área de blindados.

Com a aquisição de novos blindados para o Exército Brasileiro, o CI Bld ficou responsável pelo ensino técnico de operação desses meios e assumiu a responsabilidade do ensino tático do emprego de blindados até o nível subunidade.

No ano de 2004, outra importante mudança para a formação do combatente blindado. O CI Bld mudou sua sede para a cidade de Santa Maria – RS, estado que concentra a maior parte dos meios blindados do Exército Brasileiro, num claro alinhamento e aproximação com as unidades blindadas e mecanizadas.

O CI Bld, desde a sua criação, esteve aliado à tecnologia embarcada nas diversas viaturas blindadas e, mais recentemente, com os modernos sistemas de simulação utilizados no apoio ao ensino, elevando o grau de conhecimento do aluno que frequenta os cursos do Centro.

Hoje, o Centro General Walter pires ministra cerca de 20 cursos e estágios previstos em seu calendário anual e diversas outras atividades extemporâneas voltadas para a Educação Militar, como seminários e capacitações emergenciais.

Para superar os desafios que são apresentados, o corpo de instrutores está em constante aperfeiçoamento, participando de cursos, de estágios e de intercâmbios de conhecimento no Brasil e no exterior.

Uma nova fase no ensino para a tropa blindada se apresenta no momento; a implantação do Ensino por Competências, que visa à formação do aluno para dotá-lo de capacidades de resolver os desafios dos cenários complexos que virão nas próximas décadas.

As recentes mudanças ocorridas no Exército Brasileiro, por força do seu Processo de Transformação, também impactam decisivamente nas tarefas afetas à Educação Militar e, em particular, na Educação voltada para os meios blindados².

O CI Bld, elemento focal em tudo o que diz respeito aos assuntos que envolvem viaturas blindadas de lagartas e de rodas tem como meta acompanhar estas mudanças e estar em condições de especializar recursos humanos nesta área, inserindo-se transversalmente em projetos como a Família Leopard 1BR, a Viatura Blindada de Transporte de Pessoal Média de Rodas 6X6 Guarani, a Viatura Blindada de Combate Obus Autopropulsado M109 A5 + e a Viatura Blindada Multitarefa 4X4.

Outra consequência do Processo de Transformação, no aspecto da Nova Doutrina Militar Terrestre, é a crescente busca por transmitir o que há de mais moderno no emprego das frações blindadas e mecanizadas, por intermédio dos Estágios Táticos de Subunidades e de Exploradores.

O desafio parece complexo, pois o CI Bld é o único Centro de Instrução que atende organizações militares em todos os oito Comandos Militares de Área do Exército Brasileiro. Para mitigar este óbice, o Estabelecimento de Ensino (Estb Ens) lança mão do Ensino à Distância e da tecnologia dos Computer Based Training (CBT), alinhados com o que há de mais moderno no processo ensinoaprendizagem que atenda à geração de nativos digitais.Mas nada ocorre sem o concurso das Organizações Militares blindadas e mecanizadas, que recebem os antigos discentes.

Estes oficiais e sargentos são instruídos e capacitados a atuarem como multiplicadores do conhecimento e, nas Seções de Instrução de Blindados das suas OM, serão elementos importantes por repercutir o ensino que emana do centro General Walter Pires.

Os Comandantes devem estar atentos a esta metodologia, que prevê não somente a transmissão do conhecimento, mas a multiplicação das habilidades, das crenças e dos valores da Tropa Blindada. O resultado positivo de toda esta arquitetura de capacitação de recursos humanos (Estb Ens e OM) já é reconhecido internacionalmente.

Prova disto é que, neste ano de 2015, o Exército Alemão destacou um Tenente-Coronel, da sua Escola de Blindados, para passar dois meses e meio em intercâmbio no Centro General Walter Pires e, com o mesmo objetivo, no início de agosto, o Centro recebeu um Tenente e um Sargento do Exército Argentino, que permanecerão até dezembro.

A Educação Militar sempre foi uma das atividades mais importantes para o EB, pois permite a continuidade e o aperfeiçoamento do conhecimento, formando militares cada vez mais aptos a cumprirem a sua missão constitucional. E este é o eterno objetivo.

Contudo, um mundo com mudanças tão aceleradas impõe novos desafios, que também serão apresentados aos alunos e farão com que os mesmos tenham que mobilizar recursos cognitivos e valores para apoiar o processo decisório em vários níveis, intercambiando conhecimentos de diversas áreas, aprendendo a trabalhar em um ambiente multidisciplinar.

A Educação Militar de Blindados é algo em constante mudança, quer seja pela adição de novos meios à frota, quer seja por novas formas de combater. Ao Centro de Instrução de Blindados cabe a missão de, mantendo-se sempre atualizado, especializar os valiosos recursos humanos que ostentam a Boina Preta, pois este estabelecimento de ensino nunca poderá estar em dissonância com o emprego das unidades do corpo de tropa, pelo contrário, deverá cada vez mais capacitar oficiais e sargentos para superar os desafios do porvir.

AÇO, BOINA PRETA, BRASIL!

-x-

¹ PIRASSUNUNGA, Adailton Sampaio. O Ensino Militar no Brasil. Rio de Janeiro: Bibliex, 1958.

² Ao citar meios blindados, a referência é viaturas blindadas sobre rodas e sobre lagartas.