COBERTURA ESPECIAL - Doutrina Militar - Terrestre

29 de Maio, 2015 - 09:22 ( Brasília )

Bda C Mec - A Organização da Engenharia



TC Alex Alexandre de Mesquita
Comandante do Centro de Instrução de Blindados
Colaboração do Cap Eng Pedro Moreira de Lima Filho Instrutor

 
A transformação da doutrina militar, que teve como marco a edição das Bases para a Transformação, trouxe ao Exército Brasileiro uma nova concepção de Planejamento da Força, o Planejamento Baseado em Capacidades.

Desdobrando esse conceito, surgem as Funções de Combate; um conjunto de atividades, tarefas e sistemas afins, integrados para uma finalidade comum. As Funções de Combate proporcionam uma forma eficaz para que os estados-maiores: identifiquem e relacionem as tarefas que cada missão impõe; reúnam os sistemas e as formas de atuação, selecionando os mais adequados; e integrem e sincronizem a execução dessas atividades e tarefas, de modo a assegurar que todos os aspectos necessários à condução das operações tenham sido abordados.

As Funções de Combate substituiram os antigos Sistemas Operacionais com o objetivo de proporcionar uma integração maior dos esforços entre todos os atores terrestres do campo de batalha.

Desta maneira surgiu, por exemplo, a Função de Combate Movimento e Manobra que, segundo a definição, é o conjunto de atividades, tarefas e sistemas inter-relacionados, empregados para deslocar forças, de modo a posicioná-las em situação de vantagem em relação às ameaças.

"Movimento" é o deslocamento ordenado de forças visando ao cumprimento de uma missão, em condições nas quais não se prevê interferência do oponente. "Manobra" é o deslocamento de uma tropa que esteja em contato ou que tenha a previsão de contato com uma força oponente.


 



Com base no descrito é que este texto trata da Engenharia prevista na organização da Bda Inf Mec e o conceito de Funções de Combate auxilia a entender a necessidade de elementos adequados, que trabalhando de forma inter-relacionada, irão permitir a execução de um conjunto de tarefas.

A organização da Bda Inf Mec contempla 03 (três) BI Mec e 01 (um) RCC sobre rodas, ou seja, 04 (quatro) elementos de manobra valor unidade.

Tendo em vista a natureza da missão dessa Grande Unidade (GU) e a sua forma de emprego, com até 03 (três) elementos de manobra valor unidade em primeiro escalão, o ideal seria contar com 06 (seis) Pel E Cmb Mec na unidade de Engenharia orgânica da Bda. Assim, teríamos 03 (três) Pel E Cmb Mec empregados em apoio direto, em 1° escalão e 03 (três) Pel E Cmb Mec, em condições de reforçar o apoio, caso necessário. Os Pel E Cmb Mec, em apoio, devem ser equipados com uma gama de materiais e equipamentos, que atendam às necessidades dos elementos de manobra. A Bda Inf Mec é vocacionada para as operações ofensivas, que exigem movimentos profundos e para que isso ocorra deve ser privilegiada a capacidade de não se deter frente a obstáculos naturais ou artificiais.
 
 O fato de possuir viaturas blindadas, com relativo peso e sobre rodas, aponta para a necessidade de que esta fração de Engenharia tenha capacidade de proporcionar às frações de Infantaria e de Cavalaria a real capacidade de cumprir as suas missões.

Materiais como portadas pesadas rapidamente lançadas e outros que estão em estudo, como viaturas sobre rodas capazes de lançar pontes, realizar missões de desminagem ou trabalhos de desobstrução com eficiência devem, portanto, estar presentes nessas frações de engenharia.

Os Pel que não estiverem apoiando os elementos de manobra realizarão as suas tarefas em Apoio ao Conjunto (Ap Cj), isto é, irão empregar os seus esforços em proveito de toda a Bda Inf Mec.

Isto significa dizer que, dentro do conceito de Operações no Amplo Espectro, estes Pel em Ap Cj deverão estar em condições de realizar trabalhos em apoio ás Operações Defensivas, Operações Ofensivas, Operações de Pacificação ou Apoio a Órgãos Governamentais.

Partindo desse raciocínio, é lícito supor que a fração prevista para apoiar a Bda Inf Mec deve estar em condições de em um mesmo Teatro de Operações, desempenhar, com os seus pelotões, todas as tarefas das Operações no Amplo Espectro.

Para que a assertiva anterior seja real, exige-se que esta fração de Engenharia detenha meios que concedam à GU apoiada Flexibilidade, Adaptabilidade, Modularidade= Elasticidade e Sustentabilidade necessárias para o cumprimento das missões. Ou que receba, do maior escalão em presença, meios suplementares de Ap Eng_

Dentro do que foi destacado, conclui-se que a estrutura de um BE Cmb Mec tipo 3, com subunidades a 03 (três) pelotões, é a mais adequada para cumprir as missões da Bda Inf Mec no contexto das Operações no Amplo Espectro. Isto ratifica o proposto na portaria que cria a Bda Inf Mec.

Por fim, cumpre reforçar o fato de que, considerando que a Bda Inf Mec poderá atuar em todo o espectro do conflito, os Comandantes de Batalhão, Companhia e Pelotão de Engenharia Mecanizada devem estar em condições de realizar trabalhos em todos os contextos de emprego.

Esse aspecto reforça a vocação da Engenharia!

AÇO, BOINA PRETA, BRASIL!