18 de Dezembro, 2013 - 10:11 ( Brasília )

Defesa

ADSM - Santa Maria busca consolidar um polo tecnológico de defesa

Entrevista do EBlog com o Sr. Diogo di Gregori – Superintendente de Desenvolvimento de Santa Maria (ADSM)

A cidade de Santa Maria está localizada na região central do Rio Grande do Sul, posição que lhe atribui vantagens comerciais em relação a outros municípios. Segundo os princípios da administração, planejar é decidir antecipadamente o que deve ser feito para alcançar determinado objetivo ou meta. Nesse sentido, Santa Maria tem feito seu papel. A cidade já possui uma agência de desenvolvimento. Sobre a ADSM, o EBlog  entrevista o  seu superintendente, Diogo di Gregori, advogado de formação que projeta um futuro importante para a região.

EBLog – Sr. Diogo, o que é Agência de Desenvolvimento de Santa Maria (ADSM)?

Diogo di Gregori – A Agência de Desenvolvimento de Santa Maria é uma associação de direito privado, sem fins lucrativos, que foi criada pelos empresários de Santa Maria em parceria com o poder público municipal. A ADSM tem três grandes objetivos. O primeiro deles é trabalhar a articulação do município de forma integrada entre o poder público, instituições de ensino superior, setor empresarial, os militares – que aqui em Santa Maria é o segundo efetivo militar do país – e a comunidade como um todo. São ações proativas, conjuntas, para o desenvolvimento da cidade. Como uma agência de desenvolvimento, tem todo um papel na parte econômica: atrair  empresas e potencializar as empresas locais. Outro link que a agência faz, que coordena, é um movimento chamado “A Santa Maria que Queremos”  reunindo voluntários dos mais diversos segmentos para trabalhar ações estratégicas para o município e para a região.

EBLog – Como surgiu a ADSM?

 Diogo di Gregori – Ela era um sonho, há de mais de 20 anos. Desde quando o Fórum das Entidades Empresariais foi criado havia algumas bandeiras: ter uma agência de desenvolvimento, ter um instituto de planejamento e um parque tecnológico. Passado um bom tempo, essas ações vieram se concretizando. Então, em abril de 2011, foi criada a nossa ADESM.

EBLog – Como o Sr resumiria o papel da agência em relação às possibilidades tecnológicas, estruturais e comerciais da cidade de Santa Maria?

Diogo di Gregori – A Agência reúne no seu conselho superior as principais lideranças da cidade. Ela tem vários núcleos: político, empresarial, militar e comunidade que, a cada três meses, se reúnem justamente para traçar essas estratégias de desenvolvimento para a cidade. Por exemplo, o prefeito, o deputado, o Comandante da 3ª Divisão de Exército, o Comandante da Base Aérea de Santa Maria, o Comandante da Brigada Militar, reitores das universidades, presidentes de entidades empresariais. Em torno de 20 a 25 lideranças.

EBLog – Conforme o exposto, há uma grande mobilização e receptividade de toda a sociedade em torno desta proposta da agência?

Diogo di Gregori – Se eu for resumir, Santa Maria é um município de médio porte, com cerca de 300 mil habitantes, que tem um grande diferencial: a qualidade de vida, recursos humanos qualificados e um baixo custo de vida, um lado mais tecnológico e de defesa que estamos trabalhando, 8 instituições de nível superior, mais de 35 mil estudantes universitários, 350 cursos de graduação e pós-graduação, 280 laboratórios, 470 grupos de pesquisa e 3 colégios técnicos com quase 3 mil alunos. Hoje são 3 incubadoras tecnológicas com 50 vagas de encubação. Temos também dois arranjos produtivos locais, reconhecidos, enquadrados nas políticas do Estado, que é o de Metal/Mecânico e o de Tecnologia da Informação e Comunicação. Temos aqui um parque tecnológico que vai ser inaugurado dia 12 de dezembro.  E, ainda, um parque tecnológico que será inaugurado no dia 12 de dezembro. Então, há uma série de atrativos que fecham também com o link da defesa que nós temos  trabalhado. Nessa sede da 3ª Divisão do Exército são 19 organizações militares do Exército brasileiro. Aqui tem Centro de Instrução de Blindados e um centro de simulação que está sendo instituído. A cidade hoje é reconhecida como a Capital Nacional dos Blindados e dos Simuladores. Além disso, dispomos de uma base aérea onde está o 1º Esquadrão de Veículos Aéreos Não Tripuláveis do país. São diferenciais e potenciais competitivos que essas lideranças começam a trabalhar para transformar todo esse conhecimento, essas potencialidades também em PIB. Transformar tudo isso em negócio para aproximar o setor do conhecimento, a academia, com o setor empresarial e as demandas existentes na iniciativa privada e na área militar.

EBLog – Sr Diogo, então o tema defesa surgiu como um vetor importante nessa proposta da Agência de Desenvolvimento de Santa Maria?

Diogo di Gregori – Hoje, Santa Maria busca consolidar um polo tecnológico de defesa. E como é que a cidade despertou para esse processo? A partir da Estratégia Nacional de Defesa, que é também uma estratégia de desenvolvimento. Na época, quem fazia parte do nosso conselho era o general Etchegoyen – um grande incentivador de todo esse processo. Depois, quem o sucedeu, e que agora é o General Miotto, deu continuidade. Atuamos de forma muito articulada; sempre as universidades, a iniciativa privada, os militares, a sociedade como um todo e o setor empresarial, para buscar realmente essa consolidação de um Polo Tecnológico de Defesa.

EBLog – Com relação ao Polo Tecnológico de Defesa quais são os projetos previstos?

Diogo di Gregori – A Universidade Federal de Santa Maria já firmou um Memorando de Entendimento com o Exército brasileiro, via Departamento de Ciência e Tecnologia. Também trabalhamos com as instituições de ciências e tecnologia e com as empresas, porque um dos APLs que nós temos aqui, o Centro Software, reúne 37 empresas de tecnologia da informação. Essas empresas, muitas delas, estão direcionando seu foco justamente para atender à demanda do Exército brasileiro. Na parte de simuladores e também fazendo link já com o setor metal/mecânico também. Existe toda uma integração para atender ao setor de defesa. Hoje o município também sedia a KMW, que é a empresa que vendeu os leopards e os guepards para o Exército brasileiro. Então, é uma série de iniciativas já existentes que propiciam essa consolidação de Santa Maria como um Polo Tecnológico de Defesa.

EBLog – Poderia dizer que há uma grande interação entre o polo tecnológico da Santa Maria  e o sistema de defesa do país?

Sr. Diogo di Gregori – Com certeza. Dentre as áreas estratégicas prioritárias do parque tecnológico de Santa Maria, cito a defesa aeroespacial e agrotecnologias que é uma outra realidade nossa aqui no Sul, uma questão voltada para os alimentos. Mas, dentro do próprio parque tecnológico, existem dois projetos maiores que são dois centros tecnológicos. Um de pesquisa e desenvolvimento de simuladores e o outro de pesquisa e desenvolvimento de jogos digitais. Tudo para fazer esse link e atender a essa demanda que não é só hoje militar e de defesa, mas toda uma aplicação dual, para a sociedade civil também.

EBLog– Quais são as conquistas que os senhores já pontuam nesse tempo tão curto?

Diogo di Gregori – Com todo esse movimento da cidade, Santa Maria começa a figurar como um player importante para atração de novos investimentos e também se consolidando com esse polo de tecnologia e defesa. Então, a agência desenvolveu alguns materiais de divulgação do município em diversas línguas. Pode ser acessado o nosso site que é o adsm.org.br. Também criamos um site com todas as informações socioeconômicas do município e da região e também comparada aos municípios com mais de 100 mil habitantes do Estado que é o santamariaemdados.com.br. Disputamos, participamos da atração de vários investimentos. Conseguimos o enquadramento e a consolidação desses dois arranjos produtivos locais na política estadual. Também vamos inaugurar agora o nosso parque tecnológico. Então, apesar do pouco tempo de vida, digamos assim, uma série de ações.

E agora, no dia 18 de dezembro, estaremos entregando para a nossa sociedade o Plano Estratégico de Desenvolvimento de Santa Maria que vai nortear o desenvolvimento e os investimentos na cidade  de 2014 a 2030.

EBLogE o planejamento é o caminho seguro para atingir esses objetivos, não é?

Diogo di Gregori – Com certeza. E ainda mais quando não foi elaborado por uma única consultoria ou cabeça de poucas pessoas e sim com o envolvimento de mais de 800 voluntários aqui da nossa cidade.