16 de Novembro, 2013 - 11:20 ( Brasília )

Defesa

Rússia projeta novos sistemas de artilharia antiaérea


Ilia Kramnik

A Defesa Antiaérea constitui um componente importante do complexo militar contemporâneo, podendo garantir a segurança e a estabilidade perante novos desafios tecnológicos. O vice-diretor geral do consórcio Almaz Antei, Serguei Druzin, revelou à Voz da Rússia algumas informações sobre novos projetos sob a alçada de sua empresa, nomeadamente, o complexo de artilharia antiaérea Tor-M2.

Sistema versátil

O complexo de artilharia antiaérea de pequeno alcance Tor foi designado assim por associação com uma figura geométrica. Tais sistemas têm tido várias modificações desde a década de 80 do século passado. A versão mais recente - Tor-M2 - se destaca pelo equipamento moderno e armas mais sofisticadas que emprega.

Todavia, o Tor-M2U (ou o Tor-M2E - para exportação), menos complicado, com radares e mísseis da geração anterior 9M331 tem sido o modelo mais vendido para as Forças Armadas da Rússia e os clientes estrangeiros.

Enquanto isso, o foguete de nova geração - 9M338 - passou por um ciclo de testes suplementares no âmbito da preparação para a produção em série. No decurso das provas visando os alvos Saman (construídos com base em mísseis obsoletos Ossa), os novos foguetes conseguiram acertar alvos de pequena dimensão (20 cm em diâmetro).

Outra vantagem consiste em o 9?338 possuir um tamanho menor em relação ao 9?331: em um veículo de combate poderão ser instalados 16 mísseis contra os 8, do modelo anterior. Assim, aliado ao radar moderno e ao sistema de comando mais eficiente, poderão ser alvejados simultaneamente quatro alvos. As boas características permitem lançar em série a versão completa do Tor-M2, aumentando a capacidade combativa da DAA ao serviço do Exército.

Além disso, o novo míssil poderá vir a ser usado para reforçar navios dotados de complexos de artilharia antiaérea Kinzhal. Segundo especificou Serguei Druzin, em caso de necessidade, no processo de aperfeiçoamento ou reparação, os sistemas deste tipo serão modernizados para o emprego de novos foguetes.

Perspectiva de longo prazo

A modernização dos sistemas da DAA depende do desempenho do ramo eletrônico, metalúrgico, químico e outros segmentos científicos e industriais. Um papel-chave dos sistemas da DAA tem sido desempenhado por radares de varredura eletrônica ativa (AESA).

Em engenhos do gênero, cada elemento da varredura tem um mini transmissor. Uma elevada quantidade de elementos possibilita a emissão dos sinais de grande potência. O emprego dos AESA permitira alargar potencialidades dos meios de radiolocalização, elevando ainda a sua qualidade e a segurança.

As tecnologias AESA são conhecidas desde há muito, mas o uso de novos materiais, tais como o nitreto de gálio, proporciona a elevação da potência de amplificadores, assegurando a maior eficácia sem alterar dimensões. As melhores características se obtêm devido ao processamento digital dos sinais diretamente na antena, o que eleva potencialidades seletivas, a precisão e a resistência aos ruídos. Tudo isso, somadas ainda as melhores características dos sistemas de comando, elevará os novos sistemas a um novo patamar tecnológico.

Claro que os trabalhos referidos são dispendiosos, mas o crescimento das receitas do Almaz Antei, qualificado como líder num universo das empresas militares nessa área, permite-nos esperar que, sob um pano de fundo de progressivo aumento das despesas militares e da demanda contínua, venham surgir novos sistemas de defesa antimíssil. Tal perspectiva parece viável.

Lembre-se que, em 2012 o consórcio ocupou a 14ª posição na lista das empresas militares do mundo quanto às receitas, sendo essas estimadas em 5,8 mil milhões de dólares, segundo o ranking TOP-100, a cargo da edição norte-americana Defense News.

Texto/tradução: Voz da Rússia