COBERTURA ESPECIAL - Cyberwar - Geopolítica

30 de Maio, 2016 - 10:00 ( Brasília )

Irã ordena que redes sociais armazenem dados dentro do país


O Irã determinou que serviços internacionais de mensagens e redes sociais têm um ano para mover dados que detém sobre usuários iranianos para servidores dentro do país, gerando preocupações de privacidade e segurança.

O Irã tem alguns dos controles mais restritos sobre acesso à Internet no mundo e bloqueia acesso a plataformas de mídias sociais como Facebook e Twitter, embora muitos usuários sejam capazes de acessá-los através de softwares amplamente disponíveis.

“Companhias estrangeiras de mensagens ativas no país precisam transferir todos os dados e atividades ligadas a cidadãos iranianos para o país a fim de assegurar sua contínua atividade”, disse o Conselho Supremo do Ciberespaço do Irã em novas regulamentações divulgadas pela agência estatal de notícias Irna neste domingo.

O conselho, cujos membros são selecionados pelo líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, deram a companhias de redes sociais um ano para cumprir a determinação, segundo a Irna, acrescentando que as medidas são baseadas em “linhas de conduta e preocupações do líder supremo”. 

As novas exigências podem afetar o aplicativo Telegram, em particular. O serviço de mensagens instantâneas tem ganhado popularidade por causa de seu alto nível de segurança e estima-se que tenha cerca de 20 milhões de usuários no Irã, que tem uma população total de 80 milhões de pessoas.



Outras coberturas especiais


Superior Tribunal Militar

Superior Tribunal Militar

Última atualização 20 MAR, 01:15

MAIS LIDAS

Cyberwar