COBERTURA ESPECIAL - Crise - Geopolítica

15 de Julho, 2019 - 12:00 ( Brasília )

França vê risco de evolução para a guerra entre EUA e Irã


A violação pelo Irã dos limites acordados para o enriquecimento de urânio, depois que os Estados Unidos abandonaram o acordo nuclear com Teerã, foi “uma reação ruim a outra decisão ruim”, aumentando os temores de uma guerra, disse o ministro das Relações Exteriores da França.

As tensões aumentaram quando Washington culpou o Irã por vários ataques contra petroleiros e Teerã abateu o drone de vigilância dos EUA, levando o presidente Donald Trump a ordenar ataques aéreos, que ele cancelou apenas alguns minutos antes do impacto.

Trump retirou os Estados Unidos no ano passado do acordo de 2015 entre o Irã e as potências mundiais para conter o seu programa nuclear, para a consternação dos co-signatários França, Grã-Bretanha, Alemanha, Rússia e China.

“A situação é séria”, disse o ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, quando questionado sobre o risco de uma guerra mais ampla no Oriente Médio.

“O fato de o Irã ter decidido retirar-se de alguns de seus compromissos sobre a proliferação nuclear é uma preocupação adicional. É uma decisão ruim, uma reação ruim a outra decisão ruim, a da retirada dos EUA do acordo nuclear um ano atrás”, afirmou, ao chegar para a parada militar anual do Dia da Bastilha em Paris.

As potências europeias não apóiam as sanções impostas por Trump ao Irã, com vistas a forçá-lo a negociar limites nucleares mais rígidos e outras concessões de segurança, mas não conseguiram encontrar maneiras de permitir que o Irã os evite.

“Ninguém quer uma guerra. Tenho notado que todos estão dizendo que não querem ir para o topo da escalada. Nem o presidente (iraniano) Rouhani, nem o presidente Trump ou outros líderes do Golfo. Mas aqui há elementos de guerra.” escalada que são preocupantes “, disse Le Drian.

Rouhani diz que o Irã está pronto para negociar com os EUA, se sanções forem suspensas

O Irã está pronto para negociar com os Estados Unidos, se Washington suspender as sanções e retornar ao acordo nuclear de 2015, do qual se retirou no ano passado, disse o presidente iraniano, Hassan Rouhani, em um discurso televisionado neste domingo. “Nós sempre acreditamos em negociações... se eles suspenderem as sanções, acabarem com a pressão econômica imposta e voltarem ao acordo, estamos prontos para manter conversações com os Estados Unidos hoje, agora e em qualquer lugar”, disse Rouhani.

A tensão aumentou entre os inimigos de longa data desde que o presidente dos EUA, Donald Trump, retirou-se no ano passado do acordo nuclear entre o Irã e seis potências mundiais e impôs novamente sanções a Teerã, que haviam sido levantadas sob o pacto.

Reino Unido vê "janela pequena" para salvar acordo nuclear; Irã pressiona Europa

O Reino Unido disse nesta segunda-feira que existe uma “janela pequena” de tempo para salvar o acordo nuclear com o Irã, e o governo iraniano sinalizou que retomará seu programa nuclear —visto pelo Ocidente como um disfarce para a fabricação de bombas atômicas— se a Europa for incapaz de fazer mais para salvar o pacto.

As tensões entre os Estados Unidos e o Irã pioraram desde que o presidente dos EUA, Donald Trump, decidiu no ano passado retirar seu país do acordo nuclear, mediante o qual o Irã concordou em limitar seu programa atômico em troca da suspensão de sanções econômicas que prejudicam sua economia.

“O Irã ainda demora um bom ano para desenvolver uma bomba nuclear. Ainda existe uma janela pequena, mas que está se fechando, para manter o acordo vivo”, disse o secretário das Relações Exteriores britânico, Jeremy Hunt, a repórteres ao chegar a Bruxelas para uma reunião de chanceleres.

Na reunião de Bruxelas se tentará determinar como convencer o Irã e os EUA a diminuírem as tensões e iniciar um diálogo, em meio aos temores de que o pacto de 2015 esteja prestes a desmoronar.

Em reação à reativação norte-americana de sanções duras, que visaram sobretudo a renda do petróleo iraniano, o Irã recuou em alguns de seus compromissos nucleares com o acordo, levando França, Reino Unido e Alemanha, as partes europeias do pacto, a alertarem o regime sobre o descumprimento da totalidade dos termos.

Quando indagado se as potências europeias buscarão penalizar o Irã por violar partes de seus compromissos nucleares, Hunt respondeu que buscará um encontro entre as partes para lidar com a questão.

“Nós o faremos, e existe algo chamado comissão conjunta, que é o mecanismo criado no acordo que é o que acontece quando um lado acredita que o outro lado o violou, isso acontecerá muito em breve”.

O Irã afirma que jamais almejou uma arma nuclear.

Em Teerã, a agência nuclear iraniana disse que o país voltará à situação anterior ao acordo nuclear a menos que os países europeus cumpram suas obrigações.

“Estas ações não são tomadas por teimosia, mas para dar à diplomacia uma chance, de forma que o outro lado caia em si e cumpra suas tarefas”, disse o porta-voz da agência, Behrouz Kamalvandi.

“E se os europeus e a América não quiserem cumprir suas obrigações, criaremos um equilíbrio neste acordo reduzindo nossos compromissos e levaremos a situação ao que era quatro anos atrás”.

 



Outras coberturas especiais


Brasil - EUA

Brasil - EUA

Última atualização 21 AGO, 11:00

MAIS LIDAS

Crise