COBERTURA ESPECIAL - Crise - Inteligência

07 de Março, 2016 - 12:37 ( Brasília )

CRISE - CUBA Defende os companheiros Lula e Dilma

Cuba condena ataques "injustificáveis e desproporcionais" contra Lula e Dilma Ministério das Relações Exteriores cubano também disse que petistas demonstraram "valentia e determinação"


Cuba condenou no domingo os ataques "injustificáveis e desproporcionais" por meio dos quais as "oligarquias e o imperialismo" buscam desacreditar o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva e "derrubar" o governo legítimo da presidente Dilma Rousseff.

"O Ministério das Relações Exteriores (de Cuba) rejeita o ataque contra a constituição e a democracia no Brasil, que converteu o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (...), assim como o governo liderado pela presidente Dilma Rousseff, em alvos de ações judiciais e parlamentares, injustificadas e desproporcionais", afirmou em um comunicado, lido na televisão local.

"A indignante manipulação da luta contra a corrupção tem o propósito de desacreditar um líder emblemático de nossa América, desqualificar uma das organizações políticas mais combativas da região, derrubar o governo legítimo da presidente Dilma Rousseff e liquidar o processo progressista regional", acrescentou.

Lula, líder histórico do Partido dos Trabalhadores (PT), foi alvo na sexta-feira de um mandado de condução coercitiva em São Paulo para ser interrogado no âmbito das investigações sobre o escândalo de corrupção na Petrobras. O ex-presidente se declarou humilhado por essa medida.

Ao condenar o fato e "a tentativa de golpe parlamentar contra Dilma", a chancelaria cubana destacou que, "com esses métodos sujos", setores de alguns países latino-americanos, "em estreita aliança com grupos transnacionais da comunicação, as oligarquias e o imperialismo, pretendem impor à força aos povos o que não foram capazes de ganhar nas urnas".

"Os companheiros Lula e Dilma Rousseff demonstraram valentia e determinação admiráveis ao enfrentar esse ataque contra eles", disse a chancelaria.

Após o apoio de Nicolas Maduro (Venezuela) e Evo Morales agora o governo de La Habana sai em defesa dos seus membros Bolivarianos no Brasil.



O Ministério das Relações Exteriores rechaça o ataque contra a Constituição e a democracia no Brasil, que tem convertido o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, líder histórico do Partido dos Trabalhadores, bem como o governo que lidera a presidente Dilma Rousseff, em alvos das ações judiciais e parlamentares, injustificáveis e desproporcionadas.

A indignante manipulação da luta contra a corrupção, tem o propósito de desacreditar e criminalizar um líder emblemático de Nossa América, desqualificar uma das organizações políticas mais combativas da região, derrubar o governo legítimo da presidente Dilma Rousseff e liquidar o processo progressista regional.

A condução coercitiva de Lula e a tentativa de golpe parlamentar contra Dilma têm levantado uma onda de repúdio em seu país, desde o governo e seus aliados até organizações populares, sindicatos e movimentos sociais, que saíram às ruas de dezenas de cidades em todo o Brasil. Ao mesmo tempo, multiplicam-se as expressões de rechaço em inúmeros países latino-americanos e caribenhos.

Com estes métodos escusos, setores dos aparelhos policiais, legislativos e judiciários de alguns Estados de nossa região, em estreita aliança com grupos transnacionais da comunicação, as oligarquias e o imperialismo, pretendem impor pela força aos povos o que não têm sido capazes de ganhar nas urnas.

Os companheiros Lula e Dilma Rousseff têm demonstrado uma valentia e determinação admiráveis ao enfrentar esta arremetida contra eles.

O governo da República de Cuba não duvida de que a verdade virá a público e que o povo trabalhador do Brasil cerrará fileiras em sua defesa, bem como na salvaguarda dos avanços políticos e sociais conseguidos pelos governos do Partido dos Trabalhadores.

Habana, 6 de março de 2016