COBERTURA ESPECIAL - Expansão Chinesa - Geopolítica

28 de Junho, 2016 - 10:50 ( Brasília )

China ameaça ação contra EUA na OMC por tarifas sobre aço


A China poderá abrir um processo na Organização Mundial do Comércio contra dos Estados Unidos para proteger sua indústria siderúrgica, afirmou o Ministério do Comércio do país nesta terça-feira.

"Sobre os métodos equivocados dos EUA que violam as regras da OMC, a China está e vai continuar tomando todas as medidas, incluindo abertura de processo na OMC, para garantir tratamento justo para as empresas (chinesas) e proteger seus interesses de exportação", afirmou o ministério em comunicado.

Na sexta-feira, a Comissão Internacional de Comércio dos EUA afirmou que as importações de aço resistente à corrosão produzido na China e em outros quatro países estão prejudicando produtores norte-americanos. A avaliação é o passo final para a imposição de tarifas antidumping e subsídios pelos EUA contra o país asiático.

"Os interesses de exportação da indústria siderúrgica da China vão sofrer sério impacto e a indústria siderúrgica chinesa é fortemente contrária a isso", afirmou o ministério.

O Departamento de Comércio dos EUA já impôs tarifas de importação de até 450 por cento sobre produtos siderúrgicos da China e tarifas de 3 a 92 por cento sobre aço resistente a corrosão produzido na Itália, Índia, Coreia do Sul e Taiwan.
 

Mercados chineses avançam com líderes tentando acalmar temores sobre Reino Unido

 

As bolsas chinesas fecharam na máxima de três semanas nesta terça-feira, lideradas pelas empresas com baixo valor de mercado, uma vez que os líderes do país buscaram acalmar os investidores nervosos com a decisão do Reino Unido de deixar a União Europeia.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, subiu 0,51 por cento, enquanto o índice de Xangai teve alta de 0,59 por cento.

Os fortes controles de capital da China têm ajudado a blindar as ações chinesas do pior da turbulência do mercado global provocado pelo referendo britânico na quinta-feira, mas a confiança continua abalada.

"É difícil evitar volatilidade de curto prazo nos mercados de capital da China, mas não vamos permitir montanhas-russas e mudanças drásticas nos mercados de capital", disse o primeiro-ministro, Li Keqiang, no Fórum Econômico Mundial.

No restante da região, os mercados subiram pela primeira vez em três dias. Às 7:16, o índice MSCI que reúne ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão subia 0,51 por cento.

Mas em um sinal de que os investidores continuavam extremamente nervosos, os volumes de negociação foram baixos e os preços das ações ficaram instáveis.

. Em TÓQUIO, o índice Nikkei avançou 0,09 por cento, a 15.323 pontos.

. Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 0,27 por cento, a 20.172 pontos.

. Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 0,59 por cento, a 2.912 pontos.

. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 0,51 por cento, a 3.136 pontos.

. Em SEUL, o índice KOSPI teve valorização de 0,49 por cento, a 1.936 pontos.

. Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou alta de 0,55 por cento, a 8.505 pontos.

. Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES valorizou-se 0,98 por cento, a 2.756 pontos.

. Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 recuou 0,66 por cento, a 5.103 pontos.