COBERTURA ESPECIAL - Brasil - China - Geopolítica

04 de Abril, 2015 - 13:32 ( Brasília )

O que significa o socorro chinês

Muitas sobrancelhas levantaram-se ao saber dos detalhes do empréstimo.



Anunciado pela Petrobrás como “importante marco para dar continuidade à parceria estratégica” com seu credor e bem recebido pelos investidores do mercado acionário, o empréstimo de US$ 3,5 bilhões que a estatal brasileira acaba de contratar com o Banco de Desenvolvimento da China (CDB) não mostra o encaminhamento adequado de soluções para os graves problemas financeiros da estatal, mas seu agravamento. Ela foi à China porque o mercado em que tradicionalmente buscava financiamentos parece estar lhe fechando as portas.
 
Centro do escândalo de corrupção investigado pela Operação Lava Jato, a Petrobrás ainda não conseguiu aferir de maneira minimamente aceitável pelos auditores independentes e pelos órgãos reguladores do mercado acionário brasileiro e americano os prejuízos que os desvios de verba lhe causaram e, por isso, vem adiando a publicação do balanço financeiro e contábil relativo ao ano passado.

Por causa de seus problemas, teve sua nota de risco de crédito rebaixada duas vezes no ano passado pela agência Standard & Poor’s e há pouco foi colocada em perspectiva negativa – o próximo passo será a perda do grau de investimento.
 
O aumento do custo dos novos empréstimos – a estatal prevê a captação de US$ 12 bilhões por ano entre 2014 e 2018 – era a consequência mais onerosa prevista pelos analistas, em razão das desconfianças geradas pelas investigações da Operação Lava Jato. A busca de recursos na China indica que, mais do que caros, os créditos para a Petrobrás se tornaram escassos.
 
A curta nota com que a Petrobrás informou a conclusão da operação com o CDB – o maior banco de fomento do mundo, com ativos estimados em US$ 1,33 trilhão no final de 2013 – descreve-a como o primeiro contrato de “um acordo de cooperação a ser implementado ao longo de 2015 e 2016”, anuncia a disposição das partes de “desenvolver novas operações no futuro” e justifica o empréstimo como a continuidade de uma parceria que fortalece “as sinergias entre as economias dos dois países”. Mas não contém nenhuma informação sobre as condições do negócio nem, muito menos, sobre as contrapartidas de responsabilidade da Petrobrás.
 
Experiências de países latino-americanos produtores de petróleo e da própria Petrobrás com instituições financeiras chinesas não deixam dúvidas de que o governo de Pequim sempre está muito mais interessado em assegurar o suprimento do óleo de que a China necessita para manter seu crescimento acelerado do que nos interesses dos tomadores dos empréstimos. As condições financeiras dos credores só interessam aos dirigentes chineses se elas forem graves o suficiente para a imposição de condições muito favoráveis a Pequim.
 
A China vem fazendo isso há vários anos com a Venezuela chavista e fez com a Petrobrás em 2009 – quando o crédito ficou muito escasso. Naquele ano, para obter o empréstimo de US$ 10 bilhões do CDB, a Petrobrás aceitou como contrapartida o compromisso de compra de equipamentos chineses e ofereceu como garantia a oferta de petróleo para a China.
 
Quaisquer que tenham sido as condições do novo empréstimo acertado com o CDB, a operação representa pouco para as necessidades financeiras de curto prazo da Petrobrás. Para tentar equilibrar suas finanças, além dos empréstimos que ainda pretende captar no mercado – em condições agora desconhecidas, dada a desconfiança gerada pelo esquema de corrupção que se instalou nela –, a Petrobrás pretende desfazer-se de ativos avaliados em US$ 13 bilhões. Resta saber se, com a queda do preço do petróleo, o mercado mundial tem interesse em adquirir esses ativos.
 
Além disso, a estatal programa o corte de seus investimentos em US$ 14 bilhões por ano.
 
Com tantos problemas, até as boas notícias são prenúncio de dificuldades futuras. A Petrobrás participa com 40% do capital total e é a operadora do consórcio que detém os direitos sobre a maior descoberta de petróleo da América Latina em 2014, que ocorreu em águas profundas no Caribe colombiano. A empresa não tem dinheiro para investir a parte que lhe cabe. É mais uma consequência de seu domínio político pelo PT.


Nota DefesaNet

O avanço da China sobre o atual governo tem sido implacável. Trabalhando em dois fronts:

1 - Destronar e prejudicar os negócios Brasileiros na África e em especial no seu entorno, e,

Ver matéria:

Argentina – China aniquila perspectivas de parcerias de defesa do Brasil  Link

2 - Fincar bandeiras para futuros negócios. O foco tem sido o Projeto da Marinha do Brasil Sistema de Gerenciamento da Amazonia Azul (SisGAAz).

Veja a matéria onde a Nota de DefesaNet já alertava para o avanço chinês:

Exclusivo SisGAAz – 3 Main Contractors Apresentam-se link




 



Outras coberturas especiais


US

US

Última atualização 22 NOV, 10:40

MAIS LIDAS

Brasil - China