COBERTURA ESPECIAL - Brasil - EUA - Defesa

04 de Janeiro, 2019 - 13:00 ( Brasília )

BR-US - Bolsonaro admite que EUA podem ter uma base militar no Brasil no futuro




Em entrevista concedida ao telejornal SBT Brasil na noite de quinta-feira (03JAN2019), o presidente Jair Bolsonaro admitiu que existe uma possibilidade de, no futuro, os Estados Unidos implementarem uma base militar no Brasil. "A questão física pode ser até simbólica, hoje em dia o poderio das forças armadas americana, soviética, chinesa, alcança o mundo todo, independente de base. Agora, de acordo com o que estiver acontecendo no mundo, quem sabe vamos discutir essa questão no futuro", afirmou o presidente.

O capitão reformado ainda afirmou que o presidente dos EUA, Donald Trump, é o "homem mais poderoso do mundo" e que visitará em breve o país norte-americano.

"Já sinalizei para o Mike Pompeo [secretário de Estado dos EUA] e falei que em março gostaria de visitar os Estados Unidos e ter uma conversa com o Donald Trump. A princípio isso aí está pré-acertado.

As questões referentes aos Estados Unidos vieram após uma pergunta sobre o exercício militar russo realizado na Venezuela no começo de dezembro. À época, dois caças bombardeiros - com capacidade para transportar armamento nuclear - pousaram num aeroporto próximo a Caracas e irritaram os Estados Unidos. O secretário Mike Pompeo chegou a escrever em seu Twitter que são "dois governos corruptos desperdiçando dinheiro público".

"Já estava prevista essa manobra na Venezuela, nós sabemos qual a intenção do governo do Maduro [Nicolás Maduro, presidente venezuelano], e o Brasil tem que se preocupar com isso aí.

Ao longo dos últimos 20, 25 anos, nossas Forças Armadas foram abandonadas por uma questão política. Nós, das Forças Armadas, somos o último obstáculo para o socialismo.", afirmou Bolsonaro.

Retaliação dos países árabes

Bolsonaro também falou sobre as relações com os países árabes e as possibilidades de degradação diplomática por conta da mudança da embaixada brasileira em Israel. Mesmo antes de ser eleito, o presidente reiterou em momentos distintos que pretende mudar a embaixada do Brasil naquele país para Jerusalém - cidade que, há décadas, é alvo de um conflito territorial entre Israel e Palestina.

Na visita que fez ao Brasil para a posse do presidente, o premiê israelense Benjamin Netanyahu confirmou que a embaixada vai ser mesmo transferida para Jerusalém. "Grande parte do mundo árabe está alinhada ou se alinhando com os Estados Unidos. Esta questão da Palestina já está se saturando, e quem se manifestou mais contra mim foi o Irã.

Então alguns países mais radicais podem tomar alguma sanção, espero que apenas econômica, contra nós. Agora, eu não vou deixar de reconhecer a autoridade de Israel, quem decide onde vai ser a capital é o seu governo e seu povo.

A decisão está tomada, só falta decidir quando vai ser implementada", afirmou Bolsonaro na entrevista. No começo de dezembro, a Liga Árabe, em carta endereçada ao presidente, afirmou que não vê com bons olhos a mudança da embaixada brasileira em Israel.

"Dar um passo como esse não apenas atingiria os interesses palestinos, mas reduziria drasticamente as oportunidades de alcançar uma paz mais ampla", diz trecho da carta assinada pelo secretário-geral da instituição, Aboul Gheit.

O Brasil é um dos maiores exportadores de carne halal do mundo - preparada conforme prescrito pela lei muçulmana. O comércio destes produtos pode sofrer restrições caso Bolsonaro irrite os árabes com a efetiva transferência da embaixada e, consequentemente, prejudicar as exportações para os principais mercados do Oriente Médio dos produtores brasileiros de carne bovina e de aves.



 


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Doutrina Militar

Doutrina Militar

Última atualização 17 NOV, 12:10

MAIS LIDAS

Brasil - EUA