COBERTURA ESPECIAL - Base Industrial Defesa - Defesa

19 de Março, 2014 - 21:59 ( Brasília )

FIRJAN - RJ procura participar do Gripen NG

Rio de Janeiro quer ser o novo polo da indústria aeroespacial no Brasil

 
Às vésperas da Copa do Mundo, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas (EMCFA), General-de-Exército José Carlos de Nardi, fala sobre o esquema de segurança para o Mundial no âmbito do Ministério da Defesa, no Fórum Empresarial de Defesa e Segurança da FIRJAN, nesta quinta-feira (20MAR14), às 14hs, na Av Graça Aranha, nº1/13º andar, no Centro.

No encontro, será lançado  o Comitê Aeroespacial Marechal-do-Ar Casimiro Montenegro Filho, que é o pontapé inicial para as pretensões do Rio de Janeiro de ser o novo polo da indústria aeroespacial no Brasil.
 
De acordo com o coordenador do Fórum de Defesa e Segurança, Carlos Erane de Aguiar, o Rio oferece as condições adequadas para ser o elo estratégico da política de difusão do conhecimento aeroespacial brasileiro. "A escolha do caça  sueco Gripen NG para renovar a frota da Aeronáutica não só deu a largada na busca de empresas ligadas a esse setor, mas abre uma grande perspectiva de o Rio vir a ser um novo polo da indústria aeroespacial", diz Carlos Erane.
 
Ele explica que o Rio reúne as condições necessárias para o crescimento do que o setor chama de MRO (manutenção preventiva, revisão geral, e manutenção corretiva), com destaque para o aumento de voos comerciais e internacionais, voos exclusivos, e o apoio ao setor de petróleo e gás, especialmente helicópteros.
 
Apesar de os caças serem suecos, 80% da estrutura das aeronaves terão de ser fabricadas no Brasil (partes relevantes do processo como ensaios, testes e homologação).               
 
O Rio possui 19 empresas (5,71%) do setor no País. Em que pese o número pequeno de empresas do setor aeroespacial - cerca de  80% delas estão em São Paulo, especialmente na região de São José dos Campos -, o Rio, segundo Carlos Erane, congrega pontos fortes para formar um novo polo aeroespacial no Brasil, e ele enumera:
 

- Proximidade com a base aérea do Galeão;
 
- Base Aérea de Santa Cruz (melhor base do País, hoje subutilizada);
 
- Pista de teste no Campo dos Afonso e de um aeródromo capaz de receber os módulos fabris, em Nova Iguaçu;
 
- Localização ideal para a defesa do mar territorial, onde se concentra a maior produção de petróleo e gás do Brasil;
 
- Posição no nível do mar reduz consumo de combustível e oferece menor custo;
 
- Proximidade com o laboratório de aferição da Aeronáutica, no Caju;
 
- Criação de um sistema de centros integrados de desenvolvimento tecnológico e inteligência. com polo navipeças e o cluster subsea;
 
- Utilização da expertise do Centro Tecnológico da UFRJ, um dos mais importantes da América Latina, para implantação de cursos de engenharia aeroespacial;
 
-   O setor, que atualmente emprega, 25 mil profissionais, registrará uma forte demanda. Pelas projeções, até 2020 serão criados 48 mil novos postos de trabalho, número que chegará a 60 mil, em 20130. 

 



Outras coberturas especiais


Nuclear

Nuclear

Última atualização 21 SET, 10:54

MAIS LIDAS

Base Industrial Defesa