25 de Julho, 2012 - 11:02 ( Brasília )

Aviação

General norte americano, planejador das Operações Aéreas no Afeganistão, voa no A-29 Super Tucano


Fernando Valduga
Cavok
 

Quando ao piloto de caça aposentado e o Vice-Chefe do Estado-Maior da Força Aérea dos EUA de Inteligência, Vigilância e Reconhecimento (ISR), o tenente-general David Deptula foi oferecido a oportunidade de levar um A-29 Super Tucano para um teste de vôo, ele aproveitou a chance. A aeronave é um dos participantes do programa de Apoio Aéreo Leve (LAS) da Força Aérea dos EUA (USAF), oferecido pela Sierra Nevada Corporation, em parceria com a Embraer. A aeronave está em exibição esta semana no show aéreo AirVenture, em Oshkosh.

O A-29 Super Tucano tem ganhado destaque no mercado de defesa internacional nos últimos anos devido às suas capacidades e histórico em ambientes difíceis, bem como seu baixo custo de operação e de propriedade. Nos países latino-americanos, que foram os primeiros a adotar essa aeronave (Brasil, Chile, Colômbia, República Dominicana e Equador), líderes políticos creditam a ele com a derrubada de organizações ilegais e controle de uma variedade de outras ameaças.

Desde o início de 2012, Burkina Faso, Angola e Mauritânia assinaram contratos para compra de aviões Super Tucano e a Indonésia fez uma encomenda de outro lote de oito aeronaves e um simulador de vôo, depois de já ter comprado oito Super Tucanos. A Embraer, fabricante do avião, anunciou recentemente um acordo com a Boeing para fornecer a integração de armas para o A-29 Super Tucano, aumentando ainda mais as suas capacidades.

A aeronave selecionada pela Força Aérea dos EUA para o seu programa Apoio Aéreo Leve inicialmente será usada para fornecer recursos de ataque leve, reconhecimento armado e de treinamento para os militares no Afeganistão. Também irá fornecer aos EUA e outras nações parceiras as capacidades críticas para uma nova geração de poder aéreo ágil, flexível, econômico e multi-função.

“A partir de agora, e mais do que nunca, os Estados Unidos e seus aliados precisam encontrar o formas inovadores e de custo-benefício para conseguir derrotar uma variedade de ameaças não tradicionais, e eu queria ver por mim mesmo se o Super Tucano merece a reputação excelente que já possui”, disse o General Deptula.

Deptula serviu na Força Aérea dos EUA por mais de 34 anos. Entre suas muitas realizações, ele atuou como Diretor do Centro de Operações Aéreas para a Operação Liberdade Duradoura, em 2001, onde ele orquestrou operações aéreas sobre o Afeganistão, resultando na remoção do regime talibã e eliminando os campos de treinamento terroristas da al-Qaeda. Ele também foi o planejador do principal ataque na campanha aérea da coalizão na Tempestade no Deserto em 1991.

Deptula foi o primeiro chefe adjunto do Estado-Maior para inteligência, vigilância e reconhecimento, do Quartel General da Força Aérea, onde foi responsável pela formulação de políticas, planejamento e liderança das aeronaves não tripuladas de ISR da USAF. Ele pilotou mais de 3.000 horas de vôo (400 em combate), que incluem múltiplas atribuições de comando de combate operacional no F-15. Como civil, Deptula está focado em ajudar a indústria de defesa a fornecer melhores e mais baratas soluções para os problemas globais de segurança.

O A-29 Super Tucano é uma aeronave turboélice relativamente pequena, elegante e poderosa, projetada para múltiplos papéis de combate e ISR. Sua agilidade do poder aéreo e proposição de valor é resultado de anos de avanços na tecnologia, inovação, design e capacidade demonstrada.

De acordo com Deptula, não há dúvida de que o A-29 Super Tucano foi projetado para a máxima eficácia nas operações austeras. “Uma das coisas que você percebe de imediato é a faixa muito ampla e elevada altura do solo, largo super T, engrenagem robusta, e pneus de baixa pressão, que significam maior capacidade ‘off road’ e melhor desempenho em vento cruzado.” Ele também observou que o avião destina-se a tirar o máximo proveito do seu motor Pratt & Whitney PT6 de 1600 SHP.

“A fuselagem longa e o grande estabilizador vertical são bem desenhados para compensar o torque do poderoso motor – e adiciona um espaço pronto para crescimento nas missões futuras”. O motor também supera o desafio de ambientes altos e quentes, e permite uma velocidade sustentada ao longo de manobras em altas cargas “G”.

Deptula também observou que a estrutura, célula, apoio de motor, canopi, e as noves estações de armas que suportam mais de 130 configurações certificadas (incluindo um sensor Bright Star II da FLIR) são “propositalmente superdimensionadas pela engenharia”. As asas e a fuselagem se misturam para mais força e melhor aerodinâmica. Os canhões duplos de calibre .50 são integrados nas asas economizando peso e arrasto, melhorando a precisão. Estes, durante curvas, melhoram o tempo na estação e acrescenta uma persistência crítica quando operando em conjunto com as forças terrestres.

O Sistema Embarcado de Geração de Oxigênio (OBOGS), assentos ejetáveis “0-0″ da Martin Baker, cockpit blindado, e “maravilhosa visibilidade” de ambos os assentos da cabine, proporcionam uma grande confiança e conforto para aqueles que voam o A-29, de acordo com Deptula .

“O A-29 voa como um ‘caça’ deveria. É sensível, mas perdoa; robusto, mas avançado. Se não fosse a hélice na frente, eu teria pensado que eu estava voando um jato”, disse Deptula.

O sistema de planejamento de missão e debrief, aviônicos da Honeywell e Collins, monitores configuráveis multifuncionais e o HOTAS (hands-on-throttle-and-stick) são modelados como os modernos caças da USAF. De acordo com Deptula, este projeto minimiza o tempo de transição e de formação e o emprego de armas torna-se intuitivo e amigável. “Estas são características importantes numa aeronave com a qual você está tentando levar para as pessoas numa velocidade rápida”, disse ele.

“Eu poderia ter voado uma missão real depois da minha breve demonstração. Aqui está a lista para o pouso: trem baixado, flaps baixados. Ele não pode ser mais simples do que isso.”