05 de Julho, 2016 - 23:00 ( Brasília )

Aviação

FAB - Queda F-5FM da BASC

CECOMSAER emite Nota Oficial sobre queda de um caça F-5FM na Base Aérea de Santa Cruz - BASC


Ministério da Defesa
Comando da Aeronáutica
Centro de Comunicação Social da Aeronáutica

 

Acidente com avião de caça da FAB

Publicado FAB: 05/07/2016 20:05h

Um avião de caça F5-FM Tiger da Força Aérea Brasileira acidentou-se nesta terça-feira (05/07) na Base Aérea de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, às 18h40. Os pilotos ejetaram-se e passam bem.

A tripulação realizava um voo local de treinamento e estava em fase de aproximação final, quando foi detectada uma falha que não permitia o pouso em segurança. A ejeção era mandatória nesse caso e ocorreu de forma controlada, com a aeronave direcionada a uma região desabitada, não ocorrendo danos pessoais ou materiais no solo.

Equipes de investigação da Aeronáutica estão no local para apurar os fatores contribuintes da ocorrência


Brasília, 5 de julho de 2016.

Brigadeiro do Ar Ary Soares Mesquita
Chefe do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica


Nota publicada no Portal G1

 

Um caça da Força Aérea Brasileira (FAB) caiu na Base Aérea de Santa Cruz (BASC), na Zona Oeste do Rio, no início da noite desta terça-feira (5). Segundo a FAB, era um voo de instrução e os dois tripulantes conseguiram se ejetar, descer de paraquedas e pousar com segurança.

Ainda de acordo com a FAB, os dois perceberam o problema técnico no trem de pouso e que não conseguiriam pousar. O avião caiu em uma área desabitada dentro do terreno da Base Aérea. Ninguém ficou ferido.

A Força Aérea informou que o procedimento de ejeção foi necessário, já que um pouso de barriga não seria possível. A FAB disse ainda que houve fogo na aeronave, um caça F5-FM Tiger modernizado, e que bombeiros da própria área militar fizeram atendimento no local do acidente.

Segurança olímpica

A base será uma das unidades militares responsáveis pela segurança do espaço aéreo durante o período da Olimpíada e da Paralimpíada.

A base receberá cerca de 250 militares de cinco esquadrões, que vão atuar em turnos. O objetivo é "manter a soberania nacional e a segurança dos voos durante 24 horas", segundo a FAB. Serão utilizados aviões de caça, helicópteros e aeronaves remotamente pilotadas.

A BASC também teve a mesma atuação em outros grandes eventos, como a Copa das Confederações, a Rio+20, a Jornada Mundial da Juventude e a Copa do Mundo.