11 de Julho, 2011 - 08:40 ( Brasília )

Aviação

Gol será líder em oito rotas com a Webjet


A compra da Webjet vai dar à Gol a liderança em seis das 10 principais rotas domésticas em termos de fluxo de passageiros transportados. Como a Gol já tinha a hegemonia em duas delas antes da negociação, a segunda maior empresa aérea do país ficará à frente da líder TAM em oito das principais ligações do país. Isso é o que mostra o anuário Estatístico de 2010, da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Na sexta-feira, a Gol anunciou a aquisição de 100% do capital da Webjet pelo valor de R$ 310,7 milhões. Desse total, R$ 96 milhões serão desembolsados ao empresário Guilherme Paulus, único acionista da Webjet. Na negociação, a Gol assume uma dívida de R$ 214,7 milhões.

A conclusão do negócio, informou na sexta-feira a Gol, ainda está sujeita à auditoria e aprovação de autoridades governamentais como a Anac e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Paulus também é fundador e presidente do conselho de administração da operadora de turismo CVC. Em janeiro de 2010, o empresário já havia protagonizado outra grande negociação. Por cerca de R$ 700 milhões, vendeu 63,6% da CVC para o fundo de investimentos Carlyle. Na sexta-feira, a Webjet informou que as duas empresas manterão as demonstrações financeiras separadas, assim como as duas operações permanecerão independentes durante o processo de conclusão do negócio.

"A tendência no mundo é de consolidação. Como temos aeroportos operando no limite, nos interessava os slots (horários de pouso e decolagem) da Webjet em aeroportos como o de Guarulhos e o Santos Dumont. Além disso, a Webjet desenvolveu um modelo de negócios muito parecido com o nosso", afirma um executivo envolvido nas negociações, mas que pediu para não ser identificado.

Os dados da Anac comprovam a afirmação do executivo. Antes da compra da Webjet, a Gol já tinha a liderança nas rotas Congonhas-Confins e Congonhas-Curitiba. Com a negociação, a Gol mais a Webjet ultrapassam a TAM justamente nas principais ligações envolvendo os aeroportos Internacional de Guarulhos e o Santos Dumont, no Rio.

Gol e Webjet, juntas, passarão a ter o maior fluxo de passageiros nas rotas entre os aeroportos de Guarulhos e os de Salvador, de Porto-Alegre, de Brasília e do Galeão. As duas empresas também terão a hegemonia nas ligações entre o Santos Dumont e os aeroportos de Brasília e de Salvador. Ano passado, essas oito rotas transportaram quase 10 milhões de passageiros (9,9 milhões, conforme a Anac).

A TAM permanecerá com o maior fluxo de passageiros na ponte-aérea, que em 2010 transportou 3,5 milhões de pessoas. Também continua com a liderança entre Congonhas e Brasília, com 1,7 milhão de viajantes no ano passado. Por aeroportos, Gol e Webjet passarão a ter a liderança em Brasília, com 48,8% da demanda, ante 44,5% da TAM. As duas também passam a ser líderes em Salvador, com 47,3%, diante dos 38% da rival TAM.

Os slots são concessões dadas às empresas aéreas em aeroportos. Antes de a Anac ter introduzido um sistema de sorteio e leilão, em meados de 2006, esses horários eram concedidos por ordem de chegada do pedido, conforme as regras do antigo Departamento de Aviação Civil (DAC), que deu lugar à Anac.

O professor de transporte aéreo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Respício Espírito Santo, afirma que a negociação vai ser prejudicial ao consumidor. "A Gol vai aumentar as tarifas da Webjet, que eram mais baratas que as suas. O ideal para a sociedade seria a Webjet se fortalecer sozinha", afirma o especialista,

De acordo com ele, a compra da Webjet não teve como principal motor slots em aeroportos ou ganho de participação de mercado. "Foi um movimento defensivo. A Gol queria se proteger contra uma investida de investidores estrangeiros ou até mesmo de nacionais", afirma.

Em meados de março de 2010, Guilherme Paulus afirmou que havia conversações com a companhia aérea irlandesa de baixo custo Ryanair para uma possível negociação da Webjet. O negócio não prosperou, contudo, porque não avançou a tramitação da lei que amplia o limite de capital estrangeiro em companhia aérea brasileira dos atuais 20% para 49%. Paulus, aliás, sempre foi um ferrenho defensor dessa mudança, com idas pessoais a Brasília.

O especialista em aviação da consultoria Bain & Company, André Castellini, concorda que a Gol estava interessada nos slots da Webjet, mas vê outros interesses. "A Gol está comprando participação de mercado e tripulação treinada. Como os pilotos da Webjet operam o Boeing 737-300, para treiná-los para o 737-700 ou 800 [aviões de nova geração usados pela Gol] é mais rápido e barato", afirma ele. "Há uma sinergia de custos", acrescenta.

GOL inicia processo para aquisição do capital da Webjet 
.
 

São Paulo, 8 de julho de 2011 – A GOL, maior companhia aérea de baixo custo e baixa tarifa da América Latina, comunicou hoje ao mercado que celebrou um acordo com a Webjet para a aquisição de seu capital total. O valor do negócio é de, aproximadamente, R$ 311 milhões (com data base em 31 de março de 2011), dos quais cerca de R$ 96 milhões serão pagos aos atuais sócios. Esses valores precisam ser confirmados em um processo de due diligence.

A aquisição da Webjet, a ser definida após o processo iniciado hoje, será realizada pela GOL ou uma de suas subsidiárias integrais. As empresas manterão as demonstrações financeiras separadas. As operações das duas empresas, durante todo o processo, prosseguirão de forma independente, sem previsão de mudanças estruturais ou de gestão, nas duas companhias, motivadas pelo acordo celebrado hoje. Ambas as companhias adotam e manterão as melhores práticas de governança corporativa e controles internos.

A Webjet, também uma empresa aérea de baixo custo e baixa tarifa, opera atualmente 154 voos diários para 14 cidades no Brasil. Sua frota é composta por 24 aeronaves do modelo Boeing 737-300. A VRG, que opera as marcas GOL e VARIG, realiza cerca de 900 decolagens diárias para 51 destinos brasileiros e 11 internacionais na América do Sul e Caribe. Sua frota operacional consiste de 115 aeronaves Boeing 737-700 e 737-800 Next Generation.

A operação conjunta fortalecerá a posição do Grupo GOL nos principais aeroportos do Brasil. As empresas explorarão sinergias que resultem na adequação das malhas, garantindo a alimentação e distribuição dos voos de forma abrangente, ganhos de eficiência e maior qualidade e competitividade, permitindo às companhias adequar a oferta de assentos com tarifas cada vez mais competitivas e estimular o crescimento das viagens aéreas. Ao ser aprovada, a aquisição possibilitará aos clientes uma malha aérea ainda melhor, com mais horários, destinos e uma maior penetração do SMILES, o maior programa de milhagem do Brasil.

“Estamos confiantes de que, com essa aquisição, a GOL aproximará cada vez mais pessoas com segurança e inteligência, continuará com sua missão de popularizar o transporte aéreo e se consolidará como uma das líderes no segmento de aviação de baixo custo no mundo”, afirma Constantino de Oliveira Junior, Presidente da GOL