06 de Dezembro, 2015 - 17:00 ( Brasília )

Armas

Editorial NYT - Fim à Epidemia de Armas nos Estado Unidos


The New York Times
Editorial
05 Dezembro 2015

Texto em inglês Link


Fim à Epidemia de Armas nos Estado Unidos


É um ultraje moral e vergonha nacional que os civis possam legalmente comprar armas projetadas para matar pessoas com velocidade brutal e eficiência.

Todas as pessoas decentes sentem tristeza e justa fúria  sobre a mais recente matança de inocentes, na Califórnia. Os órgãos de segurança e as agência de inteligência estão à procura de motivações, incluindo a questão vital de como os assassinos poderiam ter se conetado ao terrorismo internacional. Isso é correto e apropriado.

Mas motivos não importam para os mortos na Califórnia, nem aqueles no Colorado, Oregon, Carolina do Sul, Virgínia, Connecticut e em muitos outros lugares. A atenção e raiva dos americanos também deve ser dirigida para os líderes eleitos cujo trabalho é para nos manter seguros, mas que coloque em posição mais elevado sobre o dinheiro e o poder político de uma indústria dedicada a lucrar com a disseminação irrestrita de armas de fogo cada vez mais poderosos.

É um ultraje moral e uma desgraça nacional que os civis possam legalmente comprar armas projetadas especificamente para matar pessoas com velocidade brutal e eficiência. Estas são armas de guerra, levemente modificadas e comercializadas como ferramentas do machismo e até mesmo insurreição.

Líderes eleitos da América oferecerem orações para as vítimas de armas e, em seguida, insensivelmente e sem medo das conseqüências, rejeitam as restrições mais básicas sobre as armas de extermínio em massa, como fizeram na quinta-feira. Eles nos iludem com argumentos sobre a palavra terrorismo. Vamos ser claros: Estes assassinatos são todos, em suas próprias maneiras, atos de terrorismo.

Cada dia da semana, fortes comentários dos colunistas das áreas de Opinião e Editorial (Op-Ed), do conselho editorial do New York Times e jornalistas de todo o mundo.

Os opositores do controle de armas estão dizendo, como o fazem depois de cada assassinato, que nenhuma lei pode infalivelmente evitar um criminoso específico. Isso é verdade. Eles estão falando, muitos com sinceridade, sobre os desafios constitucionais à regulamentação eficaz do desarmamento. Existem esses desafios. Eles apontam que determinados assassinos obtêm armas ilegalmente em lugares como França, Inglaterra e Noruega, que têm leis rigorosas sobre armas. Sim eles fizeram.

Mas, pelo menos, esses países estão tentando. Os Estados Unidos não estão. Pior, a atenção e a ira também devem se dirigir aos funcionários eleitos, cujo dever é nos manter a salvo, mas conseguem um prêmio mais alto com o dinheiro e o poder político de uma indústria dedicada a se beneficiar da distribuição sem restrições de armas de fogo cada vez mais poderosas. Já passou da hora de parar de falar sobre reduzir a propagação de armas de fogo e, em vez disso reduzir o seu número drasticamente - eliminando algumas grandes categorias de armas e munições.

Não é necessário debater a questão da Segunda Emenda. Nenhum direito é ilimitado e imune a uma regulação razoável.

Certos tipos de armas, como os rifles de combate ligeiramente modificados como os usados na Califórnia, e certos tipos de munição, deve ser banida para a posse de civis. É possível definir essas armas de forma clara e eficaz e, sim, seria necessário americanos que possuem esses tipos de armas a entregá-las para o bem de seus concidadãos.

Que melhor momento do que durante a eleição presidencial de mostrar, finalmente, que a nossa nação manteve seu senso de decência?



Capa do

Nota DefesaNet

New York Times' pede controle de armas em editorial na primeira página
 
O jornal "The New York Times" publicou no sábado (05DEZ2015) um editorial em sua primeira página pela primeira vez desde a década de 1920 para pedir o controle de armas após o último tiroteio sangrento nos Estados Unidos, na cidade de San Bernardino, na Califórnia.

Intitulado "Fim à epidemia de armas nos Estados Unidos", o editoral arremete contra os políticos e afirma que certos tipos de armas e munições devem ser proibidas aos cidadãos particulares.

"É um ultraje moral e uma desgraça nacional que os civis possam comprar legalmente armas projetadas especificamente para matar gente com velocidade e eficiência brutais", indica o artigo.

Publicado na edição impressa neste sábado (5) e na edição online na noite de sexta (4) , o editorial foi divulgado poucos dias após um casal realizar um massacre que deixou 14 mortos e 21 feridos na Califórnia.

Em uma declaração, o presidente e diretor do jornal, Arthur Ochs Sulzberger Jr, disse que o editorial foi publicado na primeira página para "entregar uma forte e visível declaração de frustração e angústia pela incapacidade de nosso país em enfrentar o flagelo das armas".


Os termos agressivos empregados pelo NY Times chamam contra os políticos demonstram o caráter diversionário após o ataque terrorista do EI (ISIS), em San Bernardino, na California.

Considerando as dobradinhas jogadas pela Casa Branca e o New York Times, e o anúncio de uma declaração de que o presidente Barack Obama fará um pronunciamento no domingo indicam a intenção de que o desarmamento seja implementado nos Estados Unidos via uma Ordem Executiva Presidencial.

O Editor