COBERTURA ESPECIAL - America Latina - Geopolítica

10 de Agosto, 2015 - 11:00 ( Brasília )

Forças Armadas do Peru oferecem ensino superior para jovens soldados


English version

Paola García

Soldados com menos de 30 anos de idade que tenham concluído o serviço militar voluntário do Peru podem estudar gratuitamente no Instituto de Educação Superior Tecnológico Público das Forças Armadas (IESTPFFAA), inaugurado pelo presidente Ollanta Humala e pelo ministro da Defesa, Jakke Valakivi, em 26 de junho, em Lima.

O instituto iniciou as atividades em 1º de julho, com 720 alunos e 60 professores, e disponibiliza cursos em cinco carreiras: Ciência da Computação e Tecnologia da Informação; Eletrônica industrial; Mecânica de Produção; Mecânica de Veículos e Construção Civil. Em 2016, o IESTPFFAA ampliará a oferta de cursos com mais sete carreiras técnico-profissionais: Manutenção de Máquinas; Gestão de Recursos Florestais; Gestão Hoteleira; Análise de Sistemas; Mineração; Indústrias Alimentícias e Topografia.

“A meta é, no final dos primeiros três anos, tempo de duração de cada curso, termos 7.000 alunos em 12 áreas de estudo que formam o projeto educacional”, diz o Contra-Almirante Luis Peralta Guzmán, diretor do instituto.

Para acomodar os estudantes, o próprio campus – que está localizado no Forte Contra-Almirante Rafael Hoyos Rubio, um quartel do Exército no distrito limenho de Rímac – vai crescer também. “No prazo máximo de três anos, a capacidade total projetada do instituto incluirá um campus de 19 hectares.”

Atender à necessidade de técnicos do país

As Forças Armadas criaram o instituto para atender à demanda de profissionais técnicos no setor produtivo do país.

“Fizemos um estudo, realizamos workshops com sindicatos empresariais e determinamos as carreiras em que há maior demanda no setor produtivo. São carreiras que vão contribuir para suprir a falta de profissionais técnicos que o mercado de trabalho procura, o que contribuirá para o crescimento econômico e para consolidar a competitividade do setor. ”

Para obter o ensino gratuito no IESTPFFA, os soldados devem satisfazer a três requisitos. Primeiro, eles precisam ter concluído dois anos de serviço militar voluntário em qualquer ramo das Forças Armadas do Peru; segundo, devem ter menos de 30 anos de idade; e, em terceiro lugar, eles devem ter concluído o ensino secundário. Os soldados que atenderem a esses requisitos também receberão uma bolsa para cobrir despesas pessoais como moradia e alimentação, graças a um convênio entre o IESTPFFAA e o programa governamental Beca 18.

“Queremos que as oportunidades educacionais não se limitem aos militares dispensados que residem em Lima, mas que este programa também seja acessível para aqueles que vivem nas províncias”, diz o Contra-Almirante Peralta.

Uma iniciativa presidencial

Essa iniciativa educacional recompensa os jovens que prestaram o serviço militar, disse o ministro Valakivi durante a cerimônia de inauguração do IESTPFFAA.

“É uma das mais importantes realizações acadêmicas do setor de defesa e do governo. O instituto oferece educação superior tecnológica de qualidade aos jovens que serviram nas Forças Armadas. Ele também apresenta para a comunidade um dos principais papéis que o setor de defesa tem no contexto atual, que é o de contribuir para o desenvolvimento nacional.”

Assim, o IESTPFFAA atende a uma promessa feita pelo presidente Humala em seu discurso de posse em 2011, de acordo com o Contra-Almirante Peralta.

“Após o anúncio presidencial, o Ministério da Defesa começou a trabalhar nesse projeto educacional como um projeto de investimento público, que se concretiza hoje e possui um campus dotado de equipamentos e tecnologia de ponta.”

Especificamente, o instituto conta com laboratórios, oficinas, equipamentos e mobiliário para cada uma das cinco carreiras que estão sendo oferecidas, e novas instalações serão adicionadas gradualmente para acomodar os cursos futuros. Na instituição, os alunos farão um curso de três anos, divididos em seis semestres letivos que incluirão aulas de inglês. Após a conclusão, os formandos receberão um certificado nacional de técnicos profissionais nas especialidades escolhidas.

“De acordo com o nosso modelo educacional, concederemos certificados modulares progressivos, ou seja, à medida que os alunos avançam em sua carreira, receberão os certificados que lhes permitirão ingressar no mercado de trabalho sem necessidade de ter completado todo o ciclo de estudos.”

Para auxiliar os formandos a encontrar empregos, o IESTPFFAA pretende assinar acordos de parceria com sindicatos empresariais. As autoridades esperam que essa oportunidade educacional seja um incentivo para que os jovens ingressem no serviço militar do Peru, que é voluntário desde 1999, acrescenta o Contra-Almirante Peralta.