COBERTURA ESPECIAL - Venezuela - Geopolítica

02 de Maio, 2021 - 20:51 ( Brasília )

Relatório Otálvora: Confusa e improvisada Operação Militar do governo Maduro na frontera com Colombia gera preocupação nas Chancelarias

Expulsão dos venezuelanos e Reconstituição da Pátria promete Castro-Chavismo no Peru



EDGAR C. OTÁLVORA
Publicado no Diario Las Americas
@Ecotalvora


 
Vários ministros das Relações Exteriores do continente ofereceram seus bons ofícios para servir de ponte entre o governo colombiano e o governo de fato de Nicolás Maduro. A decisão do governo de Maduro de realizar uma operação confusa e improvisada, incluindo o uso de aviões de combate, tanques de guerra e artilharia, contra um grupo guerrilheiro na linha de fronteira Apure-Arauca despertou preocupação internacional sobre um eventual confronto armado entre tropas de ambos países. Recorrentemente, o regime chavista apresenta a Colômbia como sua principal hipótese de guerra e já em março de 2017, as tropas venezuelanas invadiram uma ilha localizada na margem direita da fronteira do rio Arauca.

 

Além disso, a ação armada iniciada, em 25MAR2021, a cargo de um batalhão de forças especiais, resultou na mobilização imediata da população local da fronteira venezuelana com o rio Arauca em busca de proteção em território colombiano.
 
Atualmente não existem relações diplomáticas ou canais de comunicação informais entre a Casa de Nariño e o regime venezuelano.


******




A aliança continental Castro-Chavista recebeu uma derrota inesperada, em 11ABR21, quando seu candidato Andrés Arauz, que estava concorrendo em nome de Rafael Correa, não conseguiu chegar à presidência do Equador. Além de recuperar o governo equatoriano, o resultado dessas eleições dependeu do início de uma ofensiva internacional agressiva com o objetivo de criar uma crise na OEA com vistas ao afastamento ou renúncia do secretário da entidade, Luis Almagro. O plano, acalentado pelo Grupo Puebla, previa também a reabertura da Unasul em sua sede original em Quito.

*****

Apesar da derrota no Equador, os resultados eleitorais do 11ABR2021 abriram um caminho pelo qual Castro-Chavismo poderia tomar o poder no Peru. A candidata oficialmente vinculada ao Grupo Puebla e ao Fórum de São Paulo foi Verónika Mendoza, que mal conseguiu reunir 7% dos votos. No entanto, na longa lista de candidatos estava o praticamente desconhecido Pedro Castillo Terrones, a segunda e secreta opção do Castro-Chavismo, que, com base no trabalho de propaganda em áreas camponesas e mineiras, conseguiu obter 18,92% dos votos. Castillo é um homem ideologicamente ligado a Castro-chavismo e mantém laços pessoais com Evo Morales. Para Morales, a vitória de Castillo será um triunfo da causa internacional da esquerda. O partido que lançou Castillo à presidência do Peru Libre é liderado por Vladimir Cerrón, formado em medicina em Havana e que atua como operador pró-cubano no Peru.

Refundir a pátria, nacionalizar "recursos estratégicos", impedir que recursos saiam do exterior, convocar uma assembleia constituinte dos sindicatos e do "povo organizado", fazem parte das ofertas de Castillo, todas elas traçando os processos já vividos na Venezuela, Equador e Bolívia . Além disso, Castillo assumiu um discurso xenófobo contra os migrantes venezuelanos que ameaça expulsar por meio de um decreto que emitirá no mesmo dia de sua hipotética posse.

Dos apelos do uruguaio José Mujica e do boliviano Evo Morales para que a esquerda peruana se unisse em torno de Castillo, às proclamações do Grupo Puebla, o aparato Castro-Chavista dirige todo o seu apoio à candidatura de seu inesperado homem no Peru.

Castillo, que enfrenta Keiko Fujimori na segunda rodada de 06JUN21, optou por tentar negar os laços com Castro-Chavismo. Em entrevista concedida a Nicolás Lúcar, da estação de Exitosa, no dia 22 e 21 de abril, Castillo garantiu que seu programa de governo não seria o que seu partido havia apresentado anteriormente às autoridades eleitorais e que foi elaborado por Vladimir Cerrón. Tentou se distanciar de Nicolás Maduro, mas não deixou de saudar e justificar o apoio de Mujica e Morales e até usou a mesma frase que o uruguaio havia pronunciado dias antes quando clamava pela unidade da esquerda peruana.
 
********

Por ocasião da cerimônia de beatificação de José Gregorio Hernández (JGH), prevista para 30ABR21 em Caracas, o Vaticano se preparava para manter conversações diretas com as principais forças políticas do país. Desbloquear o jogo político na Venezuela continua a ser um motivo para a Igreja e o partido para a beatificação de Hernández, bem como uma ocasião para o apelo à "unidade nacional" e ao "espírito de reconciliação", poderia ser usado para tomar um pulso direto para as posições em jogo.

Por decisão papal, a cerimônia seria presidida pelo Secretário de Estado, feliz número dois do Estado do Vaticano, o cardeal Pietro Parolin, que anteriormente foi núncio apostólico em Caracas com relacionamento direto com múltiplos setores venezuelanos. A prática usual nesses casos teria sido a nomeação do prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, Marcello Cardeal Semeraro, e não Parolín para liderar a beatificação.

*****

O governo de fato da Venezuela se preparava para conversar com Parolin, que seria convidado ao Palácio presidencial de Miraflores. Mesmo na Chancelaria Chavista não católica, havia sido organizada uma exposição "artística" sobre o Beato JGH, que o regime esperava que fosse inaugurada por Parolín. A intenção do Vaticano e da conferência dos bispos venezuelanos era evitar que a data fosse capitalizada pelo regime chavista para fins de propaganda. Esse teria sido um dos motivos para excluir a utilização de um grande estádio, na Universidade Central da Venezuela, para a missa de beatificação, optando-se pelo templo de uma escola lassalista.

Em 28 de abril de 21, o Vaticano surpreendentemente suspendeu a viagem de Parolín a Caracas, alegando "causas de força maior ligadas principalmente à pandemia COVID19". A presidência da Eucaristia de beatificação esteve a cargo do Núncio Apostólico na Venezuela, Dom Aldo Giordano, que se encarregou de entregar a hóstia aos representantes do regime que compareceram à cerimónia e que pouco conheciam das formas do rito da comunhão.

*****

O Papa Francisco gravou uma mensagem dirigida aos venezuelanos por ocasião da beatificação do Beato JGH na qual não se esquivou da questão política. “Tenho em mente todos aqueles que deixaram o país em busca de melhores condições de vida, e também aqueles que estão privados de liberdade e aqueles que carecem do mais necessário ... todos são compatriotas dos bem-aventurados”, disse ele.

Em pelo menos duas ocasiões, Francisco afastou-se do texto escrito e improvisou: “sobre o espírito de reconciliação, porque sempre há problemas nas famílias, nas cidades, nas sociedades, tem gente que olha um pouco para o lado, que parece mal, e a reconciliação é sempre necessária, a mão estendida, a mão estendida é um bom investimento social ”, declarou. Lendo pediu aos dirigentes do país “que trabalhem seriamente na concretização de uma unidade operacional na qual todos com seriedade e sinceridade, a partir do respeito e do reconhecimento recíproco, ponham o bem comum antes de qualquer outro interesse, trabalhem pela unidade, paz e prosperidade”. Posteriormente, afastando-se do texto preparado, Francisco disse pedir “ao Senhor, que nenhuma intervenção de fora, os impeça de trilhar, este caminho de unidade nacional”.

*****

Piedad Córdoba, a ex-parlamentar colombiana intimamente ligada à direção das FARC, presumidamente, atua como funcionária da Telesur, o canal de propaganda dos governos de Cuba e Venezuela.




De acordo com o jornal El Tiempo de Bogotá, em 23 de março de 21 Córdoba compareceu ao Juízo da Jurisdição Especial de Paz JEP para explicar as formas como obteve informação sobre a autoria do assassinato do dirigente conservador Álvaro Gómez Hurtado cometido em 02NOV95. A partir dessa data, correu a versão segundo a qual a morte de Gómez Hurtado teria sido ordenada pela presidência da República, exercida por Ernesto Samper Pizano, que na época estava em processo de impeachment e com ares de Coup dÉtat, agitava Bogotá. Piedad Córdoba assegura que Gómez Hurtado foi executado pelas FARC com as quais tentou salvar a face e impedir um processo judicial contra Samper Pizano. Córdoba disse ao JEP que obteve a informação na qualidade de "jornalista da Telesur" e reivindicou "a proteção da fonte".


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Pandemic War

Pandemic War

Última atualização 29 JUL, 18:46

MAIS LIDAS

Venezuela