COBERTURA ESPECIAL - Venezuela - Geopolítica

29 de Março, 2021 - 20:00 ( Brasília )

Os EUA e a União Europeia concordaram em coordenar sua abordagem à Venezuela

Nas últimas semanas, tem havido uma coordenação notória de ação internacional entre os EUA e a Europa


Relatório Otálvora
Edgar Otalvora
@otalvora
a
Publicado  originalmente no Diario las Americas


Os EUA e a União Europeia concordaram em coordenar suas ações em relação à Venezuela.

A primeira viagem do novo secretário dos EUA começou, em 14MAR2021, foi acompanhada pelo secretário de Defesa Lloyd Austin e incluiu o Japão e a Coréia. Blinken optou por falar pessoalmente com os dois principais aliados asiáticos antes da tempestuosa reunião a ser realizada, em 18MAR2021, no Alasca com o todo-poderoso chefe da política externa chinesa, Yang Jiechi. 

A segunda viagem de Blinken ao exterior teve como destino Bruxelas, iniciada no dia 22MAR2021, e teve como objetivo participar da reunião ministerial da OTAN e manter reuniões com os principais dirigentes da União Europeia. Na Ásia e na Europa, a mensagem de Blinken foi a mesma: os Estados Unidos com Biden estão de volta ao cenário internacional e buscam retomar linhas de cooperação e ação conjunta com seus aliados tradicionais. Em 25MAR202121, após a visita de Blinken,  a Bruxelas, foi realizada uma teleconferência entre Joe Biden, o Presidente do Conselho Europeu Charles Michel e os chefes dos governos membros da EU.

Nas últimas semanas, tem ocorrido notória coordenação de ação internacional entre os EUA e a Europa. Em 02MAR21, a União Europeia impôs sanções a funcionários russos por violações de direitos humanos, uma medida que foi rapidamente seguida pelo governo de Biden. Em 22MAR2021, quase simultaneamente, os Estados Unidos, Canadá, Reino Unido e União Europeia impuseram sanções às autoridades chinesas por violações de direitos humanos.

*****

Entre as principais atividades do Blinken, em Bruxelas, estava um encontro com o Alto Representante da UE Josep Borrell, no qual o espanhol esperava incluir vários temas da política na América Latina. Procurou-se reconstruir a agenda de trabalho dos EUA e da UE.

A reunião Blinken-Borrell ocorreu, em 24MAR2021, e no final foi distribuída uma longa declaração segundo a qual o objetivo da reunião era "discutir formas de fortalecer as relações entre os EUA e a UE e coordenar respostas à política externa prioritária". Irã, China, Rússia, Ucrânia, Geórgia, mudanças climáticas, Mediterrâneo Oriental, Etiópia, Afeganistão e OTAN foram assuntos expressamente mencionados no comunicado. Não há dúvida de que o texto, previamente redigido e negociado por diplomatas de ambas as partes, não contemplava todas as questões efetivamente discutidas.

Após a emissão do comunicado conjunto e uma breve comparência à imprensa em que também não foi mencionado o caso venezuelano, o Relatório Otálvora consultou diretamente o Serviço de Relações Exteriores da União Europeia com sede em Bruxelas. Um porta-voz oficial da UE confirmou, que Blinken e Borrell "discutiram a Venezuela" e "concordaram em trabalhar juntos em uma abordagem coordenada". Estima-se que o Departamento de Estado e o escritório chefiado por Borrell continuarão conversando sobre a coordenação de ações para a redemocratização da Venezuela. 

Diversas fontes consultadas em Washington e Caracas sugerem que não existe um roteiro definido pelo governo Binden para a Venezuela e, por enquanto, O esquema proposto pelo governo Trump com sanções ao governo de fato e reconhecimento de Juan Guaidó como presidente provisório é mantido em termos gerais. Mas tanto Washington quanto Bruxelas estão tentando definir esquemas para superar a estagnação do processo de redemocratização na Venezuela. Borrell, em declarações anteriores ao seu encontro com Blinken, afirmou que as eleições regionais convocadas por Chavismo poderiam “trazer uma nova oportunidade para um acordo entre o governo [de facto] e a oposição”. Borrell sugeriu, portanto, que possíveis negociações na Venezuela poderiam se concentrar nas condições para essas eleições regionais, coincidindo assim com a situação do governo norueguês. 

*****

Enquanto isso, fontes próximas a Guaidó garantiram a este Relatório que estão em negociações com Canadá, Estados Unidos e vários países europeus, incluindo a Suécia, em busca de um novo esquema de alianças internacionais para pressionar o regime chavista. Os meios diplomáticos latino-americanos mencionam a possibilidade de institucionalizar um novo grupo internacional, eventualmente formado por oito governos da América, Europa e Ásia, o que, sem substituir o paralisado Grupo Lima, “fortalece nossa posição de pressionar o regime para organizar eleições presidenciais, "como confirmado por um ativista internacional próximo  à Guaidó.

******

A detenção, a 12JUN2020, no aeroporto de Isla Sal, Cabo Verde, do operador financeiro do Chavismo Alex Saab , desencadeou uma grande operação do Castrochavismo internacional. A prisão de Saab ocorreu a pedido dos Estados Unidos, que consideram o empresário colombiano foragido em um processo judicial de diversas acusações de lavagem de dinheiro derivada de corrupção associada ao governo de fato da Venezuela.

******

Em 13 de junho de 2015, o governo de Maduro emitiu um comunicado referindo-se ao “Sr. Saab Morán ”, que estranhamente recebeu a nacionalidade venezuelana e para quem ainda não reivindicou status diplomático e imunidades, exceto para ser chamado de“ agente do governo bolivariano”. No decorrer de 2020, a estratégia de defesa do operador chavista consistia em discutir a forma e a legalidade de sua detenção, enfatizando seu suposto status diplomático que o governo de Maduro tentou atribuir a ele quando já estava preso e em processo de extradição. Em 28JUL2020, o caso Saab foi assumido publicamente pela firma espanhola Baltazar Garzón, o que revelou não só a enorme quantidade de dinheiro que Chavismo estava disposto a despender no processo de defesa, mas também, a abordagem internacionalizada e politizada que a defesa se propunha avançar. Garzón já foi zagueiro de Julián Assange, Lula da Silva, Evo Morales e faz parte da equipe jurídica do Grupo Puebla, com a qual o espanhol mistura seus altos honorários e sua filiação esquerdista.

*****

A defesa da Saab envolveu a constituição de várias equipas de advogados nos Estados Unidos, Colômbia, Cabo Verde e Nigéria. Ainda, segundo o jornalista Nelson Bocaranda, foram constituídas várias coordenações judiciais que funcionavam paralelamente. Ele também tinha um sistema de ligação bem oleado com a imprensa na Espanha, Portugal e Colômbia. Dado que os acontecimentos judiciais sobre a Saab decorrem basicamente em tribunais de longínquas capitais africanas, normalmente a versão que os jornais e agências noticiosas escolhem é a fornecida pela própria equipa de advogados do arguido, com todo o tipo de omissões ou interpretações erróneas favoráveis ??ao cliente. A politizada defesa da Saab, tentou apresentá-la como uma vítima dos EUA,

A decisão de criar uma equipa de advogados na Nigéria visava a instauração de um recurso contra a esperada recusa da justiça cabo-verdiana em libertar a Saab. A cidade de Abuja é a sede do Tribunal de Justiça da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDAO). Este tribunal foi inicialmente constituído para resolver divergências entre os quinze membros do CEDAO, mas desde 2005, devido à aprovação de um protocolo, tem tratado de questões de violações de direitos humanos a nível regional. 

Os coordenadores políticos de defesa da Saab decidiram contratar os serviços de uma renomada jurista nigeriana, Femi Falama, que por sua vez é uma agente pró-cubana na África. Falama é um amigo ativo da embaixada cubana na Nigéria e participante frequente em eventos de “amizade” afro-cubana contra o “embargo” contra a ilha. O papel de Falama no caso Saab é conduzir a ação judicial perante o Tribunal de Justiça do CEDAO e, por sua vez, emprestar sua figura política antiamericana a favor do agente de Maduro, insistindo em seu suposto status diplomático e destacando que seria um político caso de violação dos direitos humanos.

*****

Em 28DEZ2020, Jorge Arreaza emitiu uma comunicação mencionando a Saab na qual o designou como “Representante Permanente Suplente” da Venezuela “junto à União Africana” com base na Etiópia. Por se tratar de uma organização multilateral da qual a Venezuela é um “país observador”, a designação não exigia a aprovação da UA, mas na realidade não conferia necessariamente imunidades internacionais ao prisioneiro. A partir dessa data, os documentos do Ministério das Relações Exteriores da Chavista passaram a se referir à Saab como "Enviado Especial e Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário".

Todas as ações judiciais e de pressão que os advogados e o aparelho diplomático Castro-Chavista exerceram sobre o governo e os tribunais de Cabo Verde foram inúteis. As instâncias administrativa e judicial estavam aprovando o pedido de extradição apresentado pelos Estados Unidos com base no critério de cooperação judicial na ausência de tratado de extradição. A importância que os EUA atribuem à extradição da Saab ficou patente na comunicação telefónica que Antony Blinken, o recém-nomeado Secretário de Estado norte-americano do governo Biden, fez a 23FEV2021, ao seu colega cabo-verdiano Rui Figueiredo.

*****

Em 15MAR2021, o tribunal multinacional do CEDAO decidiu que a Saab deveria ser imediatamente libertada e receber uma indenização de US $ 200.000 do governo cabo-verdiano por ter sido objeto de “prisão arbitrária”. O tribunal composto por Januaria Costa, de Cabo Verde, Edward Amoako Asante, de Gana, e o nigeriano Dupe Atoki, ordenou também a suspensão de todo o processo de extradição da Saab para os Estados Unidos. 

No entanto, o sistema de justiça de Cabo Verde não aceita a autoridade do tribunal do CEDAO visto que aquele país não ratificou o protocolo de 2005. Mesmo, em 17MAR2021, o Supremo Tribunal de Justiça de Cabo Verde afastou os recursos da defesa da Saab e confirmou as decisões de primeira instância que autorizaram a extradição do colombiano para os Estados Unidos. A equipe de Garzón ainda teria a opção de recorrer ao Tribunal Constitucional de Cabo Verde na tentativa desesperada de ganhar mais tempo. Mas a estratégia de vitimizar politicamente o agente chavista e condecorá-lo com patentes, privilégios e imunidades diplomáticas foi um fracasso total da diplomacia castro-chavista.

O caso de Saab é análogo ao de outro famoso defendido pelo advogado Baltazar Garzón. A chanceler equatoriana, María Fernanda Espinoza, na tentativa de libertar Jualian Assange, que permanecia asilado na sede da Embaixada do Equador em Londres, realizou uma série de manobras semelhantes às realizadas pelo governo de Maduro com Saad. Em 12DEZ2017, o australiano Assange recebeu a carta de naturalização como equatoriano, em 15 de dezembro de 17 foi nomeado Conselheiro da Embaixada do Equador no Reino Unido, e em 19DEZ2017, foi nomeado Conselheiro do Equador embaixada em Moscou. O governo britânico rejeitou a grosseira operação que pedia privilégios diplomáticos aos que se escondiam na embaixada do Equador para evitar a extradição para os Estados Unidos. Tudo indica que a orientação de Garzón também esteve presente na manobra equatoriana.

*****

Embora o tribunal multinacional do CEDAO tenha decidido a favor da Saab, ele o fez apenas com base em elementos processuais da prisão do colombiano. Os três juízes rejeitaram os argumentos do governo de Maduro segundo os quais a Saab estaria protegida pela imunidade diplomática. “O Tribunal observou que embora o governo venezuelano afirmasse que o Sr. Saab Moran viajava como seu enviado especial, ele não tinha requisitos válidos que o qualificassem como diplomata credenciado em Cabo Verde ou outro Estado ou de alta posição política na época de sua prisão. ", de acordo com a revisão do próprio tribunal do CEDAO. Consequentemente, "o tribunal rejeitou a reclamação da Saab", conforme previsto no Artigo 42 da Convenção de Nova York de 1969 sobre Missões Especiais ". Quer dizer, Juristas africanos confirmaram que a imunidade diplomática não é conferida pelo governo que nomeia o funcionário, mas sim pelo país anfitrião, razão pela qual Saab não era diplomata acreditado, em Cabo Verde.

Também não foi um "enviado especial" para fins de Cabo Verde, visto que o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Maduro nunca comunicou "antecipadamente" às ??autoridades cabo-verdianas a existência de um "enviado especial" de sobrenome Saab que faria escala em Cabo Verde e à que solicitaria "inviolabilidade e todas as outras imunidades necessárias para facilitar o trânsito", conforme declarado na Convenção de Nova York. Saab, para efeitos do país que o detém e do tribunal multinacional africano, não era diplomata na altura da sua detenção, desmoronando assim todo o argumento inventado pelo Ministério das Relações Exteriores chavista.

*****

O regime chavista, junto com Cuba, Rússia e Irã, transformou a rejeição às sanções internacionais, classificadas como "medidas coercitivas", em uma de suas bandeiras nos fóruns internacionais. No entanto, o instrumento de sanção internacional é rapidamente usado pelo regime chavista contra aqueles que considera seus inimigos. A advogada Femi Falama, operadora cubana em África contratada para liderar a defesa da Saab na Nigéria, agindo em nome dos seus clientes (Saab e governo de Maduro), pediu a aplicação de sanções internacionais ao governo de Cabo Verde. A Falama apresentou, em 24MAR2021, uma moção ao Tribunal do CEDAO para solicitar que os governos membros imponham sanções que incluiriam o boicote a projetos multilaterais e a proibição de vistos para altos funcionários cabo-verdianos.

*****

A propósito, com o apoio da Rússia e de Cuba, o governo de facto da Venezuela solicitou, em 16Mar2021, a inclusão na agenda da reunião, de 26MAR2021, do Órgão de Solução de Controvérsias da Organização Mundial do Comércio o pedido de criação de um grupo especial de análise das sanções impostas pelos EUA ao regime chavista. A reunião foi suspensa porque a delegação norte-americana não reconhece a legitimidade dos enviados de Maduro. "Os Estados Unidos rejeitarão qualquer esforço de Maduro de usar indevidamente a OMC para atacar as sanções americanas destinadas a restaurar os direitos humanos e a democracia na Venezuela", disse um comunicado do Representante de Comércio dos Estados Unidos, em 26MAR2021.


VEJA MAIS