COBERTURA ESPECIAL - Venezuela - Naval

07 de Julho, 2020 - 11:15 ( Brasília )

Militares da Unidade Médica da Esquadra completam três meses na Operação “Acolhida”


Dois militares da Unidade Médica da Esquadra (UMEsq) estão atuando, desde março, no 8º Contingente da Operação “Acolhida” – Força-Tarefa Logística Humanitária, que acontece no estado de Roraima.

A operação é coordenada pelo Ministério da Defesa (MD) e tem como objetivo desempenhar atividades básicas que envolvam o acolhimento de imigrantes venezuelanos.

Com a pandemia da Covid-19, a missão tornou-se mais complexa, sendo necessária a adoção de medidas sanitárias para o enfrentamento ao novo coronavírus, incluindo a construção da Área de Proteção e Cuidados no Hospital de Campanha da operação.

E foi neste cenário que a participação dos militares da UMEsq se destacou. A Capitão-Tenente, médica, Marieli Ferreira da Cunha foi designada para atuar na equipe de administração da construção do Hospital de Campanha, onde estão sendo atendidos imigrantes venezuelanos, povos indígenas, além da população da cidade.

Atualmente, o hospital conta com 174 leitos, com equipes atuando na expansão para 782, dentre os quais, 70 leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). Além das atribuições administrativas, a oficial atua como Cirurgiã-Dentista, com destaque em atendimento para pacientes com deficiência. Para a Capitão-Tenente Marieli, participar da Operação “Acolhida” representa atuar em busca de um bem maior, que é salvar vidas.

“Representar a Marinha na área de cuidados do hospital, com companheiros de farda, no combate ao novo coronavírus, tem sido nossa rotina de salvar vidas diariamente”. Já o Suboficial Edson Cleber Verçoza Barbosa exerce a função de Chefe da subseção do Núcleo de Produção e Divulgação da “Acolhida”, onde é responsável por todas as fotografias e filmagens que são enviadas para divulgação nas redes sociais do Ministério da Defesa, da Fundação Nacional do Índio, além de diversos órgãos internacionais.



Sobre a Operação

A Força-Tarefa Logística Humanitária, criada no âmbito da “Operação Acolhida” e composta por militares das três Forças, vem executando a missão conjunta, interagências e de natureza humanitária, que visa oferecer condições dignas aos imigrantes oriundos da Venezuela em situação de vulnerabilidade social. Atualmente, a operação mantém, com recursos do Ministério da Defesa, 13 abrigos, 2 centros de triagem, 1 alojamento de passagem, 1 centro de informação com guarda-volume e 1 posto avançado do hospital de campanha. As instalações são nas cidades de Boa Vista, Pacaraima-RR, e Manaus-AM.



Outras coberturas especiais


Fronteiras

Fronteiras

Última atualização 14 AGO, 13:30

MAIS LIDAS

Venezuela