COBERTURA ESPECIAL - Venezuela - Geopolítica

23 de Fevereiro, 2020 - 20:41 ( Brasília )

Relatório Otálvora: Rússia intervém abertamente na Venezuela desafiando os EUA

A situação da Venezuela pouco a pouco vai incorporando mais atores e uma solução mais distante.



EDGAR C. OTÁLVORA
@ecotalvora
Publicado no Diario Las Américas
Miami, EUA

 
Em 18FEV2020, o representante especial dos Estados Unidos para a Venezuela, Elliott Abrams, informou de que Pompeo havia avisado Sergei Lavrov, em Munique, sobre sanções iminentes de Washington à Rússia por seu apoio ao regime de Chávista
 


Ministro das Relações Exteriores da Rússia, SergeiyLavrov, com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, em 10DEZ2019, em Washington  Foto: Ron Przysucha / Departamento de Estado
 
Como preço para manter sua sede diplomática aberta em Caracas, o governo Jair Bolsonaro permite que a sede da Embaixada da Venezuela, em Brasília, e os seis consulados venezuelanos no Brasil permaneçam sob o controle de enviados designados por Nicolás Maduro, muitos deles com suas credenciais Diplomatas brasileiros já vencidas. Por outro lado, o Itamaraty, Ministério das Relações Exteriores, reconhece María Teresa Belandria, nomeada por Juan Guaidó como embaixadora frente ao governo brasileiro.
 
 
No dia 17FEV2020, as missões diplomáticas estabelecidas, em Brasília, receberam uma nota verbal da Embaixada da Venezuela controlada por Maduro, informando que a até o momento a conselheira Irene Rondón Graterol, foi nomeada ministra conselheira e assumiu como chefe da missão diplomática como Responsável de Negócios. Segundo fontes do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, a credencial diplomática de Rondón não tem efeito desde 17 de dezembro, de modo que o Itamaraty não a reconhece mais na condição de diplomata. A coexistência de duas missões diplomáticas venezuelanas no Brasil tem gerado situações incomuns, em Brasília.
 
*****
"Embora a Constituição venezuelana preveja a realização de eleições parlamentares em 2020, a democracia será totalmente restaurada na Venezuela apenas através de eleições presidenciais livres, justas e credíveis", foi a posição expressa, em 20FEV2020, pelo Grupo de Lima na declaração divulgada após a décima sétima reunião a nível de ministros.

A reunião promovida pelo Canadá e realizada em Gatineau, Quebec, provavelmente foi a reunião do Grupo que teve o maior número de governos presentes. Participaram os ministros das Relações Exteriores da Bolívia, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Haiti, Panamá e Peru; o comissário presidencial Julio Borges pela Venezuela, os vice-chanceleres da Argentina, Honduras e Paraguai, bem como os representantes da Guiana e Santa Lúcia na OEA. O Ministro das Relações Exteriores do Equador e o Embaixador da República Dominicana no Canadá também participaram como observadores.
 
*****
O Grupo de Lima compartilha da posição da oposição venezuelana de realizar eleições presidenciais e não aceita apenas eleições parlamentares, como as propostas pelo regime de Chávez, com o apoio da Rússia. A chamada para as eleições presidenciais, com marcação prévia de novas autoridades eleitorais e a presença de "um governo de transição negociada e amplamente aceitável" é parte do "roteiro" para a Venezuela, que o Departamento de Estado do Estados Unidos compartilhou com seus aliados americanos no final de 2019 e que foi tornado público, em 09JAN2020. Uma versão similar desse documento foi publicada como própria pelo governo colombiano em 16JAN2020.
 
A declaração do Grupo de Lima, de 20FEV2020, mostrou o estado de incerteza que prevalece nos governos sobre uma rota de ação na Venezuela. O Grupo de Lima, em sua reunião no Canadá, não aprovou novas medidas de pressão sobre o regime chavista e se limitou a fazer uma chamada genérica "à comunidade internacional para se juntar a nós no apoio a um futuro democrático para a Venezuela". O Grupo anunciou que "nos próximos dias e semanas" seus representantes "participarão de um período intensivo de esforços internacionais e consultas com todos os países interessados ??na restauração da democracia na Venezuela".

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, que participou da reunião no Canadá, escreveu em sua conta no Twitter: "Estamos discutindo propostas para uma rota de transição democrática que precisa começar com a saída de Maduro".
 
*****
O governo de esquerda argentino optou por permanecer no Grupo de Lima e enviou seu vice-chanceler Pablo Anselmo Tettamanti para a reunião, de 20FEV20202, no Canadá.
 
A linha de ação diplomática do governo de Alberto Fernández é a não confrontação com os EUA, construindo pontes com governos oponentes ideologicamente, como o de Jair Bolsonaro no Brasil e está tentando intervir na "questão da Venezuela". Terminou uma turnê europeia que lhe permitiu se encontrar com a chanceler alemã Angela Merkel, o presidente francês Emmanuel Macron, o chefe do governo espanhol Pedro Sánchez, com o papa Francisco e o primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte, Fernández mencionou, em Paris, uma ação internacional perante o governo de Nicolás Maduro.



 
  O Presidente da Argentina Alberto Fernandez com o Primeiro-Ministro da Espanha  Pedro Sánchez


Segundo Fernández, citado pelo jornalista Guido Carelli Lynch, do jornal Clarín, “a Europa está vendo a Argentina como um país que pode ter a capacidade de amalgamar situações de conflito normalmente” (…) “uma dessas questões que preocupa a todos é a questão da Venezuela, e o que eu levanto hoje, é que precisamos encontrar outras maneiras de resolver o problema da Venezuela ”(…) “a todos os líderes da Europa. Sugeri que a Europa concentre seus esforços na Contadora (ver abaixo), para que a Contadora revive e tente para encontrar uma solução diferente ”(…) “é preciso criar uma mesa em que os venezuelanos se sentem e se recuperem em diálogo. E Contadora é um bom lugar para isso. A Venezuela está estagnada e temos que sair desse impasse.”

O Grupo Contadora não existe: foi criado em 1983 pelos governos da Colômbia, México, Panamá e Venezuela como uma iniciativa internacional em busca de acordos de paz diante da guerra na América Central. O Grupo Contadora desapareceu em 1990 e as palavras do presidente argentino, em 06FEV2020, indicam a intenção de promover uma nova instância internacional para atuar na Venezuela. Fernández chamou de "Contadora", enquanto outros governos ainda preferem não atribuir nomes a essa provável iniciativa. A ideia de criar um "Grupo Contadora" para a Venezuela foi inicialmente gerenciada pelo governo mexicano de Manuel López Obrador e materializada no infrutífero "Mecanismo de Montevidéu" desenvolvido com o Uruguai, em 2019, e aprovado por Nicolás Maduro e com a desaprovação de Juan Guaidó.
 
Enquanto a reunião do Grupo de Lima de 20FEV2020, era realizada em Gatineau, em Buenos Aires, o Ministro das Relações Exteriores da Argentina explicou ao jornalista Ernesto Tenembaum da “Radio con vos” a posição de seu governo contra a Venezuela. Felipe Solá disse que seu enviado ao Canadá estava propondo mudar a linha para a Venezuela. “Troque porque não deu certo. Um governo fechado que está disposto a pagar qualquer custo e eu diria que talvez esteja disposto a entrar em guerra não possa correr para o mesmo lado com sanções, sanções e sanções permanentes que também acentuam a situação do povo venezuelano. ”
 
*****
 
Três dias antes da reunião do Grupo de Lima, os ministros das Relações Exteriores da União Européia realizaram uma reunião ordinária do Conselho de Relações Exteriores em Bruxelas. A "questão da Venezuela" foi incluída na agenda como uma "questão ordinária", juntamente com a situação do "Oriente Próximo, Saara e Balcãs Ocidentais". Uma decisão dos ministros europeus sobre a Venezuela não estava prevista, apesar da pressão dos EUA para aumentar as sanções da União Europeia ao regime chavista.
 
No 23MAR2020, quando o Conselho de Relações Exteriores da União Europeia se reunir novamente em Bruxelas para uma sessão formal (haverá reuniões informais de Gymnich em 05-06MAR2020), um novo plano de ação coletiva europeia contra a Venezuela deve ser discutido. O assessor da UE para a Venezuela, Enrique Iglesias, uruguaio-espanhol, foi encarregado da missão de fazer um tour por vários países da Europa e América, incluindo reuniões com Juan Guaidó e Nicolás Maduro em Caracas, para especificar o status atual das posições antes da crise venezuelana. Segundo o ministro das Relações Exteriores da Espanha, Arancha González Laya, Iglesias deve enviar um relatório, que serviria para "planejar nossos próximos passos".
 
*****
 
Antes para a imprensa, em 17FEV2020, em Bruxelas, González Laya apresentou a proposta espanhola, que é compartilhada por vários governos da Europa e que é análoga à apresentada pelo governo argentino: tender a uma confluência dos diferentes grupos internacionais que atuam na Venezuela. O ministro espanhol chamou de "grande coalizão" de atores internacionais que se referem ao Grupo de Lima e ao Grupo de Contato promovido pela União Europeia. Este último é composto pelos governos da Alemanha, Bolívia, Costa Rica, Equador, Espanha, França, Itália, Holanda, Panamá, Portugal, Suécia, Reino Unido e Uruguai. O Grupo de Contato, exceto o Uruguai, expressou, emo 09JAN2020, seu apoio a Juan Guaidó como Presidente da Assembleia Nacional da Venezuela em rejeição à manobra do regime de Chávez para impor uma Assembleia Nacional paralela.
 
A propósito, em 18FEV2020, em Mount Vernon, no estado da Virgínia, nos EUA, o subsecretário de assuntos políticos dos EUA, David Hale, e o vice-ministro de assuntos políticos do Canadá, Dan Costello, reuniram-se no que chamam de "Grupo de Alto Nível EUA-Canadá". O objetivo deste mecanismo é a coordenação de ações entre os dois países em relação às “questões globais”. A agenda incluiu os tópicos China, Irã, Oriente Médio, Coréia e Venezuela. Não houve informações públicas sobre as conclusões da reunião.
 
*****
 
Além da relação umbilical do regime chavista com a ditadura cubana, a Rússia se tornou o principal aliado internacional do governo de Nicolás Maduro. A Rússia oferece, a um alto custo para a Venezuela, cobertura contra as sanções impostas pelos EUA à indústria petrolífera controlada por Maduro. Desde serviços financeiros, logística para comercialização de petróleo até proteção diplomática na ONU, o governo de Vladimir Putin optou por apostar fortemente na Venezuela. Sob esse esquema, a Rússia está servindo como patrocinador internacional da manobra que o regime de chavista executa, buscando neutralizar a pressão internacional que apóia Juan Guaidó e exige eleições presidenciais.


 

RU-VE: Rússia promete ampliar cooperação técnico-militar (transcrição da declaração de Sergey Lavrov, em Caracas

O ministro das Relações Exteriores da Federação Russa Sergey Lavrov anunciou que em Maio Rússia e Venezuela discutirão aprofundar a colaboração técnico-militar
09 Fevereiro 2020  DefesaNet Link

 

 
*****
 
As periódicas conferências de imprensa de María Zajárova, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, costumam conter passagens para desacreditar Guaidó, comentar sobre pequenos eventos na vida política venezuelana, apoiar Maduro e acusar os EUA de ações militares iminentes no território venezuelano. No dia 06JAN2020, o governo russo emitiu uma declaração reconhecendo o deputado Luis Parra como presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, eleito, segundo Moscou, em "um procedimento democrático legítimo que contribui para reinserir as lutas políticas na Venezuela no quadro constitucional". Era evidente que Moscou patrocina a manobra pela qual Maduro nomeou uma diretiva da Assembleia Nacional (AN) paralela à legítima chefiada por Juan Guaidó. Desde então, o Palácio Legislativo foi banido da Assembléia Nacional presidida por Guaidó. Parra, segundo Maduro e os governos de Cuba e Rússia, é agora o presidente do ramo legislativo.
 
No dia 30JAN2020, a porta-voz russa anunciou que o ministro das Relações Exteriores Sergey Lavrov faria visitas a Cuba, México e Venezuela, entre 05 e 07FEV2020. A presença do chefe da diplomacia russa na Venezuela extinguiria qualquer dúvida sobre a decisão de Putin de intervir abertamente na política venezuelana. Lavrov viajaria para Caracas para "trocar pontos de vista sobre a situação atual na Venezuela e as perspectivas de encontrar soluções políticas para discrepâncias internas por meio de um diálogo nacional". Mas esse "diálogo" promovido por Moscou não envolveu a oposição venezuelana. A questão das sanções impostas pelos EUA à Rússia e à Venezuela seria incluída na agenda de Maduro. Eles também conduziriam conversações sobre "cooperação em energia, mineração, transporte, setor agrícola, medicina, cooperação farmacêutica e militar".
 
*****
 
Em sua apresentação do 30JAN2020, a porta-voz russa se referiu a "políticos venezuelanos responsáveis ??que trabalham diariamente na busca de fórmulas de compromissos no âmbito da mesa redonda do diálogo nacional". Ele também mencionou que "forças radicais" lideradas por Guaidó "permanecem comprometidas com suas idéias e anunciam o boicote às eleições parlamentares a serem realizadas este ano, recusando-se a participar de negociações destinadas a desenvolver um acordo com amplas garantias eleitorais".

No dia 07FEV2020, Lavrov chegou a Caracas, coincidindo com o espanhol José Luis Rodríguez Zapatero, que é novamente ativado como operador do governo Maduro no papel de “facilitador” das negociações. Na sede do Ministério das Relações Exteriores da Venezuela, Lavrov realizou uma reunião sem precedentes com porta-vozes de grupos qualificados como oponentes liderados por Timoteo Zambrano, Javier Bertucci e Henri Falcón.




Sergey Lavrov se reúne com a pseuda "Assembleia Nacional", na tentativa de enfraquecer o presidente interino Guaidó.

Eles representam siglas partidárias do poder político quase nulo que mantêm supostas negociações com o governo Maduro para realizar eleições parlamentares sem as eleições presidenciais exigidas pela Oposição. Falcon até solicitou que a Rússia intervenha como observadora das eleições na Venezuela. Depois da reunião com Lavrov, os "oponentes" se reuniram sob a liderança de Zapatero em uma sessão com os líderes seniores dos irmãos do regime Jorge e Delcy Rodríguez. O ministro das Relações Exteriores da Rússia e o ex-presidente espanhol endossaram dessa maneira o roteiro do Chavismo que visa mostrar que Guaidó não controla a Assembleia Nacional e que a "oposição" venezuelana participa de uma mesa de negociações para convocar eleições parlamentares.
 
*****
 
No dia 14FEV2020, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e seu colega russo se encontraram na Conferência de Segurança de Munique (MSC). Nesse contexto, haveria uma reunião discreta entre os dois líderes diplomáticos, de acordo com uma foto divulgada no Facebook, por María Zajárova. No dia 18FEV2020, o representante especial dos EUA para a Venezuela, Elliott Abrams, avisou que Pompeo havia alertado Lavrov, em Munique, sobre as sanções iminentes que Washington imporia à Rússia em resposta ao seu apoio ao regime de Chávez.

O Departamento do Tesouro impôs sanções 18FEV2020 à empresa Rosneft Trading SA e seu presidente, Didier Casimiro, por "proporcionar uma tábua de salvação ao ilegítimo regime de Maduro". A Rosneft Trading SA é uma subsidiária da empresa russa de petróleo Rosneft Trading SA. Os ativos da empresa sancionada e seu presidente nos EUA foram congelados nas mãos do governo dos EUA e foi proibido aos nacionais e empresas norte-americanas com presença nos EUA realizarem negócios com a empresa russa sancionada. O governo Donald Trump, portanto, aumentou o risco ao incluir a "questão da Venezuela" em sua política de sanções contra a Rússia.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Modernização FAB

Modernização FAB

Última atualização 19 SET, 13:00

MAIS LIDAS

Venezuela