COBERTURA ESPECIAL - Verde Brasil - Geopolítica

05 de Janeiro, 2021 - 18:45 ( Brasília )

Coup d´Presse - O esforço militar do Brasil está falhando em salvar a Amazônia

Um incrível artigo panfletário do Washington Post. "Depois que Bolsonaro se afastou de especialistas ambientais, o desmatamento aumentou quase 10% "

Nota DefesaNet

Texto original em inglês

Coup D´Presse - Brazil’s military push is failing to save the Amazon Link

O Editor

Terrence McCoy
e Heloisa Trajano
Washington Post



Rio de janeiro - Depois de meses de planejamento, tudo ficou pronto. Os agentes tinham seus objetivos, sua programação e seu plano: voar para 49 minas de ouro ilícitas, que estavam envenenando a floresta amazônica, destruir os equipamentos e encerrar as operações.

O mais importante, ressaltaram os agentes ambientais antes daquela missão de agosto no estado do Pará, é a discrição. Os mineiros ilegais, que abriram um caminho de destruição ambiental nas terras indígenas do Brasil, não podiam ser informados ou perceber a operação.

Mas, militares brasileiros, agora no controle da luta contra os crimes ambientais, abasteceram seus helicópteros muito cedo, em um aeroporto muito próximo às minas. A notícia da operação vazou rapidamente. Uma história chegou à imprensa.

Os mineiros desapareceram na floresta. Em seguida, os comandantes bloquearam a decolagem de vários helicópteros, minando ainda mais o que as autoridades ambientais esperavam que fosse uma derrota histórica.

O desenrolar da missão, reconstruído por meio de documentos judiciais, ilustra muitos dos temas que passaram a caracterizar o esforço militarizado do Brasil para acabar com a escalada da destruição ambiental da Floresta Amazônica: desorganização, inexperiência e denúncias de viés político, culminando em fracasso o trabalho de preservação.

Agora, com o Brasil consumido pelo coronavírus, a Amazônia está se aproximando do que os cientistas alertam ser um ponto de inflexão, quando grandes extensões de floresta tropical se transformarão em savana árida.

Conforme as taxas de desmatamento aumentaram sob o presidente Jair Bolsonaro, o populista de direita se afastou das agências ambientais que ajudaram a reduzir essas taxas a níveis históricos há uma década. Em vez disso, Bolsonaro, um ex-capitão do Exército Brasileiro que defende a abertura da Amazônia para os negócios, capacitou e despachou as forças Armadas.

Milhares de soldados foram incumbidos de novos deveres ambientais. O vice-presidente Hamilton Mourão, general aposentado, está liderando os esforços. Seu nome: “Operação V Verde Brasil”.

Mas, mais de um ano após o início da missão, ambientalistas, agentes e ex-funcionários do governo estão cada vez mais céticos, não apenas por causa do sucesso limitado, mas também pela falta de objetivos e prazos claros.

A operação, revelada durante os devastadores incêndios florestais de 2019, pretendia ser uma resposta temporária a um desafio excepcional. Mas Bolsonaro o estendeu até 2021, e um documento de planejamento interno obtido pelo The Washington Post indica que as forças armadas podem continuar no novo papel até 2022.

Os militares “não resolveram - e não resolverão - o problema”, disse Suely Araújo, que dirigiu o IBAMA, órgão de proteção ambiental do Brasil, entre 2016 e 2018.

“As investigações ambientais têm sua própria lógica”, disse ela. “É como enviar um piloto da Força Aérea para dirigir um navio da Marinha. É muito mais sofisticado do que enviar um bando de homens para o campo. ”

Nem o gabinete do vice-presidente nem o Ministério do Meio Ambiente responderam aos pedidos de comentários.

O número de incêndios na Amazônia em 2020 superou o total do ano anterior, quando a fumegante floresta tropical dominou notícias por semanas e inspirou global apela para uma ação de emergência. A taxa de desmatamento manteve sua ascensão sombria, subindo quase 10 por cento a níveis nunca vistos em uma década. Entre agosto de 2019 e julho de 2020, a Amazônia perdeu dois estados Delawares de floresta.

Mas Bolsonaro - que oscila entre minimizar o problema e negá-lo por completo - tem procurado repetidamente desviar a atenção da ameaça ambiental.

“A floresta não está queimando”, disse Bolsonaro em julho. “É sempre uma campanha de má-fé contra o Brasil e tem a ver com a economia.

O Brasil é um gigante agrícola. Nossa indústria agrícola não parou com a pandemia. ”

“Não há incêndios, nem um pouco de desmatamento”, acrescentou ele em agosto. "É mentira."

O plano não publicado do governo para enfrentar os desafios da Amazônia, obtido pelo The Post, começa não com uma contabilidade da destruição ambiental em curso, mas com uma meditação sobre os países poderosos que cobiçam os recursos naturais do Brasil. Os autores preveem uma crise global de água doce e observam que a  Amazônia tem uma das reservas mais profundas de água doce do mundo.

“A sobrevivência da potência hegemônica de países como Inglaterra, França, Alemanha e Estados Unidos depende do acesso a uma vasta fronteira internacional de recursos naturais ”, escrevem os autores.

“A entrada da China. . . ilustra uma nova realidade global, em que regiões ricas em recursos naturais estratégicos serão visadas pelo governo chinês. ”

“Qual seria a melhor estratégia para o Brasil? Garantir sua soberania. ”

Para os críticos, a reorientação das prioridades do Brasil na Amazônia do desmatamento para a defesa territorial destaca a “militarização da Amazônia” e levanta suspeitas injustificadas de interesse estrangeiro na floresta.

“Existe uma leitura dentro do governo de que a qualquer momento a Amazônia será invadida e será retirado do Brasil ”, disse Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima, uma rede de defesa.



 

Minas de ouro ilegais no Pará.



“Essas são teorias de conspiração, como se o mundo tivesse se unido para tirar a Amazônia do Brasil apenas porque Bolsonaro foi eleito. ”

O temor de que países poderosos arrebatem a Amazônia há muito estão presentes aqui. Desinformação é frequentemente circulado. Um boato afirmava falsamente que o ex-vice-presidente Al Gore disse: “Ao contrário do que os brasileiros pensam, a Amazônia não é sua propriedade, pertence a todos nós. ” Outro alegou falsamente que os livros americanos rotularam a floresta como "Território internacional."

Essas preocupações foram ampliadas, a defesa ressalta a “militarização da Amazônia” e levanta suspeitas injustificadas de interesse estrangeiro na floresta.

Essas preocupações aumentaram em 2019, quando o presidente francês Emmanuel Macron, lamentando os incêndios florestais, disse: “Nossa casa está pegando fogo”.

“Historicamente, a Amazônia sempre foi cobiçada, principalmente pelos europeus”, disse o general Humberto Madeira, um antigo oficial da Amazônia.

“O que aumenta nossas dúvidas sobre a ambição deles é o aumento nas conversas entre europeus países - até mesmo os Estados Unidos - apresentando soluções que interfeririam em nossa soberania, ” ele disse. Ele chamou as sugestões de que os militares não estão à altura do trabalho de parar o desmatamento um "insulto" vendido por "esquerdistas" não patrióticos. Os militares há muito trabalhou para combater o crime ambiental, disse ele.

Mas desta vez, dizem os atuais e ex-funcionários do IBAMA, o esforço foi complicado por uma mudança fundamental. Os militares não estão mais ajudando agências especializadas

na fiscalização da defesa do direito ambiental; agora está dirigindo as operações.

“As decisões de onde focar, como fazê-lo e de que forma foram tomadas pelo ambiente agências de inteligência e os militares apoiaram ”, disse Beth Uema, diretora executiva de uma organização que representa agentes ambientais. “Mas isso tem

invertida, e hoje, basicamente, os órgãos ambientais andam em reboques militares sem qualquer tipo de função de planejamento importante.”
A falta de experiência gerou diversos constrangimentos. No estado de Mato Grosso, em maio, os militares enviaram quase 100 agentes, dois helicópteros e dezenas de veículos para um único alvo - e voltaram de mãos vazias. No Pará, em julho, comandantes cancelaram uma operação já em andamento, paralizando dezenas de agentes do Ibama em um hotel. Várias vezes, as tropas se envolveram em missões furtivas com equipamentos barulhentos e pesados.

“Escolhemos atingir um local de extração ilegal de madeira”, disse um agente do Ibama no Pará, que falou sob a condição de anonimato por temer represália.

“Dias antes da chegada da equipe. . . os militares sobrevoaram a área com um helicóptero. ”

Quando a equipe chegou ao local, todos haviam partido. Tudo o que restou foram toras gigantes espalhadas ao acaso pelas ruas.

“Não conseguimos identificar os autores do crime nem quem estava pegando a madeira”, disse o agente do Ibama. “Foi um trabalho muito ineficaz”.

As Forças Armadas, em nota divulgada pelo jornal UOL, admitiram que “não têm experiência em investigações ambientais”.

Mas outro agente do Ibama, que também falou sob condição de anonimato, disse que o problema vai além da falta de experiência. Há crescente animosidade e amargura entre as agências, disse ele.

Cada lado pensa que o outro está colocando a política sobre a missão.

Enquanto isso, trechos da floresta estão sendo varridos.

“Eles nos chamam de melancias”, disse o agente. “Verde por fora, vermelho no meio. Eles pensam que somos comunistas.”

“Há hoje um sentimento de opressão nesta carreira que nunca aconteceu antes.”

 


VEJA MAIS