COBERTURA ESPECIAL - Vant - Aviação

12 de Abril, 2021 - 10:10 ( Brasília )

Quais são os benefícios dos drones "amarrados"


O mercado de drones amarrados está crescendo exponencialmente à medida que mais indústrias comerciais os adotam em suas operações.

Desenvolvimentos tecnológicos avançados em UAVs conectados abriram novas possibilidades para patrulha de fronteira, eventos de transmissão ao vivo, criação de torres de comunicação temporárias, vigilância por satélite de baixa altitude e muito mais.

O que são drones conectados?

A adoção da tecnologia de drones amarrados no setor comercial começou recentemente em 2016. Hoje, muitos analistas de defesa consideram a tecnologia como parte integrante das bases futuras.

Um drone amarrado é um veículo aéreo não tripulado fisicamente conectado a uma estação terrestre. Mais especificamente, um sistema de drone amarrado consiste em uma estação base/estação de energia, amarração de drone e o drone que é conectado à estação de energia por meio de amarração.



1- Estação de energia terrestre

As estações de drones com fio podem ser operadas de um ambiente remoto ou acidentado durante a execução de várias tarefas. Suas funções principais são:

  1. Fornecendo energia
  2. Poder de conversão
  3. Permitindo comunicações entre o UAV e o GCS - estação de controle de solo
  4. Operações de guincho de amarração.

2- Micro amarração

As amarras do drone conectam o drone a uma estação de energia. Eles podem ser usados simplesmente para segurar o drone no lugar ou proteger sua posição pairando. Além disso, as principais amarras da indústria são compostas por condutores, cabos de fibra óptica e linhas duplas BPL adequadas para links de comunicação dupla.

Drones amarrados podem ser implantados para aplicações variadas, embora a maioria se concentre em observação aérea e telecomunicações.

Como uma forma especial de drones não tripulados profissionais, os UAVs amarrados são perfeitos para captura de dados, transmissão de vídeo ao vivo e telemetria devido à confiabilidade dos links de cabo para a estação terrestre. Além disso, os drones amarrados podem pairar alto o suficiente para se parecer com um drone normal.



Usos de drones amarrados

Para entender o uso de drones com fio, devemos compreender as limitações de seus equivalentes não-amarrados.

1- A primeira limitação é o tempo de voo. Na verdade, o teto de vôo pode ter uma média de 30 minutos, limitando as aplicações contínuas da tecnologia de drones por longos períodos. Em algumas profissões, interromper temporariamente sua missão de pousar o drone, trocar as baterias e enviá-lo novamente não é viável.

2- A segunda limitação é a segurança: uma presença aérea previsível é benéfica em situações como festivais, emergências naturais, monitoramento de multidão, etc. No entanto, apesar de sua tecnologia incrível, acidentes acontecem com drones. Em comparação, os drones presos evitam uma situação em que o drone voe e cause ferimentos.

3- O terceiro é a facilidade de uso: drones amarrados são estáticos, oferecendo aos usuários alguma consciência situacional com o clique de um botão. Em outras palavras, você não precisa de habilidades avançadas de vôo de drones para operar um.

Com essas vantagens em mente, podemos ver como os drones com fio são adequados para as seguintes indústrias.

Drones amarrados na indústria de defesa

Os drones desempenharam um papel nas manobras de defesa militar já em 1916 na forma de monoplanos controlados por rádio. Os avanços atuais na tecnologia militar de UAV culminam na introdução de drones ou sistemas de drones com fio. Em particular, essa tecnologia é ideal para segurança de fronteira e proteção de Base Operacional Avançada (FOB). Na verdade, drones amarrados podem operar na maioria dos climas, monitorando o perímetro do acampamento e rastreando os movimentos do inimigo.

Como consequência, à medida que mais líderes militares descobrem mais sobre essa nova tecnologia e a posição estratégica vantajosa que ela oferece a seus combatentes, seu uso em consciência situacional e proteção da força se torna uma obrigação.

Drones de reconhecimento militar podem ser divididos em quatro categorias: micro drones, drones de reconhecimento de curto alcance, drones de reconhecimento de médio alcance e drones de reconhecimento de longo alcance.

Os microdrones têm recursos de reconhecimento, mas são limitados pela potência óptica e pela duração do voo.

Regimentos militares do tamanho de pelotões e pelotões preferem drones de reconhecimento de curto alcance usados ??para determinar a força, localização e fraquezas táticas do inimigo - informações vitais para determinar o curso correto de ação.

Drones de reconhecimento de médio alcance são maiores e carregam cargas úteis mais avançadas. Eles são conhecidos por seu maior alcance e duração do vôo. Drones nesta categoria são conhecidos pela segurança de fronteira e proteção FOB. A maioria dos drones Elistair amarrados se enquadram nesta categoria. O Orion 2 de Elistair tem um tempo de vôo de 24 horas enquanto detecta veículos a até 10 km de distância. Seus sistemas são protegidos e à prova de hack. Sistemas avançados de reconhecimento como o Global Hawk também se enquadram nessa categoria. Eles podem atingir tetos de mais de 60.000 pés e 32 horas. Os drones militares pequenos funcionam com baterias LiPo, enquanto os maiores usam combustível de aviação. As limitações impostas por baterias e combustível são um fator limitante.



1. Vigilância de fronteira

A segurança nas fronteiras é complicada devido à extensão geográfica, demarcações naturais do terreno, a natureza avessa ao conflito do território disputado e muito mais. Quando nos referimos à segurança das fronteiras, estamos examinando todos os aspectos da segurança geral, vigilância nos pontos de controle e monitoramento dos pontos de entrada / saída.

Por exemplo, fronteiras porosas representam grandes desafios de segurança natural para países cercados por Estados hostis, pois criminosos e traficantes se aproveitam da situação. Paralelamente, outra preocupação é a imigração irregular ou não controlada - uma tarefa que requer muito investimento em mão de obra para protegê-la. Em resumo, barreiras físicas como paredes, trincheiras e cercas são tão boas quanto os ativos que as monitoram.

2. Proteção FOB

As bases operacionais avançadas são difíceis de defender. Eles exigem, em particular, uma grande quantidade de mão de obra e recursos para manter uma vantagem sobre o inimigo, caso haja ataques esporádicos. Além disso, os exércitos são forçados a se adaptar aos ajustes orçamentários, às pressões políticas internas em favor de retiradas militares, evitam apresentar uma aparência de força de ocupação e salvaguardar interesses estratégicos vitais.

Além disso, os desafios de infraestrutura são outro fator que afeta a capacidade das bases militares de manter a comunicação no FOB. Investir em torres de vigia, obstáculos e muros perimetrais são opções viáveis, porém, na maioria dos casos, o inimigo já está muito perto. A vulnerabilidade exposta de um FOB força os líderes militares a identificar ameaças à distância.

As câmeras montadas podem proteger os combatentes, mas não podem ver tão longe quanto as câmeras aéreas, enquanto os drones conectados fornecem vigilância FOB em uma ampla faixa óptica. Especialmente com uma impressionante capacidade de zoom óptico de 30 vezes, as câmeras podem detectar veículos e outros objetos grandes a 10 km de distância. Drones adicionalmente amarrados oferecem vigilância BVLOS, uma capacidade que falta nas câmeras estáticas. Conseqüentemente, quando o perigo é detectado, os soldados têm mais tempo para se preparar para qualquer ataque.

Outra vantagem dos drones amarrados é sua resistência. Onde os guardas são alternados em turnos de 8 a 10 horas, os drones amarrados podem voar por tempo suficiente para sobrepor as rotações dos guardas.

3. Comunicações táticas

As áreas operadas por militares, como fronteiras, FOBs, instalações e outras infraestruturas críticas, são vulneráveis a ataques e infiltrações se mal servidas. Os avanços tecnológicos modernos expõem vulnerabilidades em aeronaves não tripuladas a hackers. O mesmo se aplica a tecnologias contra UAS, tecnologia de bloqueio de drones e equipamentos de infiltração. Os drones amarrados são imunes a um ataque cibernético ou contra sistemas UAS. O cabo de amarração é um link de comunicação tática que protege o drone contra infiltrações.

Drones amarrados para segurança pública e privada

Além do setor de defesa, os drones amarrados são amplamente usados para a securização de pessoas e bens nas áreas públicas e privadas. Com sua pequena pegada logística e sua capacidade de cobrir grandes áreas em um piscar de olhos, eles são um ativo crítico para os operadores de segurança. Além disso, um olhar permanente no céu com feedback de vídeo imediato fornece a eles uma consciência situacional importante e facilita consideravelmente suas intervenções. Exemplos de missões podem ser vigilância de eventos, securização de autorizações ou monitoramento de multidões, para citar apenas alguns.

Drones amarrados para coleta de notícias

Outra fronteira para drones de cabo é a coleta de notícias. Os drones Elistair têm ótimas opções para a indústria de mídia. UAVs amarrados podem alcançar áreas antes inacessíveis e ser mantidos por horas. Drones conectados podem oferecer streaming de vídeo aéreo em 4K de grandes eventos ao ar livre, como shows esportivos ou musicais. Drones Elistair fornecem uma nova perspectiva sobre a filmagem de drones com segurança.

 

Drones amarrados para telecomunicações

Drones conectados podem criar redes temporárias de amplo alcance que propagam sinais de celular, rádio de alta frequência, Wi-Fi e 3G / 4G.

Drones amarrados para socorristas e esforços humanitários

Em situações de emergência, os drones amarrados são ativos essenciais focados em operações de emergência. Eles oferecem uma visão direta de áreas inacessíveis afetadas por condições climáticas adversas, enquanto ajudam os socorristas a identificar o perigo em tempo real e as vítimas. Isso também ajuda a coordenar uma resposta apropriada. Os sistemas de drones amarrados podem ser implantados por longos períodos, estendendo-se por várias horas ou em áreas específicas que requerem análise especial.

Benefícios dos sistemas de drones amarrados

Autonomia - os drones amarrados oferecem voo autônomo, permitindo que os operadores se concentrem em sua missão de observação mais do que na pilotagem do drone. Os drones de corda operam até 300 pés acima do nível do solo. UAS amarrados são permitidos pela Federal Aviation Administration (FAA).

Legislação flexível - a legislação sobre drones amarrados é flexível, pois várias regras sobre drones comerciais não se aplicam. Por exemplo, em alguns países, os drones amarrados não são classificados como drones devido ao seu posicionamento fixo enquanto conectados ao solo. Em outros países, os usuários de sistemas de drones amarrados não são obrigados a registrá-los como seus equivalentes de voo livre.

Área espacial limitada - um UAS conectado opera dentro de uma área espacial limitada e restrita pelo cabo. É por isso que não é necessário um piloto treinado para operar um drone amarrado. A navegação GPS não é necessária, reduzindo a incidência de colisões enquanto cobre uma ampla área espacial.

Transferência segura de dados - Embora os drones em vôo livre possam ocasionalmente perder seus links de dados para voos interrompidos ou links de dados perdidos, os drones amarrados se beneficiam de uma linha de comunicação ininterrupta, porém segura, entre a estação terrestre e a aeronave. As opções inteligentes são seguras e excelentes para comunicações confidenciais.

Dissuasão - drones amarrados são um mecanismo de dissuasão evidente.

Ao operar um drone em áreas públicas, a segurança é primordial. Drones amarrados oferecem maior confiabilidade do que outras alternativas de mercado.

Sobre Elistair e WEA

Elistair é uma empresa de design e fabricação de drones. A empresa é líder em inovação em tecnologias de drones em transmissão aérea contínua, monitoramento de tráfego, combate a incêndios e vigilância aérea. A empresa é líder em estações de drones com fio de nova geração e implantou mais de 600 estações com fio desde que lançou seu primeiro sistema de tethering em 2015. WEA é a empresa brasileira focada em produtos de Defesa e Segurança Pública que comercializa no Brasil os drones Elistair.

Onde as estações de drones tethered foram aplicadas antes?
 
Durante o primeiro debate democrático, a CNN cobriu 13 horas de imagens aéreas usando o sistema de ligação de drones Elistair Ligh-T. O evento foi no campus da Drake University em Des Moines, Iowa, e foi apoiado pela Vector Solutions, uma especialista em cabos.

Dois drones Elistair amarrados foram implantados para segurança e transmissão de notícias durante o Super Bowl 2019, realizado em Atlanta. Um drone foi amarrado à estação Elistair Ligh-T permitindo vigilância aérea contínua. A tecnologia de micro-tether possibilitou uma transmissão perfeita do jogo Los Angeles Rams versus New England Patriots sem a necessidade de desligar as baterias.

A empresa francesa de tecnologia de drones Elistair desenvolveu o Orion 2, um sistema de drones totalmente automatizado para agências militares e públicas. Construído para telecomunicações e vigilância aérea, o novo sistema de drones pode realizar as missões mais exigentes de segurança nacional, aplicação da lei, segurança pública e privada, proteção de ativos e comunicações de emergência.

Quem são os clientes?

Entre os principais clientes estão a Agência Francesa de Aquisições de Defesa, o Exército dos EUA, as Nações Unidas, o Ministério da Defesa do Reino Unido, o Departamento de Polícia de Paris, Thales, Vodafone e Petronas. Os sistemas de drones amarrados da empresa também contribuíram para a segurança de grandes eventos, como a Ryder Cup 2018, o F1 Grand Prix em Le Castellet, o Superbowl 2019 e a Copa do Mundo de Esqui 2019 na Suécia, entre outros.

Para obter mais informações sobre Elistair e seus produtos, entre em contato com contato@wea-br.com e obtenha os últimos desenvolvimentos.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Fuzileiros Navais

Fuzileiros Navais

Última atualização 13 MAI, 11:11

MAIS LIDAS

Vant