COBERTURA ESPECIAL - US RU OTAN - Armas

04 de Maio, 2022 - 08:00 ( Brasília )

Rússia perde centenas de Carros dee Combate na ucrânia por falhas de Projeto

Rússia perdeu quase 1.000 carros de combate desde que invadiu a Ucrânia em fevereiro, afirmou Reino Unido; perdas apontam para uma falha no design destes veículos

Nota DefesaNet

 


 
A visão de restos de tanques russos abandonados e em destroços ao longo das estradas ucranianas tornou-se comum ao longo da invasão e foi apontada por muitos como uma das causas para o fracasso do Kremlin em tomar Kiev e outras grandes cidades ucranianas.
 
Especialistas em armamento militar explicam essa desvantagem da artilharia russa numa falha no projeto dos tanques conhecida como “jack-in-the-box””, relacionada à maneira como muitos tanques da Rússia armazenam e carregam munição.
 
Nesses tanques, incluindo o T--72 - veículo projetado pelos soviéticos que é amplamente utilizado na invasão da Ucrânia pela Rússsia - os projéteis são todos colocados em um anel dentro da torre de combate (onde fica o capitão do tanque).
 
Quando um tiro inimigo atinge o ponto certo, o anel de munição pode rapidamente esquentar e disparar os projéteis numa reação em cadeia, explodindo a torre do casco.
 
“Para uma tripulação russa, se o compartimento de armazenamento de munição for atingido, todo mundo está morto”, disse Robert E. Hamilton, professor da Escola de Guerra do Exército dos EUA.
 
Hamilton acrescentou que a força da explosão pode “vaporizar instantaneamente” a tripulação. “Todas essas munições – cerca de 40, dependendo se estão carregando uma carga completa ou não – vão disparar e todo mundo vai morrer”, afirmou.
 
Perdas de tanques

O secretário de Defesa britânico, Ben Wallace, estimou esta semana que a Rússia perdeu quase 1.000 carros de combate –– destruídos ou capturados –– desde que invadiu a Ucrânia em fevereiro. “O que estamos testemunhando agora são ucranianos se aproveitando da falha do tanque”, disse Samuel Bendett, consultor do Centro de Análises Navais, um instituto de pesquisa sem fins lucrativos financiado pelo governo federal americano. Os aliados ocidentais da Ucrânia forneceram armas antitanque em grande volume.

A Ucrânia também tem usado variantes do T-72 (T-64 ) fabricados na Rússia e enfrentam o mesmo problema. Mas a invasão contou com a implantação de tanques em larga escala às forças ucranianas, e o país conseguiu revidar melhor do que o esperado.
 
A falha fala de uma diferença mais ampla nas abordagens entre os militares ocidentais e os da Rússia, dizem analistas. “Os tanques americanos por muito tempo priorizaram a capacidade de sobrevivência da tripulação de uma forma que os tanques russos simplesmente não fazem”, disse Hamilton. “É realmente apenas uma diferença no projeto do compartimento de armazenamento de munição e uma diferença na priorização.”
 
A munição na maioria dos tanques ocidentais pode ser mantida sob o piso da torre, protegida pelo casco pesado – ou na parte de trás da torre, disse Hamilton. A munição é separada da tripulação e evita o risco existente no T-72, no qual o compartimento de armazenamento de munição é colocado na torre e fica potencialmente vulnerável a um acerto inimigo.
 
Mesmo as primeiras versões dos tanques americanos M1 Abrams, na década de 1980, foram equipadas com portas de proteção resistentes que separavam a tripulação da munição armazenada. Esses tanques têm uma tripulação de quatro pessoas, incluindo um carregador que abre a porta balística manualmente.


 
Eles foram projetados para serem mais fortes do que a blindagem superior, de modo que, se a munição fosse atingida, a explosão seria direcionada para cima através de painéis de explosão, e não para o compartimento da tripulação.
 
Por outro lado, os tanques russos contam com carregadores automáticos mecânicos, permitindo que sejam tripulados por uma equipe de três. A prioridade da Rússia, neste caso, é o poder de fogo, a velocidade, perfil mais baixo e a dirigibilidade. Os tanques russos tendem a ser mais leves e simples, e têm blindagem mais fina e menos avançada do que os tanques ocidentais. A vulnerabilidade do projeto provavelmente é “apenas mais barata e mais leve”, disse Hamilton.
 
Novos modelos russos foram lançados desde o T-72, que foi produzido na década de 1970 pela União Soviética. Um deles, o T--14 Arrmata, foi descrito como um divisor de águas sofisticado no campo de batalha desde que estreou em um desfile militar de 2015. Mas os Armatas ainda não foram muito utilizados fora dos desfiles.
 
Já variantes mais recentes do T-72 vieram com maiores proteções de tanques, disse Bendett, mas o princípio predominante é o mesmo: uma tripulação de três pessoas com um perfil mais baixo e projéteis em círculo dentro da torre.
 
Para os militares dos EUA, disse Hamilton, “se o tanque for destruído e a tripulação sobreviver, você pode fazer outro tanque mais rapidamente do que treinar outra tripulação”.
 
Para a Rússia, “as pessoas são tão dispensáveis quanto a máquina”, disse ele. “Os russos sabem disso há 31 anos – você tem que dizer que eles simplesmente optaram por não lidar com isso.”


VEJA MAIS