COBERTURA ESPECIAL - US RU OTAN - Geopolítica

02 de Maio, 2022 - 09:00 ( Brasília )

Suíça bloqueia entrega de munições à Ucrânia


Segundo um jornal, a Suíça vetou a entrega de munições fabricadas no país e compradas pela Alemanha à Ucrânia. Razão: esta infringe a sua neutralidade.

"Ambos os pedidos da Alemanha foram respondidos de forma negativa, com referência à neutralidade suíça e aos critérios obrigatórios de rejeição da lei sobre material de guerra", disse ao jornal Sonntagszeitung um porta-voz da Secretaria de Estado de Assuntos Econômicos da Suíça (SECO).

O porta-voz da SECO não confirmou se os pedidos estavam relacionados às munições utilizadas nos veículos de combate à infantaria Marder: tanques cobiçados por Kiev e que atualmente fazem parte dos debates na Alemanha sobre o envio de material militar para a Ucrânia.

O chanceler alemão Olaf Scholz esta semana enfrentou fortes críticas pela relutância de seu governo em entregar armas pesadas a Kiev para se defender contra os ataques russos, já que outros membros da OTAN - notadamente os EUA - intensificam os envios.

Scholz diz que os estoques militares da Alemanha estão muito esgotados para enviar qualquer arma pesada de campo de batalha como tanques e howitzers, enquanto aqueles que a indústria alemã disse que poderia fornecer não poderiam ser facilmente colocados em uso.

Reexportação precisa ser aprovada

No entanto, a neutralidade suíça e as regras de exportação de armas proíbem o envio de armas para países em guerra civil ou conflito internacional. A venda de armas também está vinculada por uma "declaração de não exportação", que impede o envio de armas de fabricação suíça para outro país sem a aprovação prévia da SECO.

Embora a neutralidade suíça tenha sido objeto de debate desde que o país decidiu aderir às sanções da União Européia contra a Rússia, a questão da exportação de armas é mais clara, e excluiu o envio de armas para a Polônia no mês passado.

Uma reportagem do jornal NZZ do mês passado também afirmou que o ministério suíço das Relações Exteriores (EDA) suíço havia solicitado ao Canadá, membro da OTAN, que retirasse um pedido que havia feito para transportar armas do Reino Unido para a Itália através do espaço aéreo suíço.

Suíços contra a adesão à OTAN, mas a favor de uma cooperação mais estreita

A maioria dos suíços quer ver uma cooperação mais estreita com a aliança intergovernamental de defesa da OTAN, de acordo com uma pesquisa representativa. Entretanto, eles não querem se tornar um membro.

Contra o pano de fundo da invasão russa da Ucrânia, 35% dos entrevistados eram a favor de uma cooperação mais estreita com a OTAN, enquanto 21% eram "um pouco" a favor, revelou Sonntags Blick no domingo. Mas apenas 19% eram definitivamente a favor da adesão à aliança e outros 14% eram provavelmente a favor de fazê-lo.

Quase metade (47%) dos entrevistados achavam que o princípio da neutralidade suíça não foi violado pela adoção de sanções da UE contra a Rússia. Outros 11% tendiam a concordar com esta opinião.

Além disso, 61% dos entrevistados eram a favor de que a Suíça se envolvesse mais na Ucrânia. Entretanto, 66% rejeitaram a entrega de armas. Por outro lado, 62% eram a favor de que a Suíça enviasse capacetes e coletes de proteção para a Ucrânia.

A pesquisa representativa de 20.000 participantes foi realizada pelo instituto de pesquisa Sotomo juntamente com o Grupo Blick entre os dias 12 e 14 de abril.

Textos traduzidos automaticamente do (EN) para (PT) usando (DEEPL).

 

 


VEJA MAIS