COBERTURA ESPECIAL - US RU OTAN - Geopolítica

19 de Abril, 2022 - 10:10 ( Brasília )

Rússia lança grande ofensiva no leste da Ucrânia


O Ministério da Defesa da Rússia afirmou nesta terça-feira (19) que "mísseis aéreos de alta precisão" atingiram 13 posições ucranianas em partes do Donbass, incluindo a cidade-chave de Slovyansk. Outros ataques aéreos "atingiram 60 pontos militares da Ucrânia", inclusive em cidades próximas da linha de frente oriental.

A ofensiva na região leste, parcialmente sob controle de separatistas pro-russos, foi anunciada pelo presidente ucraniano, Zolodymyr Zelensky na segunda-feira.

"As tropas russas começaram a batalha pelo Donbass, para a qual se prepararam durante muito tempo", alertou Zelensky em um discurso divulgado pelo aplicativo Telegram. "Não importa quantos soldados russos sejam trazidos aqui, vamos lutar, vamos nos defender", acrescentou o líder ucraniano.

O controle de Donbass pode permitir que Moscou crie um corredor em direção sul para a península ocupada da Crimeia.

Tiros de artilharia pesada foram observados nas zonas de Donetsk, Lougansk, Kharkiv, Zaporija e Kherson, segundo o correspondente da RFI Stéphane Siohan. "As informações foram confirmadas por vídeos postados durante a noite por soldados em diferentes locais na linha de frente do conflito, mas também por declarações do governador da região de Lugansk, para quem 'o inferno começou' no Donbass", relata o correspondente.

Para alguns especialistas ouvidos pela RFI, essa pode ser a maior batalha terrestre no continente europeu desde a Segunda Guerra Mundial. 

Pedido de fuga para o oeste da Ucrânia

Antes do avanço amplamente antecipado, as autoridades ucranianas pediram às pessoas em Donbass que fugissem em direção ao oeste do país.

"A segunda fase da guerra começou", disse o chefe de gabinete presidencial de Kiev, Andriy Yermak. A Rússia adicionou 11 grupos táticos de batalhões – com artilharia, helicópteros e apoio logístico – às suas forças no leste da Ucrânia, elevando o total para 76 no país, informou à AFP um alto oficial do Departamento de Defesa norte-americano.

No sul da Ucrânia, a Rússia continuou os esforços para capturar a cidade portuária sitiada de Mariupol, defendida por últimos bolsões de resistência.

Os primeiros carregamentos de um novo pacote de ajuda militar dos EUA chegarem às fronteiras da Ucrânia na segunda-feira. Em 13 de abril, os Estados Unidos divulgaram uma parcela de US$ 800 milhões em equipamentos para a Ucrânia, incluindo helicópteros, obuses e veículos blindados. 

Ataques em Lviv

O Ministério da Defesa da Rússia disse na segunda-feira que atingiu 16 alvos militares em toda a Ucrânia. Pelo menos sete pessoas foram mortas em ataques na cidade de Lviv, no extremo oeste.

Entre os locais atingidos estava um depósito perto de Lviv que, segundo Moscou, continha armas recentemente entregues à Ucrânia pelos Estados Unidos e Europa.

Lviv foi amplamente poupada de bombardeios desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, e a cidade e seus arredores se tornaram um refúgio para aqueles que buscavam segurança na zona de guerra.

Mas "hoje entendemos claramente que não temos lugares seguros na Ucrânia, é muito perigoso", disse à AFP uma funcionária de um banco em Lviv que se identificou como Natalia.

'Segunda fase da guerra': ??Rússia começou grande ofensiva em Donbas, diz Ucrânia



O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky disse na segunda-feira (18/4) que as forças russas lançaram uma nova ofensiva de grande escala no leste da Ucrânia. "Agora podemos confirmar que as tropas russas iniciaram a batalha por Donbas, que estão preparando há muito tempo.

Uma grande parte do Exército russo está agora engajada nesta ofensiva", disse o presidente. "Não importa quantos soldados russos eles tragam, nós vamos lutar. Vamos nos defender", acrescentou.

A mensagem de Zelensky foi precedida por advertências de outros altos funcionários de seu governo, como seu chefe de gabinete, Andriy Yermak, que havia anunciado pouco antes que "a segunda fase da guerra havia começado".

No final de março, um mês após o início da invasão da Ucrânia, Moscou declarou o fim da primeira fase de sua ofensiva e anunciou que concentraria seus esforços na "liberação completa" da região de Donbas, no leste do país.

Muitos analistas interpretaram essa mensagem como um reconhecimento implícito do governo de Vladimir Putin de que não conseguiu conquistar Kiev, onde a Rússia concentrou grande parte de seus esforços durante o primeiro mês da invasão na tentativa de derrubar o governo Zelensky.

A partir de então, a Rússia iniciou uma reorganização de suas forças para a ofensiva que, segundo o governo ucraniano, já começou. O Ministério da Defesa russo informou na segunda-feira que centenas de alvos militares foram atacados nas primeiras horas da manhã no sul e leste da Ucrânia, perto de cidades como Zaporizhia, Kramatorsk, Krivói Rog, Odesa e Mikoláiv.

"Mísseis de alta precisão lançados do ar destruíram 16 instalações militares ucranianas durante a noite, incluindo cinco postos de comando inimigos, uma instalação de armazenamento de combustível e três depósitos de munição, além de pessoal e equipamentos militares", disse o porta-voz do Ministério da Defesa ucraniano, Igor Konashenkov.

Ele disse que os russos atingiram mais de 300 alvos militares ucranianos: 18 postos de comando, 22 baterias de artilharia, um sistema de mísseis antiaéreos e 275 áreas de concentração de tropas.

Autoridades ucranianas disseram que houve oito mortes de civis em Donbas e outras nove no norte e oeste do país. As informações russa e ucraniana não puderam ser confirmadas de forma independente.



Um 'inferno'

O secretário do Conselho de Segurança Nacional da Ucrânia, Oleksiy Danilov, disse na segunda-feira que a Rússia tentou romper as defesas da Ucrânia "quase ao longo de toda a frente nas regiões de Donetsk, Luhansk e Kharkiv". Ele disse que as forças russas capturaram a cidade de Kreminna, localizada a cerca de 50 km de Kramatorsk, mas disse que as forças ucranianas estão "mantendo a linha" em outras áreas. 

O governador da região de Luhansk, Sergei Gaidai, disse que o ataque russo é um "inferno", com combates constantes nas cidades de Rubizhne e Popasna. "A ofensiva já começou, aquela sobre a qual alertamos há semanas", escreveu ele no Facebook.

Conclave ocidental O presidente dos EUA, Joe Biden, se reunirá com seus aliados na terça-feira para discutir a crise na Ucrânia.

"O presidente convocará uma videochamada com aliados e parceiros para discutir nosso apoio contínuo à Ucrânia e os esforços para responsabilizar a Rússia como parte de nossa estreita coordenação", disse a Casa Branca em comunicado.

Parte do mais recente pacote de ajuda militar de US$ 800 milhões dos EUA — que inclui helicópteros e veículos blindados — chegou às fronteiras da Ucrânia no domingo, segundo uma autoridade do Pentágono.


"Batalha de Donbas" na região leste

Forças russas tentaram avançar pelas defesas ucranianas ao longo de quase toda a linha de frente no leste da Ucrânia nesta terça-feira, lançando o que o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, chamou de "Batalha de Donbas" --a segunda fase da guerra.

Uma "parte muito grande de todo o Exército russo está agora focada nesta ofensiva", disse Zelenskiy em um discurso em vídeo durante a noite. "Não importa quantas tropas russas eles enviem para lá, nós vamos lutar. Vamos nos defender."

O chefe de gabinete de Zelenskiy, Andriy Yermak, garantiu aos ucranianos que suas forças podem conter a ofensiva. "Acreditem em nosso Exército, ele é muito forte", disse. Enquanto isso, na cidade sitiada e devastada de Mariupol, a Rússia deu aos últimos defensores ucranianos escondidos em uma gigante siderúrgica um ultimato para se renderem.

"Todos os que depuserem as armas têm a garantia de permanecerem vivos", afirmou o Ministério da Defesa russo. Separatistas apoiados pela Rússia disseram que as forças pró-Moscou estavam se preparando para invadir a fábrica de Azovstal, que se acredita ser a última base de tropas ucranianas que sobreviveram ao cerco mais longo e brutal da guerra.

Afastada pelas forças ucranianas em março de um ataque a Kiev, no norte, a Rússia enviou tropas para o leste para se reagrupar para uma ofensiva terrestre em duas províncias conhecidas como Donbas. Também vem lançando ataques de longa distância em outros alvos, incluindo a capital.

A mídia ucraniana relatou explosões, algumas poderosas, ao longo da linha de frente na região de Donetsk, com bombardeios ocorrendo em Marinka, Sloviansk e Kramatorsk. Explosões também foram ouvidas em Kharkiv, no nordeste, Mykolaiv, no sul, e Zaporizhzhia, no sudeste, enquanto sirenes de ataques aéreos também soavam nos principais centros próximos à linha de frente, disseram autoridades e a mídia.

O governador da província russa de Belgorod disse que as forças ucranianas atacaram um vilarejo fronteiriço ferindo um morador. A principal autoridade de segurança da Ucrânia, Oleksiy Danilov, afirmou que as forças russas tentaram romper as defesas ucranianas "ao longo de quase toda a linha de frente das regiões de Donetsk, Luhansk e Kharkiv".

Donbas, produtora de carvão e aço, tem sido o foco da campanha da Rússia para desestabilizar a Ucrânia desde 2014, quando o Kremlin usou representantes para estabelecer "Repúblicas populares" separatistas em Luhansk e Donetsk.

Rússia anuncia dezenas de ataques durante a noite no leste da Ucrânia

Soldado ucraniano na cidade de Kharkiv, nordeste do país, em 17 de abril de 2022 (AFP/Maryke VERMAAK) (Maryke VERMAAK)

 
A Rússia anunciou nesta terça-feira (19) que executou dezenas de bombardeios durante a noite no leste da Ucrânia, enquanto o governo de Kiev afirma que o exército russo iniciou uma grande ofensiva na região do Donbass. 

O ministério da Defesa da Rússia afirmou que "mísseis de alta precisão das forças russas neutralizaram 13" posições ucranianas em diferentes partes da região de Donbass, incluindo a cidade-chave de Sloviansk.

Além disso, destacou que outros bombardeios "tomaram como alvos 60 objetivos militares da Ucrânia", incluindo cidades próximas à linha de frente leste.

De acordo com o comunicado, as tropas destruíram dois depósitos de mísseis táticos Tochka-U em Chervona Polyana, na região de Lugansk (leste), e em Balakliya, na região de Kharkiv (nordeste).

Um total de 1.260 alvos militares foram atingidos por mísseis e artilharia durante a noite, acrescentou o ministério.

"Os sistemas de defesa aéreo russos derrubaram um caça ucraniano MiG-29 perto da cidade de Malynivka, na região de Donetsk", afirma o comunicado.

Na segunda-feira à noite, as autoridades ucranianas anunciaram que a Rússia havia iniciado uma grande ofensiva no leste do país, uma nova fase após quase dois meses de campanha militar.


 


VEJA MAIS