COBERTURA ESPECIAL - US RU OTAN - Geopolítica

16 de Fevereiro, 2022 - 10:40 ( Brasília )

Putin diz que questão de possível adesão da Ucrânia à OTAN tem de ser resolvida agora


O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse nesta terça-feira que a Rússia foi informada de que a Ucrânia não aderiria à aliança militar ocidental Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) no futuro próximo, mas que Moscou não acha que isso seja uma garantia suficiente e quer resolver o assunto em sua totalidade agora.

A Rússia tem buscado garantias de segurança do Ocidente, incluindo um veto à uma futura adesão da Ucrânia à aliança militar liderada pelos Estados Unidos. O líder do Kremlin fez a observação em uma conferência de imprensa conjunta após conversas com o chanceler alemão, Olaf Scholz, em Moscou.

Putin aprova, em princípio, resposta russa ao Ocidente sobre garantias de segurança

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, aprovou, em princípio, as respostas do Ministério das Relações Exteriores russo ao Ocidente sobre as garantias de segurança que Moscou está buscando, disse a agência de notícias RIA citando o Kremlin nesta segunda-feira.

A agência disse que os diplomatas russos estavam finalizando o texto das respostas.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, sugeriu mais cedo nesta segunda a Putin que Moscou continuasse no caminho diplomático em seus esforços para extrair garantias de segurança do Ocidente, à medida que as tensões sobre a Ucrânia aumentavam.

'Invasão da Ucrânia pela Rússia ainda é possível', alerta Biden



Um ataque russo à Ucrânia "continua sendo uma possibilidade", mas o custo humano seria "imenso", disse o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. Em comentários transmitidos pela televisão nacionalmente, ele disse que os Estados Unidos estão prontos para responder decisivamente a tal movimento.

A Rússia reuniu mais de 100 mil soldados perto da fronteira com a Ucrânia, provocando temores de uma invasão.

Seu ministro da Defesa disse que algumas forças já se retiraram. Biden advertiu que isso não havia sido confirmado.

"[A saída das forças russas] seria bom, mas ainda não verificamos isso. Ainda não verificamos se as unidades militares russas estão retornando às suas bases", disse o presidente americano.

"De fato, nossos analistas indicam que eles permanecem em uma posição muito ameaçadora."

O discurso de Biden ocorreu horas depois que o presidente russo, Vladimir Putin, disse que as preocupações de Moscou com sua segurança deveriam ser levadas a sério.

Putin sempre negou estar planejando uma invasão e disse que a Rússia não quer outra guerra na Europa. No entanto, as tensões vêm aumentando desde novembro.

A Rússia tem profundos laços culturais e históricos com a Ucrânia, que é uma ex-república soviética.

Putin quer garantias de que a Ucrânia não se juntará à aliança militar da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), porque vê qualquer expansão dela como uma ameaça à Rússia. A OTAN rejeitou essa exigência.

Biden disse concordar com a proposta do governo russo de dar continuidade às discussões diplomáticas.

Reino Unido ameaça impedir empresas russas de levantar dinheiro em Londres


O Reino Unido pode impedir que empresas russas levantem capital em Londres e detenham propriedade de empresas em Londres e em outros lugares se a Rússia invadir a Ucrânia, disse o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, nesta terça-feira.

Reino Unido, Estados Unidos, União Europeia e outros aliados alertaram que vão impor pesadas sanções econômicas à Rússia no caso de uma invasão.

A Rússia diz que não tem planos de invasão e que algumas unidades militares estavam retornando às suas bases.

Na semana passada, o Reino Unido implementou uma nova legislação que permite impor sanções mais amplas do que anteriormente a entidades e indivíduos russos determinados a desestabilizar a Ucrânia ou apoiar o governo russo.

"O que estamos fazendo é mirar em bancos russos específicos, empresas russas e garantir que tomemos medidas, ou tomemos ainda mais medidas, para desnudar a fachada das propriedades russas, seja nesta cidade ou em qualquer outro lugar", disse Johnson a repórteres.

"E também tomar medidas para impedir que as empresas russas levantem capital nos mercados financeiros de Londres. Portanto, esse é um pacote muito, muito duro."

Johnson também afirmou que, embora tenha visto alguns sinais de uma abertura diplomática com a Rússia sobre a Ucrânia, as informações mais recentes sobre o que estava acontecendo ainda não eram encorajadoras.




VEJA MAIS