COBERTURA ESPECIAL - US RU OTAN - Geopolítica

02 de Fevereiro, 2022 - 09:30 ( Brasília )

Putin acusa EUA de tentarem atrair Rússia para guerra

Biden vai transferir tropas dos EUA para a Europa Oriental "no curto prazo"

O presidente russo, Vladimir Putin, acusou o Ocidente nesta terça-feira de deliberadamente criar um cenário destinado a atraí-lo para a guerra e ignorar as preocupações de segurança da Rússia sobre a Ucrânia. Em seus primeiros comentários públicos diretos sobre a crise em quase seis semanas, um Putin desafiador não mostrou sinais de recuo das exigências de segurança que o Ocidente chamou de destinadas ao fracasso e uma possível desculpa para iniciar uma invasão, o que Moscou nega.

"Já está claro agora... que as preocupações russas fundamentais foram ignoradas", disse Putin em entrevista coletiva com o primeiro-ministro visitante da Hungria, um dos vários líderes da OTAN que tenta fazer uma interlocução à medida que a crise se intensifica.

Putin descreveu um possível cenário futuro em que a Ucrânia seria admitida na OTAN e depois tentaria recapturar a península da Crimeia, território que a Rússia tomou em 2014.

"Vamos imaginar que a Ucrânia é membro da OTAN e inicia essas operações militares. Devemos entrar em guerra com o bloco da OTAN? Alguém já pensou nisso? Aparentemente não", disse ele. A Rússia concentrou mais de 100.000 soldados na fronteira ucraniana e os países ocidentais dizem temer que Putin possa estar planejando uma invasão.

A Rússia nega, mas disse que poderia tomar uma ação militar não especificada, a menos que suas exigências de segurança sejam atendidas. Países ocidentais dizem que qualquer invasão traria sanções a Moscou.

O Kremlin quer que o Ocidente respeite um acordo de 1999 segundo o qual nenhum país pode fortalecer sua própria segurança às custas de outros, o que considera como ponto central da crise, disse o ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov.

Ele levantou a carta assinada em Istambul por membros da Organização para Segurança e Cooperação na Europa, que inclui os Estados Unidos e o Canadá, durante uma ligação com o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken.

Segundo Lavrov, Blinken reconheceu que é preciso discutir mais o assunto, enquanto um relato dos EUA sobre a ligação afirma se concentrou na necessidade de Moscou recuar.

"Se o presidente Putin realmente não pretende guerra ou mudança de regime.... então este é o momento de retirar tropas e armamento pesado e de se envolver em uma discussão séria", disse uma autoridade graduada do Departamento de Estado a repórteres.

"Instrumento"

Putin não falava publicamente sobre a crise na Ucrânia desde 23 de dezembro, deixando uma ambiguidade sobre sua posição pessoal enquanto diplomatas da Rússia e do Ocidente estão envolvidos em repetidas rodadas de negociações.

Suas declarações nesta terça-feira refletiram uma visão de mundo na qual a Rússia precisa se defender de agressividade e hostilidade dos Estados Unidos. Para Putin, Washington não está preocupada essencialmente com a segurança da Ucrânia, mas com a contenção da Rússia.

"Nesse sentido, a própria Ucrânia é apenas um instrumento para atingir esse objetivo", disse.

"Isso pode ser feito de diferentes maneiras, atraindo-nos para algum tipo de conflito armado e, com a ajuda de seus aliados na Europa, forçando a introdução contra nós das duras sanções de que estão falando agora nos EUA."



Biden vai transferir tropas dos EUA para a Europa Oriental "no curto prazo"

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse nesta sexta-feira que vai transferir tropas norte-americanas para países do Leste Europeu e da OTAN "no curto prazo".

O Pentágono colocou cerca de 8.500 soldados norte-americanos de prontidão para um possível deslocamento para a Europa em meio ao aumento militar da Rússia perto da fronteira com a Ucrânia.


VEJA MAIS