COBERTURA ESPECIAL - TOAS - Geopolítica

28 de Fevereiro, 2021 - 23:00 ( Brasília )

TOAS – Argentina: Incríveis imagens noturnas das frotas pesqueiras chinesas

Como nos anos anteriores, cerca de 300 embarcações estrangeiras, principalmente chinesas, até o final de 2020 têm como alvo principalmente lulas. Éstima-se entre 2 a 3 Bilhões de dólares o valor da captura armazenado "nos porões" dos pesqueiros chineses

Nota DefesaNet

Teve grande repercussão a matéria de DefesaNet sobre o oferecimento de de Grupo Chinês para a construção de um Polo Pesqueiro, na cidade de Rio Grande.

Exclusivo – Chineses oferecem Polo Pesqueiro no Sul do Brasil. Oportunidade Comercial ou Armadilha Geopolítica?

A recente visita do Alm Esq Flávio Rocha, Chefe da Secretaria de Assuntos estratégicos (SAE), à Buenos Aires teve um dos pontos discutidos com o governo argentino a pesca ilegal e a formação de patrulhas navais cojuntas na região.

O Editor


Sergio Serrichio
INFOBAE
Argentina
27 de fevereiro de 2021
Fotos INFOBAE

 

 
O show é incrível. Pela luminosidade, parece o sobrevoo de uma cidade de médio porte. Mas não. Existem cerca de 300 embarcações estrangeiras - chinesas, coreanas, taiwanesas, espanholas, portuguesas - pescando a parir da chamada “Milha 201”, na fronteira externa do Mar Argentino. Na Zona Econômica Exclusiva (ZEE) área onde operam os navios de pesca de bandeira Argentina.

A imagem acima é desta semana (Fevereiro), de um Turbotracker da Armada Argentina. A luminosidade faz parte da técnica de pesca: atrair cardumes de lulas Illex, uma espécie migratória e fotossensível, para que se refugiem da luz sob o casco de barcos de pesca, especialmente projetados para a pesca de lulas, que com suas redes iniciam a captura.

É o que explica o capitão do Corveta Ricardo Schroeder,  piloto de  um Beechcraft Super King Air 200, no final de janeiro, em uma operação de controle da Marinha que o Infobae conseguiu registrar . É uma aeronave modificada da década de 90, por um esforço conjunto da Marinha com a então secretaria (hoje Ministério) da Agricultura e Pecuária, da qual depende a Subsecretaria de Pesca. Pesca.

O Capitão Ricardo Schroeder, no final de janeiro, em missão de controle do espaço marítimo, explica a técnica utilizada por embarcações estrangeiras para a captura em massa de lulas




No horizonte a fonta chinesa preparando-se para o início da operação.

Volumes em jogo

Hoje cada um desses barcos está pescando entre 10 e 20 toneladas de lula por dia, diz Juan Redini, presidente da Câmara dos Poteros da Argentina (CAPA), setor da indústria pesqueira argentina dedicada à lula. Em dez dias, estima Redini, aquela cidade marítima de embarcações estrangeiras pescou cerca de 30.000 toneladas, em um mês 90.000, em dois meses 180.000, o que já supera o que os naviuos argentinos pescaram em todo o ano passado, 170.000 toneladas .

A frota estrangeira, majoritariamente chinesa, chegou ao Atlântico Sul em meados de dezembro, após operarem pela primeira vez ao largo das costas do Equador, Peru e Chile e cruzar o Estreito de Magalhães para chegar à Argentina apenas no início da pesca da lula Illex, que continua até julho / agosto.

Nos últimos anos, a pesca da lula tem avançado, justamente para tentar reduzir os danos causados pela pesca de embarcações estrangeiras, mas neste ano, por conta do protocolo covid-19, ela começou no dia 17 de janeiro. O dano econômico é difícil de medir, mas é imenso. “Os navios aqui são 70 barcos e vendemos para os mesmos mercados; se eles (por embarcações estrangeiras) pescarem bem, os preços podem cair de uma faixa entre US $ 2.700 e 3.000 por tonelada para menos de US $ 2.000 . E nossos custos são bem maiores, na proporção de 10 para 1, explica Redini.

Nos últimos anos, a safra de lulas tem avançado, justamente para tentar diminuir os danos causados pela pesca de embarcações estrangeiras.

Parece exagero, mas o chefe da CAPA explica que muitas embarcações estrangeiras operam com combustível subsidiado pelo Estado e pagam salários de US $ 200 por mês. Para uma média de 30 tripulantes, custa cerca de US $ 6 mil por mês, enquanto para um navio argentino descarregar 700 toneladas no porto custa mais de US $ 120 mil ao câmbio oficial, diz Redini.




Desde um Turbotracker da Armada Argentina, pode-se ver a frota pesqueira chinesa na linha limite da Mille 201 onde operam fora da ZEE.


“É uma competição totalmente injusta” diz Redini. “Temos falado sobre isso em Congressos, na FAO; o que dizemos é que tem que regular de uma vez por todas essas águas ”.

Eduardo Pucci, diretor executivo da Organização para a Proteção dos Recursos do Atlântico Sul (Opras), afirma que, embora com a Lei 27.564, sancionada em outubro de 2020, as penalidades para embarcações estrangeiras interceptadas pescando dentro das 200 milhas. Melhorou o controle da ZEE, porém a área após a "Mile 201" ainda é água de ninguém.

“Era algo de se esperar. O esforço da Argentina, com elevados custos econômicos e operacionais, não impede que o cenário se repita fora do ZEE e com os mesmos protagonistas. Do ponto de vista da cooperação com embarcações estrangeiras, nenhum progresso foi feito. Não há nada de novo ”, disse Pucci.
 
“A Argentina está comprometida com sua política de resolver a controvérsia da soberania das Malvinas e as possibilidades de cooperação são limitadas por isso. Vamos ter efeitos no recurso e na possibilidade de captura da frota argentina, nos preços e no mercado. As consequências são graves e não há indícios de que a situação possa mudar no curto prazo ”, disse Pucci, que avaliou o valor“ em espera, em alto mar ”das capturas de embarcações estrangeiras (para todas as espécies), com um maior valor de mercado e claramente prejudicial para a pesca argentina, que no caso da lula é quase toda voltada para a exportação, principalmente para a Europa e China.

Não apenas lula

O fenômeno atinge não só as lulas, mas todo o ecossistema, explica Pucci, porque a frota estrangeira também vem com uma parafernália logística de combustível, alimentos e navios-fábrica para fazer transbordos em alto mar, de forma a minimizar a necessidade de um centro logístico, como o porto de Montevidéu.

A predação pesqueira no Atlântico Sul é uma questão que já foi reconhecida pelo Brasil e pelo Uruguai, porque atinge toda a região, embora o Uruguai mantenha uma posição eclética, explica Pucci: apóia a Argentina para as Malvinas, mas continua dando apoio logístico aos navios que assolam o Mar da Argentina. O novo governo uruguaio (de Luis Lacalle Pou) “parece ter outro critério”, diz Pucci. No final das contas, ele explica, Argentina e Uruguai são afetados por uma área comum de pesca, embora a indústria pesqueira uruguaia seja muito menos importante do que na Argentina.




“Pedem do próprio Uruguai que a política seja revisada e que o Acordo sobre Medidas de Orientação do Estado do Porto (Amerp), patrocinado pela FAO, agência das Nações Unidas, seja respeitado para limitar a Pesca Ilegal, Não Regulamentada e Não Declarada (Irrnd). A Argentina não assinou o Amerp, de modo que não é interpretado como um reconhecimento implícito da soberania britânica sobre as Ilhas Malvinas, mas respeita suas regras , enquanto o Uruguai o assinou, mas tem pouco o respeitado, embora ultimamente o Dinara (Diretoria Nacional de Recursos Acuáticos del Uruguai) está implementando, diz Pucci.

A operação de navios estrangeiros no porto de Montevidéu levou em diversas ocasiões a incêndios e mortes de bombeiros uruguaios (o mais recente, em junho de 2020), mas já em 2018 citou a organização Healthy Oceans (Healthy Oceans), com base em relatório internacional , que o porto da capital uruguaia "está listado como o segundo do mundo a receber pescarias de transbordo suspeitas de serem Indnr." Além disso, denunciou que “a frota de barcos Lu Rong Yuan Yu, reconhecida por inúmeros acidentes de pesca ilegal em todo o mundo, é, entretanto, um dos principais clientes do porto de Montevidéu”.

O relatório também citou o Caso de Yun Mayo 168, um barco pesqueiro taiwanês que se recusou a evacuar um tripulante em alto mar, inicialmente afetado por uma forte dor de dente e o descarregou morto em Montevidéu. Outro caso, de 2014, mencionou a fuga em Montevidéu de 28 tripulantes africanos de um barco pesqueiro chinês que denunciava as condições de semi-escravidão e apresentava marcas de corentes nos tornozelos. “Resta saber qual é o destino de cada cadáver que as embarcações pesqueiras estrangeiras descarregam no porto de Montevidéu, uma vez por mês, quais são os custos e quais são os processos judiciais e administrativos”, destacou o relato devastador.

Mas, voltando ao mar argentino, o impacto imediato dos quase 300 barcos pesqueiros operando em sua orla não é apenas sobre a indústria local de lulas. “O que acontece conosco não é muito diferente”, diz Darío Sócrates , gerente do Conselho das Empresas Pesqueiras da Argentina (CEPA), que reúne empresas dedicadas à pescada Hubbsi. “Pescamos o ano todo, porque ao contrário da lula, que tem um ciclo de vida anual, a pescada pode viver entre 8 e 10 anos. Os peixes não conhecem fronteiras, o que é capturado no marco 199 é o mesmo que no marco 201. A pescada é uma espécie de fundo, fundo; tudo o que não é declarado e não é regulamentado sobre as capturas, além de impor as regras, tem impacto nas capturas que fazemos na Zona Económica Exclusiva, respeitando as regras, mas com concorrência desleal de quem pesca de fora ”.



O mesmo acontece com a lula, também para a pescada o principal mercado é o externo. A variedade Hubbsi é exportada para a Europa, um pouco para a Rússia e um pouco para o Brasil. Segundo dados da Subsecretaria de Pesca, nos onze primeiros meses de 2020 foram exportadas 90 mil toneladas, por US $ 199 milhões, enquanto o Squid Hillex foi para o exterior, 188,4 mil toneladas, por US $ 388 milhões .

Seis embarcações pesqueiras estrangeiras movendo-se no Atlântico Sudoeste, ao largo do Mar da Argentina (Franco Fafasuli)

Outro fator que afeta a pesca no Atlântico Sul são as licenças concedidas às Malvinas. Em 12 de fevereiro, por exemplo, o "Penguin News" noticiava que o governo das Ilhas já havia autorizado 36 das 105 embarcações que pediram permissão para pescar Lula, para fazê-lo de 15 de fevereiro a 15 de junho. Na mesma nota, é especificado que a captura total da pesca com “licença das Falklands” captura cerca de 200.000 toneladas , das quais 75% (cerca de 150.000 toneladas) são lulas illex.

Dados que somam aquela enorme cidade flutuante na Milha 201. “Eles não abusam apenas dos números; Eles vêm com logística para navios mercantes, combustível, alimentos, tudo altamente desenvolvido e com o apoio do Estado de bandeira ”, afirma Pucci.

Algumas coisas são regulamentadas pela Organização Marítima Internacional (IMO, a agência das Nações Unidas responsável pela segurança e proteção da navegação e prevenção da poluição marítima) e a Convenção sobre os Direitos do Mar, mas o transbordo em alto mar não é proibido.

“Tem gente trabalhando na FAO com a IMO e a Organização Internacional do Trabalho (OIT), porque em muitos casos as condições de trabalho são quase escravas, nessas questões”, explica Pucci. “A pesca em alto mar tem que ser objeto de um novo instrumento que reforce a Convenção sobre os Direitos do Mar. Uma nova lei é a única forma de salvar os oceanos da predação”, conclui.




Matérias Relacionadas

1 - Exclusivo – Chineses oferecem Polo Pesqueiro no Sul do Brasil. Oportunidade Comercial ou Armadilha Geopolítica?
A oferta de investir U$ 30 Mi em Polo Pesqueiro Integrado na cidade portuária de Rio Grande traz uma potencial de conflito geopolítico regional e internacional.

2 - Exclusivo - Canto da Sereia e o Bafo do Dragão.
Carlos Oliveira é um expert nas questões estratpégicas do Atlântico Sul e traz informações exclusivas sobre as ações das frotas pesqueiras chinesas




Pesca Ilegal na América do Sul: pontos de atenção e dilemas

Um item praticamente desconhecido pela midia brasileira mas que tem movimentado a estratégia do continente, a Pesca Ilegal
10 Novembro 2020  EGN Link

 

ARGENTINA - Navio patrulha oceânico ARA “Bouchard” capturou barco de pesca chinês por pesca ilegal na ZEE
Maio 2020 DefesaNet

Guarda Costeira argentina afunda pesqueiro chinês
Março 2016 DefesaNet


 


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Comando Artilharia

Comando Artilharia

Última atualização 28 SET, 13:50

MAIS LIDAS

TOAS