COBERTURA ESPECIAL - TOA - Terrestre

16 de Abril, 2019 - 15:35 ( Brasília )

Comandante do Exército visita 1ª Brigada de Infantaria de Selva e verifica atividades da Operação Acolhida


No dia 12 de abril, o Comandante do Exército, General de Exército Edson Leal Pujol, desembarcou no estado de Roraima acompanhado do Chefe do Centro de Comunicação Social do Exército (CCOMSEx), de seu Adjunto de Comando, o Segundo-Tenente Osmar Crivelatti, e comitiva. O objetivo era visitar a 1ª Brigada de Infantaria de Selva (1ª Bda Inf Sl) e conhecer as ações desenvolvidas pela Força-Tarefa Logística Humanitária (FT Log Hum) junto aos imigrantes venezuelanos.

Após receber as honras militares e as boas-vindas do Comandante da 1ª Bda Inf Sl, General de Brigada Márcio Bessa Campos, o Comandante da Força seguiu para as instalações da FT Log Hum, onde verificou de perto o trabalho desempenhado pelos militares da Operação Acolhida.



Na sequência, visitou o Posto de Triagem e o abrigo Rondon 1. Na ocasião, o General Leal Pujol teve uma audiência com o Governador do Estado, Antônio Denarium, na sede do Quartel-General da 1ª Bda Inf Sl, a fim de discutirem sobre os trabalhos humanitários junto aos venezuelanos no estado de Roraima.

Comando Militar do Sudeste prepara contingente para acolher imigrantes oriundos da Venezuela em Roraima

Em abril, o Comando Militar do Sudeste (CMSE) realiza a preparação dos militares que participarão da Operação Acolhida, que visa acolher imigrantes oriundos da Venezuela na fronteira com o país vizinho e, posteriormente, realizar a interiorização deles. 

Cerca de 500 militares das unidades de São Paulo irão compor o 5º contingente da Força-Tarefa Logística Humanitária. Eles embarcam para Roraima em aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) em três levas. Lá, permanecerão por três meses, prestando ajuda humanitária. 

Os pilares da operação, sob a ótica das Forças Armadas, são ordenar a fronteira, abrigar os desassistidos e realizar a posterior interiorização dos imigrantes. A Operação Acolhida é um esforço conjunto da Marinha do Brasil, do Exército Brasileiro e da FAB com apoio de agências governamentais.

Preparo do contingente 

A preparação conjunta da tropa que seguirá para Roraima ocorre no 4º Batalhão de Infantaria Leve (4º BIL), em Osasco (SP). Na semana de 7 a 12 de abril, esses militares assistirão a palestras de ambientação sobre a situação na fronteira com a Venezuela, receberão instruções sobre como acolher os imigrantes e executarão exercícios de simulação. 

O trabalho na fase de preparo contará com o apoio de agências, como o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) e a Organização Internacional de Migração (OIM), e de estudantes da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Outros contingentes

Após ser reconhecida a situação de vulnerabilidade decorrente de fluxo migratório para o Estado de Roraima no decreto n° 9.285, de 15 de fevereiro de 2018, a Operação Acolhida foi instituída com o objetivo de "cooperar com os Governos Federal, Estadual e Municipal com medidas de assistência emergencial para acolhimento de imigrantes venezuelanos em situação de vulnerabilidade, decorrente de fluxo migratório provocado por crise humanitária".

A Operação Acolhida teve início em março de 2018 e, desde então, o Ministério da Defesa estipulou uma substituição periódica das tropas que atuam na operação de acolhida dos imigrantes venezuelanos.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Base Industrial Defesa

Base Industrial Defesa

Última atualização 13 JUL, 00:30

MAIS LIDAS

TOA