COBERTURA ESPECIAL - Task Force Brazil - Inteligência

04 de Janeiro, 2021 - 02:00 ( Brasília )

TFBR - Carta de ex-Secretários de Defesa sobre a questão eleitoral dos EUA

Íntegra em português e inglês

Em carta aberta, 10 ex-secretários de Defesa dos EUA dizem que eleição presidencial já terminou

Grupo assina carta na editoria de Opinião publicada neste domingo (3) pelo jornal 'The Washington Post'.

Em carta aberta, 10 ex-secretários de Defesa dos EUA dizem que eleição já terminou.

Eles são todos os ex-secretários de Defesa ainda vivos e dizem que conhecem suas obrigações: "Cada um de nós fez um juramento para apoiar e defender a Constituição contra todos os inimigos, estrangeiros ou domésticos. Não juramos isso a um indivíduo ou a um partido". Além disso, dizem que interferência militar nas eleições poderia levar a um "território perigoso, ilegal e inconstitucional".

"Nossas eleições ocorreram. Recontagens de votos e auditorias foram realizadas. Questionamentos apropriados foram resolvidos pelos tribunais. Os governadores certificaram os resultados. E o colégios eleitorais votaram. O tempo de questionar os resultados já passou", escreveram.

_______________________________


Íntegra da Carta Aberta tratduzida para o Português

 

Carta Aberta dos 10 ex-secretários de Defesa vivos: Envolver os militares em disputas eleitorais cruzaria para um território perigos 

 

Washington Post
03 Janeiro. 2021

 
 
Opinião de:

Ashton Carter,
Dick Cheney,
William Cohen,
Mark Esper,
Robert Gates,
Chuck Hagel,
James Mattis,
Leon Panetta,
William Perry, and,
Donald Rumsfeld

 

Como ex-secretários de defesa, temos uma visão comum das obrigações solenes das Forças Armadas dos Estados Unidos e do Departamento de Defesa. Cada um de nós fez um juramento de apoiar e defender a Constituição contra todos os inimigos, estrangeiros e domésticos. Não juramos isso a um indivíduo ou a um partido.

As eleições americanas e as transferências pacíficas de poder resultantes são marcas registradas de nossa democracia. Com uma exceção singular e trágica que custou a vida de mais americanos do que todas as nossas outras guerras juntas, os Estados Unidos tiveram um registro ininterrupto de tais transições desde 1789, incluindo em tempos de conflito partidário, guerra, epidemias e depressão econômica. Este ano não deve ser exceção.

Nossas eleições ocorreram. Recontagens e auditorias foram realizadas.

Desafios apropriados foram resolvidos pelos tribunais. Os governadores certificaram os resultados. E o colégio eleitoral votou. O tempo de questionar os resultados já passou; chegou o momento da contagem formal dos votos do colégio eleitoral, prevista na Constituição e no estatuto.

Como notaram os líderes do Departamento de Defesa, "não há papel para os militares dos EUA na determinação do resultado de uma eleição nos EUA." Os esforços para envolver as forças armadas dos EUA na resolução de disputas eleitorais nos levariam a um território perigoso, ilegal e inconstitucional. Os oficiais civis e militares que dirigem ou executam tais medidas seriam responsáveis, incluindo potencialmente enfrentando penalidades criminais, pelas graves consequências de suas ações em nossa república.

As transições, que todos nós experimentamos, são uma parte crucial do sucesso da transferência de poder. Eles costumam ocorrer em momentos de incerteza internacional sobre a política e postura de segurança nacional dos EUA. Pode ser um momento em que a nação fica vulnerável às ações de adversários que buscam tirar proveito da situação.

Dados esses fatores, especialmente em um momento em que as forças dos EUA estão engajadas em operações ativas em todo o mundo, é ainda mais imperativo que a transição no Departamento de Defesa seja realizada de forma plena, cooperativa e transparente.

O secretário de defesa em exercício, Christopher C. Miller, e seus subordinados - nomeados políticos, oficiais e funcionários públicos - são obrigados por juramento, lei e precedente para facilitar a entrada no cargo do novo governo, e fazê-lo de todo o coração. Eles também devem abster-se de quaisquer ações políticas que prejudiquem os resultados da eleição ou dificultem o sucesso da nova equipe.

Nós os conclamamos, nos termos mais fortes, a fazer como tantas gerações de americanos fizeram antes deles. Esta ação final está de acordo com as mais altas tradições e profissionalismo das forças armadas dos EUA e com a história de transição democrática em nosso grande país.

All 10 living former defense secretaries: Involving the military in election disputes would cross into dangerous territory

 

 

Washington Post
January. 3, 2021
 
 
Opinion by:

Ashton Carter,
Dick Cheney,
William Cohen,
Mark Esper,
Robert Gates,
Chuck Hagel,
James Mattis,
Leon Panetta,
William Perry, and,
Donald Rumsfeld

As former secretaries of defense, we hold a common view of the solemn obligations of the U.S. armed forces and the Defense Department. Each of us swore an oath to support and defend the Constitution against all enemies, foreign and domestic. We did not swear it to an individual or a party.

American elections and the peaceful transfers of power that result are hallmarks of our democracy. With one singular and tragic exception that cost the lives of more Americans than all of our other wars combined, the United States has had an unbroken record of such transitions since 1789, including in times of partisan strife, war, epidemics and economic depression. This year should be no exception.

Our elections have occurred. Recounts and audits have been conducted.

Appropriate challenges have been addressed by the courts. Governors have certified the results. And the electoral college has voted. The time for questioning the results has passed; the time for the formal counting of the electoral college votes, as prescribed in the Constitution and statute, has arrived.

As senior Defense Department leaders have noted, “there’s no role for the U.S. military in determining the outcome of a U.S. election.” Efforts to involve the U.S. armed forces in resolving election disputes would take us into dangerous, unlawful and unconstitutional territory. Civilian and military officials who direct or carry out such measures would be accountable, including potentially facing criminal penalties, for the grave consequences of their actions on our republic.

Transitions, which all of us have experienced, are a crucial part of the successful transfer of power. They often occur at times of international uncertainty about U.S. national security policy and posture. They can be a moment when the nation is vulnerable to actions by adversaries seeking to take advantage of the situation.

Given these factors, particularly at a time when U.S. forces are engaged in active operations around the world, it is all the more imperative that the transition at the Defense Department be carried out fully, cooperatively and transparently. Acting defense secretary Christopher C. Miller and his subordinates — political appointees, officers and civil servants — are each bound by oath, law and precedent to facilitate the entry into office of the incoming administration, and to do so wholeheartedly. They must also refrain from any political actions that undermine the results of the election or hinder the success of the new team.

We call upon them, in the strongest terms, to do as so many generations of Americans have done before them. This final action is in keeping with the highest traditions and professionalism of the U.S. armed forces, and the history of democratic transition in our great ountry.


VEJA MAIS