COBERTURA ESPECIAL - Especial Terror - Geopolítica

30 de Outubro, 2020 - 11:15 ( Brasília )

Brasileira de 44 anos está entre vítimas de ataque em igreja de Nice, diz Itamaraty


Uma brasileira de 44 anos residente na França foi uma das três vitimas fatais de um homem armado com uma faca que realizou ataque em uma igreja na cidade francesa de Nice nesta quinta-feira, informou o Ministério das Relações Exteriores.

De acordo com o Itamaraty, a mulher deixa três filhos. Ela foi morta, assim como outras duas pessoas, por um tunisiano que invadiu a igreja gritando “Allahu Akbar” (Deus é maior), em um ataque considerado pelo governo francês como ato de terrorismo.

Segundo uma fonte da polícia, o ataque ocorreu perto das 9h (horário local), quando o homem entrou na igreja.

“O Brasil expressa seu firme repúdio a toda e qualquer forma de terrorismo, independentemente de sua motivação, e reafirma seu compromisso de trabalhar no combate e erradicação desse flagelo, assim como em favor da liberdade de expressão e da liberdade religiosa em todo o mundo”, disse o Itamaraty em nota.

“Neste momento, o governo brasileiro manifesta em especial sua solidariedade aos cristãos e pessoas de outras confissões que sofrem perseguição e violência em razão de sua crença. O Itamaraty, por meio do Consulado-Geral em Paris, presta assistência consular à família da cidadã brasileira vítima do ataque terrorista.”

Autor de ataque em igreja na França portava identidade da Cruz Vermelha Italiana

O homem suspeito de matar três pessoas em uma igreja francesa chegou de trem portando um documento de identidade da Cruz Vermelha Italiana, trocou de roupa na estação ferroviária e caminhou até a igreja para iniciar o ataque, disse nesta quinta-feira o procurador-chefe antiterrorista da França.

Jean-François Ricard disse que o homem é um tunisiano nascido em 1999 que havia chegado à cidade italiana de Bari em 9 de outubro.

O promotor disse que o homem foi flagrado por câmeras de segurança na estação ferroviária de Nice e, de lá, caminhou 400 metros até a igreja de Notre Dame.




VEJA MAIS