COBERTURA ESPECIAL - Tecnologia Disruptiva - Defesa

29 de Julho, 2022 - 09:20 ( Brasília )

A tecnologia de baixo custo moldando o moderno campo de batalha


Claudette Roulo, DOD News

Em seus 38 anos como soldado, através de teatros que vão do Oriente Médio à Europa, o comandante do Comando de Operações Especiais (SOCOM – Special Operations Command) diz que nunca teve que olhar para cima. Mas esses dias estão terminando.

Nunca tive que olhar para cima porque os EUA sempre mantiveram a superioridade aérea”, disse o general do Exército Richard D. Clarke durante uma discussão na sexta-feira no Fórum de Segurança de Aspen, em Aspen, Colorado. “Não vamos ter sempre esse luxo“, acrescentou ele.

Quadcopters de baixo custo e veículos aéreos não tripulados maiores estão perturbando o status quo, pois os militares e insurgentes confiam cada vez mais neles, disse o general.

Quando a Rússia está ficando sem eles para a Ucrânia, e eles estão indo para o Irã para comprar mais, [isso] deve nos causar a todos um pouco de preocupação, porque você pode ver como eles podem ser valiosos na luta futura“, disse ele.

As forças norte-americanas e aliadas têm se concentrado em grande parte nas formas de derrotar os drones inimigos após a decolagem, mas Clarke disse que há também a necessidade de discussões entre agências sobre formas de interromper as cadeias de abastecimento para evitar que eles decolem.

Mas primeiro, deve haver uma discussão sobre normas e autoridades para seu uso, disse ele. Com um custo “muito baixo” de aquisição para alguns dos sistemas não tripulados pequenos (RPA), o general ainda afirma que alguns países podem querer usar drones maiores para mover pacientes ou suprimentos. Os veículos de transporte médico são protegidos sob as Convenções de Genebra.

Armas Químicas, Biológicas

Clarke disse que o Departamento de Defesa encarregou a Socom de analisar outras ameaças que são baratas para produzir e usar – armas químicas e biológicas.

O ISIS usou cloro e gases mostarda no Iraque e na Síria, disse ele. A Rússia tem usado armas químicas contra seus aliados políticos – em seu próprio solo e em outros lugares, acrescentou Clarke.

O fato de que qualquer um em um porão em Mosul [Iraque] com alguns conjuntos de laboratório pode fazer isso“, prova que é um processo simples para criar essas armas, disse o general. As armas químicas e biológicas são um sistema de armas terroristas, disse ele, e o ISIS e a Al Qaeda continuarão a usá-las porque criam medo.

Ao entrarmos no futuro, temos que estar preparados para essa eventualidade … e procurar métodos para continuar a combatê-la“, disse Clarke.

Ameaças cibernéticas

Embora as autoridades americanas tenham dito que o governo e outros sistemas críticos estão recebendo ataques cibernéticos diários, o general disse estar igualmente preocupado com a forma como os adversários estão usando o ciberespaço de informação para explorar o espaço de informação.

Os atores mal intencionados estão espalhando informações errôneas e desinformações on-line, e estas tiveram um impacto nas eleições, disse ele.

A desinformação é uma informação falsa ou enganosa – uma notícia de última hora equivocada, por exemplo. A desinformação tem o objetivo de enganar intencionalmente o destinatário.

Clarke disse que o cyber dá aos adversários uma rota rápida para divulgar informações falsas que podem prejudicar a causa norte-americana.

A mensagem, se você olhar a internet e o que está acontecendo a partir dos países africanos, suas sanções dos EUA contra a Rússia estão causando escassez de alimentos na África“, disse o general. “Portanto, estamos sendo culpados pelas pessoas na África que não conseguem comer”. … Temos que olhar o que está na internet e obter a verdade sobre o que está acontecendo”. E acho que temos que ser capazes de fazer isso como governo um pouco mais rápido do que o que estamos fazendo hoje“.

Versão em português: RFan - DefesaNet - Fotos: US Army

 


VEJA MAIS