COBERTURA ESPECIAL - Tank - Terrestre

23 de Fevereiro, 2022 - 07:00 ( Brasília )

Itália: Colocando o MBT Europa de volta aos trilhos


 Andrea Arivella
Consultora política interna do Comando de Transformação
Aliado da OTAN - OTAN ACT (Norfolk, VA, EUA).
 
Gabrielle Moran
Assistente Executiva da Reitoria do
Centro de Estratégia Marítima (CMS).

A retirada apressada dos Estados Unidos do Afeganistão e o acordo estratégico AUKUS ( Austráliaa - Reino Unido e Estados Unidos), provocaram discussões sobre uma maior autonomia de defesa europeia. A Itália pode ter importante participação.

Esses dois grandes eventos geopolíticos reacenderam os apelos por uma maior independência europeia em defesa e segurança – pelo menos da França e ao menos em teoria. Na prática, isso significa levar a sério o desenvolvimento de capacidades confiáveis. Um ponto de partida deve ser o avanço do projeto de tanques multinacional paralisado da Europa, envolvendo um novo ator-chave: a Itália.

 O próximo tanque pesado fabricado na Europa, o Main Ground Combat System (MGCS), ajudará a definir o futuro da guerra terrestre quando entrar em serviço por volta de 2040. Historicamente, o combate terrestre tem sido dominado por veículos grandes e lentos com vantagens em poder de fogo e proteção de tropas. Mas, à medida que menos tropas são empregadas em favor de mais tecnologia não tripulada e que as batalhas futuras mudam para outros domínios, incluindo cibernético e espacial, espera-se que os carros de combate pesadoss desempenhem um papel menor. Isso levou a uma reconsideração das capacidades de guerra terrestre, com uma preferência crescente por sistemas de combate que combinam capacidades tripuladas e não tripuladas e permitem maior interconectividade entre plataformas. Este debate está moldando como deve ser o próximo carros e combate da Europa.
 
O veículo MGCS foi lançado originalmente como um projeto entre a França e a Alemanha em 2012, pois ambos os países buscavam substituir seus tanques pesados: Leclerc e Leopard 2, por meio de uma joint venture entre a Nexter e a KMW, agora conhecida como KNDS. No entanto, diferentes visões estratégicas dos dois países sobre o futuro da guerra terrestre e a participação da Rheinmetall no programa, desejada por Berlim, parecem ter mudado a situação.
 
Estrategicamente, a França vê o próximo tanque como um veículo menor e mais ágil do que os produzidos tradicionalmente - um que tem o poder de fogo de um tanque tradicional, mas pode se mover mais rápido em vários terrenos na Europa e no exterior, onde a França atua em - operações de área. A Alemanha, por outro lado, está mais próxima do flanco oriental da Europa, onde pode ocorrer um confronto convencional com a Rússia. Favorece algo que se parece mais com os tanques em serviço hoje.

As disputas industriais também aumentaram (como sempre acontece com projetos de defesa multinacionais europeias). Os dois países também discordam sobre o armamento principal. A Alemanha preferiria o canhão Rheinmetall 130 mm/L51, os franceses prefeririam o inovador Autoloaded Ascalon da Nexter.
 
O projeto pode se beneficiar ao envolver outros países europeus. Em maio de 2021, o governo alemão manifestou sua disposição de expandir a iniciativa, desde que pudesse chegar a um acordo com a França. O interesse de outro grande player europeu pode ser exatamente o que é necessário para colocar o projeto de volta nos trilhos.
 
No nível industrial, a Itália pode oferecer recursos tecnológicos para fortalecer o próximo tanque da Europa. A possível entrada da OTO Melara e Wass no projeto, fornecendo sensores e eletrônicos, poderia trazer a expertise italiana diretamente para o projeto, ao mesmo tempo em que daria voz à Itália na fase de desenvolvimento. Embora isso não responda a perguntas sobre o armamento principal do veículo, beneficiaria a Itália e a Europa de duas maneiras.
 
Primeiro, a entrada da Itália no projeto com as unidades Leonardo e Iveco-OTO Melara (conhecida como CIO, uma joint venture entre Leonardo e Iveco Defense Vehicles) se beneficiaria de décadas de experiência no desenvolvimento de veículos terrestres. Em segundo lugar, reforça ainda mais o caráter europeu do projeto, adicionando a Itália como outro contribuinte político e industrial. serviria aos interesses europeus equipando outro país com o veículo e – como todos os projetos multinacionais – distribuiria os custos de desenvolvimento muito significativos, estimados em US$ 1,8 bilhão até 2028.
 
No nível estratégico, a Itália poderia ajudar a moldar o tanque para futuras necessidades de defesa, de acordo com sua própria visão de futuros conflitos potenciais (ou seja, provável de acontecer em grandes áreas urbanas agrupadas, ou “Megacidades”, incluindo no Indo-Pacífico).

Se envolvida, a Itália ajudaria a garantir que os novos tanques sejam desenvolvidos com altos níveis de proteção de tropas, agilidade e interconectividade digital; características que se encaixam tanto na visão da França para o MGCS quanto no crescente foco geopolítico da Europa (e da América) na China e no Indo-Pacífico. Isso poderia servir diretamente aos interesses europeus de uma perspectiva de segurança rígida, equipando o continente com um veículo projetado para as guerras de amanhã e tornando a Europa um ator de defesa mais capaz.

Além disso, dado o recente acordo de cooperação em defesa da França e da Itália e a crescente cooperação política entre a Alemanha e a Itália, faz sentido incluir um terceiro grande parceiro de projeto.


 

  Carro francês Le Clerc disparando


A adição da Itália ao MGCS pode ajudar a levar o projeto à linha de chegada e garantir que o próximo tanque da Europa esteja adequado aos requisitos de segurança atuais e futuros. Industrial e geopoliticamente, as contribuições da Itália para o projeto ajudariam a Europa a desenvolver suas próprias capacidades de guerra terrestre orientadas para o futuro, encontrando um terreno político e industrial comum. Embora uma maior autonomia de defesa europeia seja uma decisão política, o equipamento funcional e de última geração a torna credível.
 
Um país com grande interesse nisso é a Itália, uma potência europeia com uma forte base industrial de defesa, um papel importante na política e segurança europeias e a terceira maior economia da União Europeia (UE). O primeiro-ministro Mario Draghi restaurou o papel da Itália no centro dos assuntos da UE, juntamente com a França e a Alemanha, tornando-se um ator importante no debate sobre a autonomia europeia e as capacidades de defesa.

A Itália também está buscando uma substituição de seu principal tanque de batalha, o Ariete, por volta de 2035, que coincide com a linha do tempo do MGCS.


Matéria Relacionada



 

Exército Americano quer poder de fogo em veículos leves e com mobilidade
O novo programa Mobile Protected Firepower(MPF) do US Army e o Centauro 2


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


US RU OTAN

US RU OTAN

Última atualização 27 MAI, 15:00

MAIS LIDAS

Tank