COBERTURA ESPECIAL - Especial Espaço - Tecnologia

02 de Junho, 2020 - 12:10 ( Brasília )

Por que lançamento inaugural de nave da SpaceX é histórico também para a Nasa


Depois de um balde de água fria na quarta-feira (27/05), quando o lançamento da cápsula Crew Dragon para o espaço precisou ser adiado por conta do mau tempo, no sábado, 30 de maio, a primeira missão tripulada saindo dos Estados Unidos desde 2011 chegou ao espaço.

Trata-se também de uma parceria inédita entre a Nasa, a agência espacial americana, e a empresa SpaceX, do bilionário Elon Musk.

A apenas 16 minutos da decolagem da espaçonave na quarta-feira, controladores de voo interromperam o lançamento por condições atmosféricas desfavoráveis, deixando convidados especiais como o presidente americano, Donald Trump, e sua esposa, Melania, e o vice-presidente, Mike Pence, frustrados no Centro Espacial Kennedy, na Flórida.

A próxima tentativa de lançamento foi marcada para o sábado seguinte, e se o tempo não colaborasse, para domingo. Mas o foguete da empresa de Musk foi lançado com sucesso às 15h22m (horário local) de sábado.

coronavírus — o público foi aconselhado a não se aglomerar perto do complexo Kennedy, e o número de convidados da Nasa para o evento na quarta-feira foi restrito." data-reactid="36" style="text-align: justify;" type="text"> Como grande parte do planeta, o lançamento para o espaço também foi afetado pela pandemia de coronavírus — o público foi aconselhado a não se aglomerar perto do complexo Kennedy, e o número de convidados da Nasa para o evento na quarta-feira foi restrito.

Para a SpaceX, foi a primeira vez que um veículo espacial levou astronautas — dois, Bob Behnken e Doug Hurley — a bordo. Para a Nasa, foi o primeiro passo de uma transição planejada nos últimos anos, delegando a empresas privadas o transporte de seus astronautas para o espaço.

O destino da missão era a Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), onde o Crew Dragon chegaria cerca de 20 horas depois do lançamento da espaçonave, acoplada a um foguete Falcon 9.

EUA na exploração espacial." data-reactid="59" style="text-align: justify;" type="text"> Além de marcar uma mudança para a comercialização do transporte espacial de pessoas — com empresas vendendo "corridas" para governos ou quem desejar comprar o serviço —, o lançamento é visto como importante para recuperar o prestígio dos EUA na exploração espacial.

Desde 2011, a Nasa tem pagado dezenas de milhões de dólares à Rússia por assento para cada um de seus astronautas serem transportados na espaçonave Soyuz, lançada no Cazaquistão. E isso começou com uma tragédia.

Na volta à Terra, morte de sete astronautas em 2003

Em fevereiro de 2003, o ônibus espacial Columbia se desintegrou e explodiu ao entrar de volta na atmosfera da Terra, matando toda a tripulação de sete astronautas.

O desastre levou a uma mudança dramática no programa espacial americano.

Em janeiro de 2004, o então presidente George W. Bush anunciou que seus ônibus espaciais seriam aposentados após a conclusão de missões americanas na Estação Espacial Internacional.

No ano seguinte, o diretor da Nasa Mike Griffin anunciou que, após esta etapa conclusiva na Estação Internacional, a agência abriria oportunidades comerciais para transporte de astronautas e carga para o espaço através do seu projeto Commercial Crew & Cargo Program Office (C3PO).

Com isso, a Nasa poderia concentrar seus investimentos em novas missões para a Lua e Marte.

No entanto, com a chegada de Barack Obama à presidência em 2008, os planos americanos para o espaço foram revistos, com o objetivo de voltar à Lua cancelado, por exemplo. A comercialização do transporte, porém, continuou a ter apoio.

Várias empresas se candidataram a participar do projeto C3PO, mas a Nasa ficou com duas, a SpaceX e a Boeing. Desde 2014, as empresas vêm refinando e testando seus projetos, supervisionados pela Nasa.

Houve obstáculos no caminho: em 2016, um foguete Falcon 9 explodiu na plataforma de lançamento. Em 2019, uma cápsula do Crew Dragon explodiu durante testes. Ninguém morreu nestes dois episódios envolvendo máquinas da SpaceX.

Contratempos e obstáculos atrasaram para maio de 2020 o plano inicial da SpaceX de transportar astronautas para o espaço em 2016.

No ano passado, a SpaceX fez um lançamento bem sucedido da Crew Dragon sem tripulação — mas com um manequim, chamado Ripley. Com procedimentos automáticos, a cápsula se aproximou e atracou com sucesso na estação espacial.

Agora, a SpaceX deve levar adiante outras seis missões "operacionais" até a estação espacial que fazem parte do contrato de US$ 2,6 bilhões (quase R$ 14 bilhões) com a Nasa.

A Boeing também tem um contrato parecido, estimado em US$ 4,2 bilhões (cerca de R$ 22 bilhões) para levar tripulantes à estação espacial usando seu veículo CST-100 Starliner.

A SpaceX e Boeing podem vender seus serviços para outras agências espaciais e empresas.



Os planos de Elon Musk por trás da SpaceX

Nascido na África do Sul, o empresário Elon Musk ganhou mais de US$ 160 milhões (quase R$ 855 milhões, em valores do câmbio atual) na venda do serviço de pagamentos online PayPal para o eBay.

Musk também tem participação em diversas outras empresas, como a fabricante de carros elétricos Tesla.

Em 2002, ele fundou a SpaceX com o objetivo de reduzir custos de transporte aéreo e também para viabilizar a colonização de Marte.

A SpaceX foi a primeira empresa privada a conseguir fazer retornar à Terra componentes de foguetes a fim de serem reutilizados, e não descartados. Ela tem feito transportes regulares de carga para a Estação Espacial Internacional, e agora foi a vez de astronautas.

A Crew Dragon foi projetada para levar até sete pessoas, mas a Nasa pretende levar no máximo quatro astronautas nas missões, e usar o resto do espaço com suprimentos.

Espaçonaves projetadas para transportar astronautas passam por inúmeros testes de segurança, e o lançamento de 30 de maio serviu como uma prova final desse processo de validação.

Uma vez em órbita, Bob Behnken e Doug Hurley vão testar sistemas de controle, telas e propulsores de manobra da Crew Dragon. Chegando à Estação Espacial Internacional, testarão o sistema de acoplamento automático, passando então a fazer parte da tripulação da ISS por alguns meses.

Na volta à Terra, a espaçonave deve pousar de paraquedas no oceano Atlântico, até ser resgatada pelo navio Go Navigator.

Behnken e Hurley são astronautas da Nasa desde 2000 e já foram ao espaço duas vezes em ônibus espaciais. Eles estão entre os astronautas mais experientes da agência espacial — Hurley já passou 28 dias e 11 horas no espaço, e Behnken acumula 29 dias e 12 horas, incluindo 37 horas de caminhada espacial (fora do veículo ou da estação). Ambos são casados com astronautas.

 

 

 


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Dossiê EMBRAER

Dossiê EMBRAER

Última atualização 14 AGO, 15:00

MAIS LIDAS

Especial Espaço