COBERTURA ESPECIAL - Russia Docs - Terrestre

27 de Dezembro, 2021 - 09:30 ( Brasília )

Rússia retira soldados da fronteira com Ucrânia sem especificar próximo passo

Diplomatas e militares russos conversarão sobre segurança com EUA no próximo mês

A Rússia anunciou neste sábado (25) que mais de 10.000 soldados concluíram os exercícios de um mês perto da Ucrânia, em meio a acusações ocidentais de que Moscou estava planejando uma invasão ao seu ex-vizinho soviético.

O ministério da Defesa russo disse em um comunicado que os exercícios para as forças do Distrito Militar do Sul ocorreram em uma série de regiões do sul, incluindo Rostov, Krasnodar e Crimeia, que Moscou tomou da Ucrânia em 2014. Mas os exercícios também ocorreram em lugares mais distantes, incluindo em Stavropol, Astrakhan, nas repúblicas do norte do Cáucaso e até mesmo na Armênia, aliada russa do Cáucaso.

O ministério da Defesa disse que as tropas estão retornando às suas bases permanentes e que as unidades de prontidão serão preparadas para o feriado de Ano Novo.

Possível invasão

Os países ocidentais acusaram a Rússia de reunir mais de 100.000 soldados perto da Ucrânia, antes de uma possível invasão neste inverno europeu.

De acordo com as estimativas de Kiev, o número de soldados russos ao longo das fronteiras da Ucrânia aumentou de cerca de 93.000 soldados em outubro para 104.000 agora. A Rússia diz que está livre para mover suas forças em seu território da maneira que achar conveniente e nega que esteja planejando um ataque em grande escala.

O Kremlin fez amplas exigências de segurança ao Ocidente, dizendo que a Otan não deve admitir novos membros e buscando impedir os Estados Unidos de estabelecer novas bases nas ex-repúblicas soviéticas.



"Postura agressiva"

As tensões chegaram a um ponto de ebulição na quarta-feira (22), quando o presidente Vladimir Putin disse que a Rússia tomaria medidas militares "retaliatórias apropriadas" em resposta ao que ele chamou de "postura agressiva" do Ocidente.

Mas ele baixou o tom no dia seguinte, dizendo que viu uma reação "positiva" dos Estados Unidos às propostas de segurança da Rússia e disse que as negociações aconteceriam em janeiro de 2022.

Em uma entrevista na sexta-feira (24), um oficial de segurança ucraniano disse à AFP que não há risco de uma invasão russa iminente. Kiev tem lutado contra separatistas pró-Rússia desde pouco depois de Moscou anexar a Crimeia em 2014 em um conflito que já custou mais de 13.000 vidas.


Diplomatas e militares russos conversarão sobre segurança com EUA no próximo mês

Diplomatas e oficiais militares russos vão conversar com os Estados Unidos no mês que vem sobre uma lista de garantias de segurança que Moscou quer de Washington, disse o chanceler russo, Sergei Lavrov, nesta segunda-feira. Lavrov fez os comentários durante uma entrevista transmitida ao vivo no site do ministério.

Ele disse que as negociações ocorrerão imediatamente após o feriado de Ano Novo na Rússia. O primeiro dia útil oficial de 2022 no país é 10 de janeiro. A Rússia disse no domingo que recebeu e está considerando uma proposta separada da aliança militar Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) para iniciar conversas sobre as preocupações de segurança de Moscou em 12 de janeiro.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Pandemic War

Pandemic War

Última atualização 18 JAN, 21:40

MAIS LIDAS

Russia Docs