COBERTURA ESPECIAL - Relatório Otálvora - Geopolítica

24 de Maio, 2022 - 11:14 ( Brasília )

Relatório Otálvora: Nos EUA ninguém toma decisão de aliviar Maduro


22 de maio de 2022
EDGAR C. OTÁLVORA
Diario las Américas
@ecotalvora

 

A invasão da Ucrânia, a proibição de importação de petróleo russo, o financiamento de operações humanitárias na Venezuela, o petróleo por alimentos, são os argumentos que o lobby do petróleo está usando atualmente para pavimentar o caminho para o retorno às operações na Venezuela.

"Os EUA não vão importar petróleo da Venezuela." A declaração categórica foi feita em 19 de maio de 22 pela secretária de Energia do governo dos EUA , Jennifer Granholm, durante uma aparição no Comitê de Serviços Armados do Senado.
 
A afirmação é a única expressão oficial do governo dos EUA em meio a uma onda de boatos que correu ao longo da semana sobre um suposto abrandamento das sanções que os EUA mantêm ao regime chavista.

Poucas horas depois, já em 20 de maio de 22, o US Federal Register publicou a resolução assinada pelo secretário de Estado Antony Blinken listando os países que não cooperam na luta contra o terrorismo. O governo Biden manteve as ditaduras de Cuba e Venezuela na lista em que acompanham Irã, Coreia do Norte e Síria.
 

*****

 
Desde o início do governo Joe Biden, seus operadores de política externa e de segurança faziam saber que o esquema de sanções aplicado a vários governos, Cuba e Venezuela entre eles, seria avaliado em busca do que descreveram como eficiência no uso de ferramenta. Até a agora ex-secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, afirmou em 09MAR21 que a política em relação a Cuba não era uma prioridade do recém-iniciado governo Biden.

Após mais de um ano, o Departamento de Estado dos Estados Unidos anunciou formalmente, por meio de um comunicado do porta-voz Ned Prince de 16 de maio de 22, medidas apresentadas como "apoio ao povo cubano". O pacote, pressionado por pressão de parlamentares democratas, significa uma redução nas restrições impostas pelo governo Donald Trump que afetam a mobilidade de pessoas e remessas para a ilha.

As medidas incluem a reativação do programa para que os residentes legais cubanos nos EUA solicitem vistos de imigrantes para seus parentes localizados em Cuba (CFRP), levantamento do limite de remessas, autorização para envio de remessas como doações a "empresários cubanos", facilidades para viagens de cubanos para Cuba com a eliminação das restrições de rotas aéreas, e novamente autorização para viagens americanas à ilha sob a figura de "encontros e investigações", ou seja, turismo normalmente tolerado pelos EUA na forma de viagens coletivas. O governo Biden oferece que essas medidas “não enriquecem os violadores dos direitos humanos”.
 
A emissão das medidas dirigidas a Cuba foi o cenário escolhido para uma estranha manobra relacionada à política dos EUA em relação à ditadura da Venezuela que aponta diretamente para o poderoso lobby do petróleo em Washington.

 

*****


Na manhã de terça-feira, 17MAIO2022, a agência de notícias AP distribuiu um telegrama segundo o qual "dois altos funcionários do governo dos EUA" os informaram na noite anterior que o governo Biden havia tomado "medidas para aliviar algumas sanções econômicas à Venezuela". A notícia foi replicada pela agência Reuters atribuindo-a a "autoridades e fontes americanas próximas ao assunto". As duas agências concordaram que os EUA permitiriam que a petrolífera Chevron fosse autorizada a "entrar em negociações com o governo de Maduro". A Chevron tem licença do governo dos EUA para permanecer administrativamente na Venezuela, mas sem realizar operações. Além do aspecto  petróleo, as agências asseguravam que Washington iria retirar um pariente próximo de Nicolás Maduro de la lista de pessoas qu eestão naas listas de sanções do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos..

A notícia era plausível já que a petroleira Chevron liderou e financiou um intenso lobby em Washington, desde a época do governo Trump, primeiro para permanecer na Venezuela sem ser sancionado e agora para poder reativar suas operações de produção e exportação da Venezuela.

A invasão da Ucrânia, a proibição de importação de petróleo russo, o financiamento de operações humanitárias na Venezuela, o petróleo por alimentos, são os argumentos que o lobby do petróleo está usando atualmente para facilitar o retorno às operações na Venezuela.

A jornalista Marianna Parraga havia informado em 14MAR2022, em um telegrama da Reuters, que a Chevron estava se preparando para solicitar vistos na embaixada de Maduro em Aruba para seus executivos viajarem para Caracas assim que o governo Biden autorizasse negociações diretas com a PDVSA sobre aumentos hipotéticos. produção de petróleo até o fim das sanções à petrolífera venezuelana. A Chevron já estava com pressa há três meses porque a viagem de uma delegação norte-americana a Caracas em 05MAR2022, chefiada pelo colombiano-americano Juan González, teria servido supostamente para iniciar negociações que implicariam limitar as sanções, e reativar a produção petrolifera em troca de um processo para garantir a liberação dos americanos presos na Venezuela e a reativação das negociações entre Maduro e  a oposição agora denominada “Plataforma Unitaria”.
 

*****

 
A divulgação em 17MAIO2022 da suposta redução de sanções contra o regime chavista chamou a atenção porque, como aconteceu com a viagem de González a Caracas em março, agora o que parecia ser uma mudança de Washington para a Venezuela era conhecido por um vazamento de imprensa e não por um declaração oficial como havia acontecido naquele mesmo dia sobre Cuba.

Alguém ou alguns estavam com uma pressa especial para colocar a versão em execução. Segundo várias fontes, o esquema acordado pelo lobby do petróleo com funcionários do governo Biden, em contato com o governo Maduro e com a “oposição”, consistia em um anúncio em Washington para suavizar as sanções em troca do anúncio do reinício. em Caracas das negociações no México. De fato, em 17 e 22MAIO2022, o líder chavista Jorge Rodríguez e o negociador-chefe da oposição Gerardo Blyde publicaram simultaneamente no Twitter uma fotografia tirada juntos durante uma reunião realizada por eles em uma sede diplomática em Caracas. "Em uma reunião de trabalho para planos futuros, no resgate do espírito do México", dizia o texto dos tweets de Rodríguez e Blyde. A "plataforma unitária" anunciou que iniciou negociações formais com nossa contraparte". Jorge Rodríguez twittou que "realizei uma reunião com o Dr. Gerardo Blyde para buscar fórmulas de ação para o futuro". E a irmã de Rodríguez, e vice-presidente do regime Delsy Rodríguez, tuitou que "O Governo Bolivariano da Venezuela verificou e confirmou a notícia (sic) publicada de que os Estados Unidos da América autorizaram as companhias petrolíferas norte-americanas e europeias a negociar e reiniciar as operações na Venezuela”.
 

*****

 
Após uma semana de rumores sobre o abrandamento das sanções contra o regime chavista, nenhuma agência do governo dos EUA emitiu qualquer declaração oficial confirmando as fontes anônimas citadas pela AP e Reuters. Nem a Casa Branca, nem os Departamentos de Estado ou do Tesouro emitiram declarações sobre qualquer mudança na política em relação à Venezuela. Embora uma licença específica do Departamento do Tesouro, solicitada por uma empresa sobre exceções de sanções, não necessariamente tenha que ser publicada para entrar em vigor, mas neste caso é uma questão de política e não uma exigência privada da Chevron .
 
Enquanto isso, com os Estados Unidos em plena campanha eleitoral, atualmente em fase de eleições primárias para governadores e parlamentares e até cargos municipais em todo o país, as notícias sobre o suposto retorno da Chevron à Venezuela explodiram entre parlamentares que fazem política com o tema latino-americano. Senadores de ambos os partidos rapidamente aceitaram, criticaram e denunciaram o abrandamento das sanções petrolíferas ao regime venezuelano.
 

*****

 
Pedro Mario Burelli, empresário e analista político venezuelano com sede em Washington DC, postou em um tweet de 19MAIO2022, que o assistente especial e diretor de Biden para o Hemisfério Ocidental do Conselho de Segurança Nacional Juan Gonzáles e o embaixador dos EUA na Venezuela (com sede em Bogotá) James B. Story de serem os autores da história e o vazamento para a imprensa. Segundo a BBC, o vazamento foi feito "em uma ligação com jornalistas, com um alto funcionário dos EUA que pediu anonimato". O mecanismo de ligações com jornalistas em que um funcionário pede anônimato fala é comum em Washington, mas sempre em um contexto oficial citável. “O Tesouro, com a ajuda do Departamento de Estado, emitu uma licença limitada que autorizva a petrolera Chevron a negociar os possíveiss termos de suas futuras possíveis atividades na Venezuela” teria dito a fonte aanõnima ssegundoa BBC.  
 
De fato, Juan González foi o único porta-voz oficial que respondeu sobre o assunto. Em 17MAIO2022, quando a farsa começou a chegar às redações, González falou de Washington em um evento sobre segurança hemisférica organizado pela Florida International University. O funcionário não mencionou as medidas específicas que seu governo teria tomado e disse que deveriam aguardar um anúncio de Maduro e da “Plataforma Unitária”. Segundo González, as “medidas muito específicas estão sendo realizadas em resposta a um pedido do governo interino e da Plataforma Unitária” e acrescentou que “se houver algum tipo de atraso, de retrocesso [nas eventuais novas negociações Maduro-Oposição ], então voltaremos a aplicar as sanções. González apareceu novamente em 18MAIO2022 entrevistado pela CBS News e participou em 19MAIO2022 em um fórum organizado pela Bloomberg no Panamá. Em ambos os casos, o funcionário da Casa Branca disse que o levantamento das sanções contra Maduro continua condicionado a "passos concretos em questões eleitorais, libertação de prisioneiros, liberdade democrática". Tentando minimizar o teor de óleo da medida tomada, González disse à Bloomberg que "não vejo isso do ponto de vista do setor petrolífero".

Segundo vários observadores residentes em Washington, Juan González parece ser o idealizador/operador da dúbia “estratégia” para a Venezuela baseada em negociações entre uma oposição fraca e um regime que recuperaria sua capacidade financeira petrolífera. Em ambos os casos, o funcionário da Casa Branca disse que o levantamento das sanções contra Maduro continua condicionado a "passos concretos em questões eleitorais, libertação de prisioneiros, liberdade democrática". Tentando minimizar o teor de óleo da medida tomada, González disse à Bloomberg que "não vejo isso do ponto de vista do setor petrolífero".

Segundo vários observadores residentes em Washington, Juan González parece ser o idealizador/operador da dúbia “estratégia” para a Venezuela baseada em negociações entre uma oposição fraca e um regime que recuperaria sua capacidade financeira petrolífera. Em ambos os casos, o funcionário da Casa Branca disse que o levantamento das sanções contra Maduro continua condicionado a "passos concretos em questões eleitorais, libertação de prisioneiros, liberdade democrática". Tentando minimizar o teor de óleo da medida tomada, González disse à Bloomberg que "não vejo isso do ponto de vista do setor petrolífero". Segundo vários observadores residentes em Washington, Juan González parece ser o idealizador/operador da dúbia “estratégia” para a Venezuela baseada em negociações entre uma oposição fraca e um regime que recuperaria sua capacidade financeira petrolífera. Tentando minimizar o teor de óleo da medida tomada, González disse à Bloomberg que "não vejo isso do ponto de vista do setor petrolífero".

Segundo vários observadores residentes em Washington, Juan González parece ser o idealizador/operador da dúbia “estratégia” para a Venezuela baseada em negociações entre uma oposição fraca e um regime que recuperaria sua capacidade financeira petrolífera. Tentando minimizar o teor de óleo da medida tomada, González disse à Bloomberg que "não vejo isso do ponto de vista do setor petrolífero". Segundo vários observadores residentes em Washington, Juan González parece ser o idealizador/operador da dúbia “estratégia” para a Venezuela baseada em negociações entre uma oposição fraca e um regime que recuperaria sua capacidade financeira petrolífera.
 
Em Caracas, as principais forças da oposição tentam reorganizar uma plataforma unitária e, sem capacidade de mobilização de rua, jogam para esperar as eleições presidenciais no distante 2024 com regras que surgirão de um novo ciclo de negociações. As conversações voltariam a acontecer na Cidade do México, provavelmente com diplomatas noruegueses mais uma vez atuando como facilitadores e com o esforço de vários governos, incluindo a Santa Sé, para se juntarem como observadores e eventuais garantidores de hipotéticos acordos. Por sua vez, o regime espera que o lobby do petróleo extraia concessões da Casa Branca e não pretende negociar mudanças significativas no sistema eleitoral ou cumprir promessas de democratização.
 

*****

 
Conforme adiantou o Relatório Otálvora de 07MAIO2022, a esquerda continental está organizando uma contra-cúpula ou “cúpula dos povos” que aconteceria em Los Angeles, paralelamente à Cúpula das Américas. Tentando copiar o esquema usado durante as cúpulas do Panamá e Lima, a ditadura cubana tenta mobilizar grupos de choque para enfrentar possíveis membros da sociedade civil que participam dos eventos oficiais da Cúpula. Para isso, teria pedido aos Estados Unidos a emissão de várias dezenas de vistos para os cubanos que participariam da "Cúpula dos Povos", incluindo alguns cientistas e atletas. O governo Biden negou os vistos solicitados por Cuba para seus agentes, segundo o jornal Juventud Rebelde de 18MMAIO2022. A ditadura cubana se queixa porque “se le ha negado una voz en las discusiones vitales sobre la democracia”.
 

*****

 
Cabe ao governo Biden, como anfitrião, estender os convites para participar da Cúpula das Américas, marcada para 06-10JUN2022, em Los Angeles. Com um atraso incomum para esse tipo de evento que envolve a presença de chefes de Estado, Washington teria começado a enviar os convites na quarta-feira 18MAIO2022. A demora no envio dos convites parece ser um sinal do grau de desorganização do evento devido à falta de atenção política do governo Biden para a América Latina. As ditaduras de Cuba, Nicarágua e Venezuela não aparecem na lista de convidados, o que gerou uma nova reação da esquerda continental tentando sabotar o evento.

A Casa Branca decidiu enviar emissário especiais à América Latina para promover a Cúpula enquanto ao Departamento de  Estado continua focado em questões europeias e asiáticas com pouco tempo para a região. A primeira-dama Jill Biden iniciou em 18-22MAIO2022, uma viagem que a levaria a Quito, Cidade do Panamá e San José, Costa Rica.

O ex-senador Christopher Dodd, principal conselheiro da Casa Branca para a Cúpula, teve que cancelar uma viagem ao México que foi substituída por uma conversa no Zoom, em 19MAIO2022, para tentar convencer Manuel López Obrador a participar pessoalmente da Cúpula. AMLO se recusa a viajar com a desculpa de não terem convidado seus amigos Díaz-Canel (Cuba), Ortega(Nicarágua) e Maduro (Venezuela).

 

*****


Após ficar viúvo pela segunda vez em 2017, Lula da Silva casou-se com a socióloga e ativista petista Rosângela Silva, conhecida como Janja Lula. O relacionamento do casal foi tornado público em 2018, quando Lula cumpria parcialmente uma pena de prisão por corrupção em uma sede da Polícia Federal em Curitiba. O casamento aconteceu no dia 18MAIO2022, em um salão de festas em São Paulo e os duzentos convidados receberam o endereço do local poucas horas antes por meio de um QR code.

A noiva exibiu seu vestido em fotos feitas por Ricardo Stuckert, fotógrafo exclusivo de Lula da Silva. Os grafismos mostram Janja com um vestido assinado pela estilista Helô Rocha cujo preço é estimado em US$ 40 mil. A peça foi um presente, supostamente da própria estilista, para o novo casal.

Lula da Silva, líder da esquerda continental, que aspira novamente à Presidência do Brasil, inicia seu novo casamento com o ritual que já usava com sua ex-companheira, a falecida Marisa Letícia, recebendo presentes de empresas privadas para financiar sua forma de vida.

 

*****


O comandante da Força Aérea Brasileira, Brigadeiro Carlos de Almeida Baptista Júnior, propôs a Elon Musk uma aliança para o desenvolvimento aeroespacial utilizando o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), localizada no estado do Maranhão. A conversa aconteceu no dia 20 de maio, em Porto Feliz, São Paulo, durante visita de Musk para negociar com o governo de Jair Bolsonaro a aplicação dos satélites SpaceX para monitoramento da Amazônia Brasileira.