COBERTURA ESPECIAL - Riots - Segurança

30 de Maio, 2020 - 19:00 ( Brasília )

Gordo Mortero, militante PSTU (Argentina) preso no Uruguai fronteira com o Brasil

Rodrigo Romero (Gordo Mortero) foi capturado esta manhã no Uruguai próximo a Fronteira com o Brasil, conforme fontes oficiais da Argentina.



Gordo Mortero Sebastián Rodrigo Romero, um militante do PSTU Argentina (Partido Socialista de los Trabajadores Unificado), tornou-se uma espécie de ícone quando atirou com um morteiro contra a Polícia de Buenos Aires em frente ao Congresso Nacional, em meio a protestos contra a reforma provisória promovida pelo governo Mauricio Macri, em 2017 .

Fotografado disparando um morteiro contra o Senado, a imagem de Romero se tornou famosa e gerou memes nas mídias sociais. "Gordo Mortero" era seu apelido. Ele rapidamente se tornou um fugitivo,  mais reconhecível e procurado no país, com um pedido de captura nacional e internacional contra ele.

Assim, Romero passou mais de dois anos fugindo, com uma recompensa de um milhão de pesos por sua cabeça oferecida em 2018 pelo Ministério da Segurança Nacional e uma circular com timbre vermelho da Interpol.

Romero, natural de Rosário, hoje com 35 anos, ex-delegado da General Motors em Santa Fe, que era pré-candidato a deputado nacional pelo PSTU , foi certamente um enigma durante esses dois anos. O Ministério da Segurança divulgou imagens geradas por computador mostrando como seria, hipoteticamente, sem suas tranças de dreadlocks. Os pedidos de aniostia de prisão apresentados por sua defesa foram rejeitados em duas ocasiões, com a recusa do Tribunal de Cassação presidida pelo juiz Gustavo Hornos em março de 2018.

Na manhã de sábado (30MAIO2020), segundo fontes oficiais, Romero foi capturado em uma fazenda campo na área da cidade de Chuy no Uruguai, no Departamento de Rocha (fronteira com o Brasil), após uma investigação da área de Interpol da Polícia do Uruguai em colaboração com seus colegas argentinos da Polícia Federal, após meses de rastreamento na área, após uma pesquisa inicial no Brasil. Romero, segundo fontes, se entregou sem resistir. Acredita-se que ele tenha recebido apoio de estruturas locais.

Wanted: la oferta de recompensa, un millón de pesos por entregar a Romero.
 

Procura-se: a oferta de recompensa, um milhão de pesos por dar a Romero.

O processo, baseado no Tribunal Federal nº 12, foi investigado pela promotora Alejandra Mangano sob o status de intimidação pública - acusação que nos últimos meses foi usada para processar aqueles que criam e divulgam notícias falsas em tempos de pandemia - e resistência à autoridade. Não há registros de que Romero tenha atravessado a fronteira legalmente, de acordo com dados da Migração.

Em novembro de 2019, quase dois anos após sua fuga, Romero enviou uma mensagem de seu esconderijo. Ele se definiu como "político perseguido pelo governo Macri" e convocou uma grande greve geral para "derrubar" o governo Sebastián Piñera no Chile.


Los posibles cambios en su aspecto físico

Artes de Romero: como seria sem as tranças de dreadlocks.

 

"Saúdo a luta heróica de nossos irmãos chilenos. É muito importante que o movimento trabalhista seja colocado em cena através de uma grande greve nacional. Para que, através das assembléias, eles escolham um comitê de luta para realizar nossas reivindicações. Eles têm que fazer o mesmo em bairros e locais de estudo. Para que de uma vez por todas o povo chileno decida o que fazer com o país ", ele diz em um vídeo enviado para as redes sociais do PSTU.

Os prazos para sua extradição ainda são desconhecidos. As autoridades locais aguardam fotos da captura e um relatório completo. Sua aparência atual, dadas as tranças facilmente reconhecíveis, é outro mistério.


Matéria colocada no Facebook do PSTU (Argentina), final de 2019, por ocasião dos distúrbios no Chile.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Nuclear

Nuclear

Última atualização 04 AGO, 20:41

MAIS LIDAS

Riots