COBERTURA ESPECIAL - Pandemic War - Defesa

03 de Março, 2021 - 09:09 ( Brasília )

Comitiva de imprensa acompanha vacinação em aldeias indígenas no Amazonas


Capitão-Tenente (T) Fabrício Costa

O dia começou cedo para a comitiva de imprensa que, a convite do Ministério da Defesa, embarcou rumo às aldeias indígenas do Alto Rio Negro, no município de São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas. Às 5h15 desta terça -feira (02), todos estavam a postos na Ala 1 (Base Aérea de Brasília) para o início da jornada.

Logo que chegaram, os jornalistas passaram por inspeção de saúde. Mesmo tendo apresentado o resultado do exame PCR com antecedência, eles realizaram teste sorológico momentos antes do embarque, a fim de detectar o IGG e o IGM. Tudo para garantir que a viagem transcorra com a maior segurança possível e não exista a possibilidade de transmissão do novo coronavírus para os indígenas do Alto Rio Negro.

Em seguida, os profissionais de imprensa acompanharam a apresentação do Vice-Almirante (FN) Carlos Chagas, Chefe do Centro de Comunicação Social da Defesa (CCOMSOD), sobre a atuação das Forças Armadas no combate à Covid-19.

“Na verdade, nós começamos a trabalhar nisso quando trouxemos os brasileiros de Wuhan, na China, para Anapólis, em Goiás. Todos chegaram bem e ninguém foi contaminado. Hoje, estamos apresentando um balanço de 330 dias de Operação Covid-19. No dia 20 de março, completamos um ano de missão”, destacou o porta-voz do Ministério da Defesa, lembrando que foram criados 10 Comandos Conjuntos espalhados por todo o Brasil e empregados 34 mil militares, efetivo maior do que o da Força Expedicionária Brasília (FEB) na Segunda Guerra Mundial, com 25.800 homens.

Na sequência, foi a vez de o General de Brigada Marco Antônio Martin, Assessor Especial do Secretário de Pessoal, Ensino, Saúde e Desportos do MD, explicar sobre o apoio logístico da Defesa ao Ministério da Saúde, por meio da Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI).

“A responsabilidade da vacinação dos indígenas é da SESAI. Nós apoiamos a aplicação de vacinas nessas áreas porque são locais de difícil acesso. A SESAI sozinha não conseguiria aplicar as duas doses da vacina em um espaço de 15 a 20 dias. Então, foi necessário o apoio das Forças Armadas no transporte das vacinas”, afirmou o General.

O voo decolou às 8h30 da Ala 1. Antes de chegar ao Pelotão Especial de Fronteira (PEF) de Yauaretê, o avião C-97 (Brasília) da Força Aérea Brasileira (FAB) fez pousos técnicos para abastecimentos na Serra do Cachimbo, no Pará, em Manaus e em São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas. No total, a previsão é de 22 horas de voo, somando ida e volta, de Brasília a Yauaretê e vice-versa.

A segunda dose da vacinação nas aldeias indígenas do Alto Rio Negro, no Amazonas, será acompanhada por 12 profissionais de imprensa, representantes das TVs Globo, Bandeirantes e TBS (do Japão), do jornal Correio Braziliense, da revista Veja e das agências Reuters (Inglaterra), Zuma Press (Estados Unidos), Xinhua (China) e Jiji Press (Japão).

 

Comando Conjunto Norte apoia distribuição de vacinas para aldeia indígena Yuyrareta, no Amapá



O Comando Conjunto Norte assegurou a logística de distribuição e aplicação de 120 doses de vacina contra a Covid-19 para indígenas da aldeia Yuyrareta, no centro-oeste do Amapá. Profissionais do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) do estado também foram transportados pelos militares até o local.

A ação ocorreu na segunda-feira (01), em apoio ao DSEI. Para a missão na localidade, que pertence à terra indígena Waiãpi, foi utilizado helicóptero da Marinha e veículos da 22ª Brigada de Infantaria de Selva, do Exército. Nos próximos dias, os indígenas das aldeias de Auyraretá e Mukuru também serão vacinados.

Fotos: Tenente-Coronel André Oliveira

VEJA MAIS