COBERTURA ESPECIAL - Pandemic War - Aviação

29 de Julho, 2020 - 16:00 ( Brasília )

Operadores de helicóptero fornecem serviços vitais para combater a pandemia de COVID-19

Transportando esperança na América Latina

Como resultado da atual crise de saúde, muitos operadores de helicóptero na América Latina se viram na vanguarda da luta contra a pandemia e estão desempenhando um papel essencial no apoio aos esforços de seus países no combate ao vírus.

Muitos operadores estão fornecendo transporte médico de emergência para pacientes em estado grave, enquanto alguns estão apoiando autoridades com o transporte de profissionais de saúde e kits de teste.

Outros também foram fundamentais na distribuição de alimentos e medicamentos para as comunidades mais vulneráveis ??e isoladas. O que todos eles têm em comum é seu compromisso inabalável de apoiar seus concidadãos durante um período difícil e desafiador.

A rotina diária da Coordenação de Operações Aéreas do COA no Rio de Janeiro foi bastante afetada pela crise.

Antes do surto, as operações do COA envolviam o transporte do governador e de seus associados próximos. Com a chegada da pandemia, a equipe agora está apoiando o Corpo de Bombeiros Militares do Estado para realizar o transporte inter-hospitalar de pacientes com COVID-19 em seu helicóptero H135.

Para isolar um paciente dentro da cabine do H135, o COA usa uma maca com uma capa protetora que protege eficientemente a tripulação e o equipamento médico. O dispositivo também contribui para reduzir o tempo de desinfecção da aeronave entre as missões.

A cerca de 1.200 km ao sul do Rio de Janeiro, no Paraná, o Batalhão de Operações Aéreas da Polícia Militar do Estado (BPMOA) também adotou novos protocolos para proteger as tripulações de sua frota H130, que localmente são chamados de Falcões.

Normalmente, o BPMOA realiza uma ampla variedade de missões, como evacuação médica, busca e salvamento, missões policiais e combate a incêndios. No entanto, nos últimos meses, toda a sua frota de helicópteros foi designada para apoiar a Secretaria de Estado da Saúde com o transporte do teste de rastreamento da COVID-19 e vacinas contra H1N1 para os 399 municípios do estado, que abrange 199.299 km².

Cobrir um território tão vasto com a urgência da crise tem sido um desafio para a tripulação, que também teve que adaptar rapidamente a cabine da aeronave para lidar com novas missões. Ao remover todos os assentos, uma cabine espaçosa é revelada, permitindo a transformação do helicóptero normalmente usado para transporte de passageiros em um helicóptero de carga.



No Chile, a Aviação Naval participa dos esforços do país para combater a COVID-19 com suas frotas Super Puma AS332L, Dauphin AS365 e BO105.

Após a crise da saúde, eles expandiram suas operações, dedicadas principalmente a missões de busca e resgate e evacuação médica, para incluir também voos de patrulha e transporte de pessoal e equipamentos médicos. No início de abril, a equipe de helicópteros do AS365 transportou dois profissionais de saúde da região sul de Magalhães para Puerto Edén, uma das aldeias mais isoladas do Chile, na ilha de Wellington, perto da Antártida, para examinar a população e isolar possíveis casos.

Em julho, o BO105 da Marinha voou para a cidade de Puerto Williams, na região antártica do Chile, para oferecer à população local exames médicos e instruções para se proteger da COVID-19. Como em muitos outros países, as autoridades de saúde chilenas se esforçam para evitar a super saturação de hospitais em áreas metropolitanas de alta densidade, como Santiago.

Consequentemente, a Prefeitura da Força Aérea de Carabineros, a polícia chilena, vem realizando ativamente transferências entre hospitais com seus helicópteros EC135.

Uma dessas missões ocorreu em maio, quando os Carabineros foram chamados para transferir um paciente do hospital Luis Tisné, na capital Santiago, para um hospital na cidade de Talca, na região de Maule.

O que seria uma excursão terrestre de três horas se transformou em um voo de uma hora. Para executar essas operações delicadas, a Carabineros treinou suas equipes de helicóptero no manuseio de dispositivos de isolamento de pacientes (PID), que são uma maneira eficaz de conter o ambiente do paciente e, assim, reduzir o risco de contaminação.

Protocolos muito rigorosos também foram implementados para preservar a saúde da tripulação e dos passageiros, como equipamento de proteção individual completo (EPI) e descontaminação aprimorada da cabine.

A crise da saúde também afetou seriamente os negócios de muitos operadores de helicópteros comerciais. Alguns deles, como Ecocopter Equador e Rent a 'Kopter no Panamá, se adaptaram à situação e reorientaram sua atividade no apoio a projetos de solidariedade em seus respectivos países.

A Ecocopter Equador colaborou com a Fundação Cecilia Rivadeneira, com sede em Quito, para transportar alimentos, termômetros, máscaras e outros equipamentos de proteção individual para comunidades vulneráveis ??na cidade andina de Ambato e outras cidades no norte do país.

Sediada na Cidade do Panamá, a principal operação da Rent a 'Kopter é o transporte de passageiros em negócios ou lazer, mas as medidas restritivas adotadas pelas autoridades para impedir a propagação do vírus desaceleraram suas atividades.

À luz das condições atuais, a empresa disponibilizou seus helicópteros H125 e H130 ao governo do Panamá e participou ativamente do "Plano de Solidariedade do Panamá", em apoio às comunidades mais desfavorecidas do país, fornecendo suprimentos essenciais e voando mais de 80 horas para cidades distantes.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Fronteiras

Fronteiras

Última atualização 14 AGO, 13:30

MAIS LIDAS

Pandemic War