COBERTURA ESPECIAL - Pandemic War - Aviação

03 de Julho, 2020 - 10:10 ( Brasília )

FAB transporta profissionais de saúde para comunidades indígenas


Tenente Raquel Alves E Major Monteiro


A Força Aérea Brasileira (FAB) mantém o apoio no Transporte Aéreo Logístico de materiais e de profissionais de saúde para comunidades indígenas do estado de Roraima.

Uma aeronave C-105 Amazonas pertencente ao Primeiro Esquadrão do Nono Grupo de Aviação (1º/9º GAV) - Esquadrão Arara, iniciou o transporte de materiais de saúde na segunda-feira, 29 de junho, de Manaus (AM) para Boa Vista (RR), levando Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e medicamentos que foram usados nos atendimentos das comunidades indígenas.

Na terça-feira, 30 de junho, o FAB 2809 decolou de Boa Vista para a comunidade de Auaris, no município de Amajari, localizada no extremo norte do Brasil, próximo à fronteira com a Venezuela. Na quarta-feira, (1°), o destino da aeronave foi a aldeia de Surucucu, no município de Alto Alegre. Profissionais de imprensa, nacional e estrangeira, também acompanharam esta ação interministerial de apoio aos indígenas. A missão faz parte da Operação COVID-19, deflagrada pelo Ministério da Defesa em coordenação com o Ministério da Saúde.

A Tenente Médica Fernanda Ribeiro, do efetivo do Hospital de Força Aérea de São Paulo (HFASP), é uma das profissionais de saúde que realizou atendimento aos indígenas. “É muito importante ajudar quem necessita e principalmente aqueles que não têm acesso aos atendimentos especializados. A troca de experiências entre os profissionais de saúde das Forças Armadas está sendo um grande aprendizado”, relatou.

Operação COVID-19

Proteger os cidadãos é uma das funções precípuas das Forças Armadas. Nesse intuito, o Ministério da Defesa, a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira enfrentam, juntos, a pandemia de COVID-19 no país.

A Operação ocorre em um espaço territorial de grandes proporções, nas 27 Unidades Federativas, com características e necessidades diferentes e com uma população de cerca de 210 milhões de pessoas.

As ações envolvem descontaminação de espaços públicos, doações de sangue, transporte de medicamentos e equipamentos de saúde, distribuição de kits de alimentos para pessoas de baixa renda, doação de refeições para caminhoneiros, dentre outras.

Na execução dessas atividades, os militares atuam organizados em dez Comandos Conjuntos que cobrem todo o território nacional, bem como no Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE). Esses Comandos reúnem militares das três Forças (Marinha, Exército e Aeronáutica), que desenvolvem esforços no cumprimento das missões.


Militares distribuem máscaras para índios isolados da Amazônia¹

Soldados distribuíram máscaras a índios ianomâmis descalços, entre eles guerreiros com pinturas, lanças, arcos e flechas, na quarta-feira, o segundo dia de uma operação das Forças Armadas para proteger povos isolados da Covid-19.

Os ianomâmis são o último grande povo isolado da Amazônia, onde dezenas de comunidades indígenas foram infectadas pela doença mais recente a chegar do mundo exterior para ameaçar sua existência.

“Está tudo sob controle. Nós não tivemos nenhuma detecção de casos aqui”, disse o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, um general aposentado do Exército, aos repórteres no posto de Surucucu, na fronteira com a Venezuela.

Azevedo disse que a morte de dois ianomâmis supostamente baleados por garimpeiros de ouro na vasta reserva foi um caso isolado que está sendo investigado pela Polícia Federal.

Uma corrida ao ouro que levou cerca de 20 mil garimpeiros a invadirem a maior reserva do Brasil contaminou rios e destruiu florestas, e os ianomâmis disseram que os garimpeiros também trouxeram o novo coronavírus.

Líderes indígenas apelaram ao Suprema Tribunal Federal (STF) na quarta-feira para que a corte ordene que o governo federal proteja povos isolados barrando forasteiros nas terras das reservas e expulsando caçadores ilegais, madeireiros e garimpeiros que supostamente trazem doenças fatais.

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) pediu que os invasores sejam retirados —com o envio de forças militares, se necessário— das reservas dos povos ianomâmis, karipuna, uru-eu-uau-uau, caiapó, arariboia e mundurucu.

A Apib disse que 405 indígenas morreram de Covid-19 até o dia 27 de junho, e que 112 povos diferentes têm 9.983 infectados.

Em Surucucu, famílias ianomâmis ficaram assustadas inicialmente com a chegada de pessoal médico, suprimentos de equipamentos de proteção e remédios em helicópteros militares barulhentos.

Os homens se atrapalharam com as máscaras ao cobrir os rostos pintados com tinta vermelha extraída de cascas de árvores.

“A Saúde Indígena faz bem para a gente, ajuda a gente. Viemos aqui para pedir ajuda, para ver se estamos bem. Caminhamos quatro horas para chegar aqui”, disse um ancião ianomâmi através de uma grande máscara branca por meio de um intérprete.

Enfermeiras mediram temperaturas e fizeram exames rápidos de Covid-19.

“Quando a gente chega, eles ficam meio receosos, nos observam de longe e aí vamos ganhando a confiança e com isso todos vão se aproximando e acaba tudo ocorrendo bem”, disse Fernanda Ribeiro, tenente e médica da Força Aérea Brasileira. “Eles acabam gostando. Tem sido muito gratificante!”.



¹com agência Reuters

 


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Fronteiras

Fronteiras

Última atualização 14 AGO, 13:30

MAIS LIDAS

Pandemic War