COBERTURA ESPECIAL - Pandemic War - Tecnologia

15 de Abril, 2020 - 01:40 ( Brasília )

ABIQUIM - Covid-19 levará à revisão estratégica da produção

Indústria brasileira poderá voltar a produzir no país insumos essenciais que deixaram de ter fabricação


Stella Fontes
Valor
13 Abril 2020

 

Um dos setores mais expostos ao avanço de produtos importados na última década, a indústria química brasileira poderá voltar a produzir localmente, como consequência da pandemia de covid-19, insumos essenciais que deixaram de ter fabricação. Agroquímicos e matérias-primas farmacêuticas, cujo abastecimento depende quase que integralmente de fornecedores internacionais, estão na lista que já começou a ser discutida entre governo e iniciativa privada. “O Brasil vai sair maior do que entrou nessa crise e fará uma revisão estratégica como país”, diz o presidente-executivo da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), Ciro Marino.

Segundo o executivo, a discussão sobre o tema partiu do próprio governo, via Ministério da Defesa, com o propósito de identificar insumos e produtos estratégicos cuja produção foi transferida para outros países, dentro de uma conversa sobre biossegurança.

Já há alguns anos, por exemplo, o Brasil deixou de produzir boa parte dos insumos farmacêuticos ativos (IFAs) usados na fabricação local de remédios, para comprar da China e da Índia, que desenvolveram uma forte indústria nacional. Também em fertilizantes, quase que a totalidade das matérias-primas é importada, sobretudo do país asiático - a própria Petrobras desligou fábricas de fertilizantes porque o produto nacional não é competitivo.

Para a Abiquim, há uma família de produtos químicos estratégicos que deve ser abarcada por uma política de produção competitiva no Brasil. Em paralelo a essa discussão, avalia a entidade, o governo poderia acelerar as reformas estruturantes e a abertura do mercado de gás, viabilizando a reindustrialização no setor e a retomada dos grandes investimentos.

Neste momento, conforme Marino, os ministérios da Defesa e da Economia estão se reunindo com entidades setoriais, entre as quais a Abiquim, para discutir o desenvolvimento de insumos alternativos a matérias-primas que são escassas neste momento. É o caso do carbômero utilizado como espessante no álcool em gel e está em falta no mercado, devido à explosão da demanda com a covid-19. Duas multinacionais, Dow e Basf, já desenvolveram soluções alternativas. Sanitizantes alternativos ao álcool em gel também estão no alvo.

Esse debate, porém, não se restringe apenas à crise sanitária. Há preocupação, também no governo, quanto à dependência externa em setores tidos como essenciais. “Não estamos olhando só para o momento, mas também para a retomada”, contou o presidente da Abiquim, acrescentando que a indústria química já desenhou um protocolo de retomada das atividades, passado o pico da pandemia no país. O assunto também tem sido debatido nos fóruns com os ministérios da Defesa e da Economia.

Presente de alguma maneira em praticamente toda a cadeia produtiva, a indústria química terá vencedores e perdedores com a covid-19 acompanhando os setores atendidos. Na ponta dos que sentem a demanda aquecida estão as fabricantes de intermediários e insumos para produto de higiene, limpeza, embalagem, área médica e hospitalar, alimento e fertilizante.

Do outro lado, fornecedores da indústria automotiva e construção civil, mais afetadas pelas medidas de contenção da pandemia, já sentem a pressão. “Como a atuação da indústria é muito ampla, o cenário é bastante variado”, disse Marino. Assim, da mesma forma em que há fábricas com menos capacidade ociosa do que antes da crise, há unidades que suspenderam a produção temporariamente.

Na média, a taxa de ociosidade do setor estava em 30% antes da crise. Ainda não há dado oficial, mas é possível que esse índice chegue a até 50% em 60 dias, interrompendo drasticamente a trajetória de recuperação que vinha se desenhando até fevereiro.

Segundo a Abiquim, no primeiro bimestre, a produção de químicos de uso industrial cresceu 0,7% e as vendas internas subiram 1,47%, enquanto as importações avançaram 3,1% em volume. As exportações, por sua vez, caíram 15,4% e a demanda, medida pelo consumo aparente nacional (CAN) caiu 2,1% nos dois primeiros meses do ano. Em nota, a diretora de Economia e Estatística da entidade, Fátima Giovanna Coviello Ferreira, lembra que as expectativas iniciais da indústria eram positivas. “Até meados de fevereiro, as expectativas eram as de que em 2020 os resultados seriam melhores do que foram nos dois anos anteriores, mas a eclosão e disseminação da covid-19 gerou uma mudança radical do cenário”, afirma.

 <!--[endif]-->-->

VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Pensando o Estado Nacional Brasileiro

Pensando o Estado Nacional Brasileiro

Última atualização 22 SET, 19:00

MAIS LIDAS

Pandemic War