COBERTURA ESPECIAL - Pandemic War - Tecnologia

14 de Abril, 2020 - 01:00 ( Brasília )

Velocidade da internet cai no Brasil

Jornal Valor produz uma reportagem de cunho autista. Trata a estrutura da web brasileira no atual momento como estivesse funcionando em um ambiente em condições

 Rodrigo Carro
Valor
13 Abril 2020

Um estudo do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br) indica que a quarentena teve impacto inicial negativo sobre a velocidade de acesso à internet no país. Não chegou a comprometer, de maneira geral, a qualidade das redes de dados. Mas o número de reclamações registradas na Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) cresceu 32% na segunda quinzena de março.

O relatório se baseia em 970.676 medições feitas no período de 31 de janeiro a 5 de abril. O NIC.br é responsável por implementar as decisões e os projetos do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br).

O estudo detectou redução temporária na velocidade de download (quando o usuário “baixa” um arquivo da internet) a partir de 18 de março, quando começaram a ser implementadas medidas de isolamento social em Estados e municípios. A análise leva em consideração a mediana - o valor do meio de um conjunto de dados - das velocidades de conexão medidas pelo Simet. Esta ferramenta desenvolvida pelo NIC.br permite ao usuário medir a velocidade de sua conexão com a internet em computadores e celulares. E, também, em roteadores domésticos.

A velocidade da conexão no país para fazer downloads começou a cair a partir do dia 18 de março, com queda acentuada na semana do dia 23, “chegando a quase 10 Mbps [megabits por segundo] de diferença”, diz o relatório. Assim, ficou mais lento o envio e recebimento de dados cada vez que o usuário clicava num link ou fazia login numa página na internet, por exemplo.

Nos gráficos que ilustram o relatório é possível constatar que entre os dias 14 e 19 de março a medianada velocidade de download chegou a um pico de 23 Mbps. Já entre os dias 19 e 23 do mesmo mês a velocidade cai em determinado momento a um patamar pouco abaixo de 13 Mbps.

As variações em termos qualitativos não chegaram a perdurar. “É interessante notar um alívio dessa piora após o dia 25MAR2020, quando os principais serviços de streaming diminuíram a qualidade dos vídeos de maneira preventiva”, afirma o relatório. “Não percebemos uma degradação sistêmica em relação ao período observado, apesar das flutuações registradas”, disse Paulo Kuester, analista de projetos do NIC.br e um dos autores do relatório.

Duas outras métricas apontam para uma demanda maior no período: um incremento de 4 milissegundos na latência (tempo que a internet leva para responder ao comando do usuário) e um aumento de aproximadamente 0,6% na perda de pacotes de dados.

Cinco variáveis foram consideradas na mensuração: velocidades de download e upload, latência, perda de pacotes de dados e jitter (variação no tempo de chegada dos pacotes de dados, causada geralmente por congestionamento na rede).

A percepção do consumidor não é necessariamente a mesma. Dados preliminares indicam que cresceu na segunda quinzena de março o número de reclamações registradas na Anatel a respeito do serviço de banda larga fixa, na comparação com os primeiros 15 dias do mesmo mês. Nos demais serviços (TV por assinatura e telefonia fixa e móvel), não foram registrados aumentos.

Em março, até dia 15, foram registradas 27,7 mil reclamações sobre a banda larga fixa. Já no período de 16 a 30 foram contabilizadas 36,5 mil reclamações, o que significa uma expansão de 32%.

Em especial, aumentaram as reclamações sobre “Qualidade, Funcionamento e Reparo”, que passaram de 8,7 mil para 15,7 entre as quinzenas do mês – aumento de 81%. Na comparação do mês de março fechado de 2020 com 2019, a alta é de 11,62%

A base de dados do site Reclame Aqui também aponta para um aumento das queixas sobre banda larga nas últimas semanas. Entre 16 de março e 6 de abril, o site contabilizou 9.743 reclamações. O número representa um incremento de 31,6% ante o mesmo período do ano passado.

“A tendência é de um aumento nas reclamações porque a banda larga é um serviço sensível. Antes [da quarentena] a pessoa passava o dia inteiro fora de casa, no trabalho. Só voltava à noite. Agora, fica em casa”, disse Guilherme Farid, chefe de gabinete do Procon-SP.

 A Anatel determina que a taxa de transmissão média mensal para a banda larga não pode ser inferior a 80% da velocidade contratada. Já a velocidade instantânea deve ser no mínimo de 40%.

<!--[if gte mso 9]><xml> </xml><![endif]--><!--[if gte mso 9]><xml> Normal 0 21 false false false PT-BR X-NONE X-NONE </xml><![endif]--><!--[if gte mso 9]><xml> </xml><![endif]--><!--[if gte mso 10]> <style> /* Style Definitions */ table.MsoNormalTable {mso-style-name:"Tabela normal"; mso-tstyle-rowband-size:0; mso-tstyle-colband-size:0; mso-style-noshow:yes; mso-style-priority:99; mso-style-parent:""; mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt; mso-para-margin-top:0cm; mso-para-margin-right:0cm; mso-para-margin-bottom:8.0pt; mso-para-margin-left:0cm; line-height:107%; mso-pagination:widow-orphan; font-size:11.0pt; font-family:"Calibri","sans-serif"; mso-ascii-font-family:Calibri; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-hansi-font-family:Calibri; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-fareast-language:EN-US;} </style>

VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


PF-PRF

PF-PRF

Última atualização 26 SET, 20:40

MAIS LIDAS

Pandemic War