COBERTURA ESPECIAL - Pos Pandemic WAR - Aviação

27 de Abril, 2020 - 01:00 ( Brasília )

Airbus alerta funcionários sobre empregos com sua 'sobrevivência em jogo'



Tim Hepher

 
PARIS (Reuters) - A fabricante de aviões europeia Airbus  emitiu uma avaliação sombria do impacto da crise do coronavírus, pedindo aos 135.000 funcionários da empresa que se preparem para cortes de empregos potencialmente mais profundos e alertando que sua sobrevivência estará em risco sem ação imediata.

Em uma carta aos funcionários, o presidente-executivo, Guillaume Faury, disse que a Airbus estava "gastando dinheiro a uma velocidade sem precedentes" e que uma queda recente de um terço ou mais nas taxas de produção não refletia o pior cenário e seria mantida sob revisão.

A Airbus disse que não comentaria as comunicações internas.

A carta foi enviada aos funcionários no final da sexta-feira, dias antes de a empresa apresentar os resultados do primeiro trimestre ofuscados por uma pandemia que deixou as companhias aéreas lutando para sobreviver e praticamente interrompeu as entregas de jatos desde meados de março.

A Airbus começou a implementar esquemas de licença assistida pelo governo, começando com 3.000 trabalhadores na França, "mas agora podemos precisar planejar medidas mais abrangentes", disse Faury.

"A sobrevivência da Airbus está em questão se não agirmos agora", acrescentou.

Fontes do setor disseram que um novo plano de reestruturação semelhante ao Power8 de 2007, que prevê 10.000 cortes de empregos, poderá ser lançado no verão, mas Faury indicou que a empresa já estava explorando "todas as opções" enquanto esperava clareza sob demanda.

Pessoas familiarizadas com o assunto dizem que a Airbus também está em discussões ativas com os governos europeus sobre esquemas de apio para ajudar indústrias em dificuldades, incluindo empréstimos garantidos pelo Estado.

Já expandiu as linhas de crédito comercial com os bancos, comprando o que Faury descreveu como "hora de se adaptar e redimensionar".

CORTES DE PRODUÇÃO

Para conter o fluxo de caixa, a Airbus este mês disse que reduziria a produção de jatos de 1 coredor (A220 /A320) em um terço para 40 jatos por mês. Também emitiu metas para jatos de corredor duplo (A330/340/A350), o que implica cortes de até 42% em comparação com os números  publicados anteriormente.

"Em outras palavras, em apenas algumas semanas, perdemos cerca de um terço dos nossos negócios", escreveu Faury na carta. "E, francamente, esse não é o pior cenário que poderíamos enfrentar".

A Reuters informou em 3 de abril que a Airbus estava analisando cenários envolvendo cortes de produção de até metade, e analistas dizem que a Boeing deverá apresentar cortes comparáveis ??junto com demissões nesta semana, reduzindo a produção mensal de B787 para apenas 6 jatos.

Faury disse que o novo plano de produção da Airbus permanecerá pelo tempo necessário para fazer uma avaliação mais completa da demanda, acrescentando que isso provavelmente levaria entre dois e três meses.

Ele disse que era muito cedo para julgar a forma e o ritmo de uma recuperação, mas mencionou cenários que incluem uma crise curta e profunda com uma recuperação rápida ou uma desaceleração mais longa e mais dolorosa, com os níveis de demanda anteriores retornando apenas após 5 ou 10 anos.
Até agora, analistas e companhias aéreas têm falado principalmente de uma desaceleração que não dura mais que 3-4 anos.

A rival Boeing, com finanças ainda mais fracas devido ao groundeamento de um ano do B737 MAX, acabou com o acordo de US $ 4,2 bilhões com a brasileira Embraer no sábado, em uma medida amplamente vista como desencadeada pela crise, embora citi razões contratuais.

"Infelizmente, a indústria da aviação emergirá nesse novo mundo muito mais fraca e vulnerável do que esperávamos", escreveu Faury.



Outras coberturas especiais


Especial Terror

Especial Terror

Última atualização 29 OUT, 10:55

MAIS LIDAS

Pos Pandemic WAR