COBERTURA ESPECIAL - Pacífico - Geopolítica

10 de Fevereiro, 2022 - 15:00 ( Brasília )

Blinken se reunirá com líderes das ilhas do Pacífico em contraposição à China


O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, viaja a Fiji no sábado para assegurar aos líderes das ilhas do Pacífico que Washington e seus aliados estão comprometidos em fornecer segurança e vacinas contra a Covid, à medida que a China intensifica sua ajuda e influência na região.

A visita de Blinken a Fiji, a primeira de um secretário de Estado norte-americano em quatro décadas, segue-se a uma reunião que ocorrerá em Melbourne do grupo Quad, formado por Estados Unidos, Japão, Índia e Austrália.

"O Quad está se tornando um poderoso mecanismo de entrega, ajudando a vacinar uma grande parte do mundo, levando muitas vacinas por aí", disse Blinken a caminho de Melbourne. Ele também fortalecerá a segurança marítima para combater a "agressão e a coerção na região do Indo-Pacífico", acrescentou.

Os 18 líderes das ilhas do Pacífico convidados para a videoconferência com Blinken estão acostumados a equilibrar as atenções rivais da China e dos Estados Unidos e seus aliados.

Os Estados Federados da Micronésia disseram que seu presidente David Panuelo abordará as mudanças climáticas e a pesca ilegal como prioridades com Blinken. "É plausível que os EUA e seus aliados tenham observado o aumento da presença da China no Indo-Pacífico como um apelo por mais engajamento na região", disse Richard Clark, secretário de imprensa de Panuelo.

Nos últimos anos, Pequim aumentou suas ligações militares e policiais, ao mesmo tempo em que fornece empréstimos e infraestrutura para nações insulares do Pacífico.

Novos testes nucleares da Coreia do Norte provocariam crise instantânea, diz presidente sul-coreano

A retomada dos testes de armas nucleares ou mísseis de longo alcance pela Coreia do Norte enviaria "instantaneamente" a península de volta à crise, disse o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, nesta semana, pedindo medidas para evitar que isso aconteça.

Um mês recorde de testes de mísseis norte-coreanos em janeiro destacou os fracassos dos esforços de Moon, cujo mandato termina em maio, em construir um avanço, e o líder norte-coreano, Kim Jong Un, sugeriu que pode ordenar novos testes nucleares ou lançamentos de mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) pela primeira vez desde 2017.

"Se a série de lançamentos de mísseis da Coreia do Norte chegar ao ponto de acabar com uma moratória nos testes de mísseis de longo alcance, a Península Coreana pode voltar instantaneamente ao estado de crise que enfrentamos há cinco anos", disse Moon em entrevista escrita à mídia em Seul programada para publicação nesta quinta-feira.

"Evitar tal crise por meio do diálogo e da diplomacia persistentes será a tarefa que os líderes políticos dos países envolvidos deverão cumprir juntos", acrescentou. Moon expressou preocupação de que a série de testes de mísseis esteja tão perto da eleição presidencial de 9 de março na Coreia do Sul, onde o candidato do Partido Democrata de Moon está em uma disputa acirrada com um oponente conservador.

Moon admitiu que parece ter ficado sem tempo para avanços, dizendo que é improvável que uma cúpula de última hora com Kim ou a adoção de sua proposta de declaração que ponha oficialmente fim à Guerra da Coreia de 1950 a 1953 aconteça antes de ele deixar o cargo.

Imagens mostram Coreia do Norte se preparando para possível desfile militar, diz relatório


Imagens comerciais de satélite mostram possíveis preparativos para um desfile militar norte-coreano, disse nesta quinta-feira uma entidade de Washington que monitora a Coreia do Norte, em meio a expectativas de que o país possa exibir novos avanços militares ou lançar mais mísseis.

Centenas de pessoas foram vistas em formação em um campo de treinamento em Pyongyang, que foi projetado para ser uma réplica da praça da cidade, Kim Il Sung, onde os desfiles geralmente são realizados, disse a 38 North em relatório.

Mais de 240 ônibus estavam estacionados nas proximidades, mas não havia sinais de equipamentos militares pesados, como mísseis balísticos da Coreia do Norte, segundo o relatório.

"Isso pode indicar que um próximo evento consistirá em grande parte em pessoas ou que (os equipamentos) ainda vão chegar", acrescentou a 38 North.

O relatório vem um dia depois que a NK News, com sede em Seul, que cobre a Coreia do Norte, citou fontes informadas sobre o assunto e imagens de satélite que indicam possíveis preparativos para um desfile, incluindo aviões a jato sobre Pyongyang e formações de marcha no campo de treinamento desde janeiro.

A Coreia do Norte planeja comemorar o 80º aniversário do falecido pai do líder Kim Jong Un, Kim Jong Il, em 16 de fevereiro, e o 110º aniversário de seu falecido avô e fundador da Coreia do Norte, Kim Il Sung, em 15 de abril.

A retomada dos testes com armas nucleares ou mísseis de longo alcance pela Coreia do Norte enviará a península "instantaneamente" de volta à crise, disse nesta semana o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, pedindo medidas para evitar que isso aconteça.


VEJA MAIS