COBERTURA ESPECIAL - Pacífico - Geopolítica

26 de Novembro, 2020 - 11:11 ( Brasília )

Navio de guerra russo perseguiu e ameaçou destróier dos EUA


A Rússia diz que um de seus navios de guerra alcançou e expulsou um destróier da Marinha dos EUA depois que ele entrou em águas territoriais no Mar do Japão na terça-feira (24/11).

Moscou acusou o USS John S McCain de viajar 2 km através de sua fronteira marítima no Golfo de Pedro O Grande e disse que ameaçou afundar o navio.

O navio de guerra dos EUA então deixou a área, de acordo com a Rússia.

No entanto, a Marinha americana negou qualquer irregularidade e disse que seu navio não havia sido "expulso".

O incidente aconteceu na terça-feira no Mar do Japão, também conhecido como Mar do Leste, um corpo d'água que faz fronteira com o Japão, a Rússia e as Coreias.

De acordo com o Ministério de Defesa russo, seu destróier (ou contratorpedeiro) da Frota do Pacífico, batizado de Almirante Vinogradov, utilizou um canal de comunicação internacional para alertar o navio americano sobre "a possibilidade de usar abalroamento para tirar o intruso das águas territoriais".

"A declaração da Federação Russa sobre esta missão é falsa", disse um porta-voz da 7ª Frota da Marinha dos EUA, Ten Joe Keiley. "O USS John S McCain não foi 'expulso' do território de nenhuma nação."

Ele disse que os EUA "nunca se curvariam por intimidação ou seriam coagidos a aceitar reivindicações marítimas ilegítimas, como as feitas pela Federação Russa".

Esses incidentes no mar são raros, embora o destróier Almirante Vinogradov também tenha se envolvido em uma quase colisão com um cruzador americano no Mar da China Oriental no ano passado.

Tanto a Rússia quanto os EUA trocaram acusações pelo incidente.

Os dois países se acusam regularmente de perigosas manobras militares - no mar e no ar.

Em 1988, uma fragata soviética, a Bezzavetny, "esbarrou" em um cruzador americano, o Yorktown, no Mar Negro, acusando-o de se intrometer em águas territoriais.

USS John S McCain se envolveu em uma colisão com um petroleiro em 2017

As relações entre Moscou e Washington continuam tensas e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, ainda não parabenizou Joe Biden por sua vitória nas eleições presidenciais dos EUA.

Os dois países também não finalizaram o último pacto de armas nucleares entre eles, que expira em fevereiro.

Em 2017, o USS John S McCain se envolveu em uma colisão com um petroleiro no território marítimo de Cingapura, quando 10 marinheiros morreram.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Expansão Chinesa

Expansão Chinesa

Última atualização 25 OUT, 11:11

MAIS LIDAS

Pacífico