COBERTURA ESPECIAL - ONU - Naval

15 de Julho, 2021 - 08:00 ( Brasília )

Militares da Divisão Anfíbia da Marinha preparam-se para avaliação da ONU


Capitão-Tenente Fabrício Costa E Margareth Lourenço

O Comandante de Operações Navais da Marinha, Almirante de Esquadra Alípio Jorge, esteve no Comando da Divisão Anfíbia, da Marinha do Brasil, nesta terça-feira (13). A atividade serviu de parâmetro para inspeção que a comitiva da Organização das Nações Unidas (ONU) fará a essa organização militar na segunda-feira (19). Os integrantes da ONU vão avaliar a preparação e a prontidão da Marinha do Brasil para possível emprego em missões de paz.

A visita da comitiva da ONU está inserida em calendário, que teve início no domingo (11), de verificações a organizações militares brasileiras. O roteiro começou por Cascavel, no Paraná, onde os verificadores permanecem até esta quarta-feira (14). Em seguida, a equipe seguirá para São Gabriel, no Rio Grande do Sul, onde inspecionará a Companhia de Engenharia, do Exército. Por último, chegam ao Rio de Janeiro, no domingo (18), para, na segunda-feira (19), avaliarem o Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais, da Marinha.

As organizações militares visitadas pela comitiva estão inseridas no Nível 1 do Sistema de Prontidão de Capacidades de Manutenção da Paz das Nações Unidas (UNPCRS, sigla em inglês), com os padrões da ONU. No momento atual, a equipe confere a capacidade do Brasil em preparar tropas, desdobrar e manter uma contribuição potencial para a paz mundial. Com isso, ao término dessas avaliações, será possível elevar as organizações militares verificadas para o Nível 2 do UNPCRS. Trata-se de condição básica para futura participação em operações de paz, como o ocorrido em 2017, quando cinco tipos de contingentes de tropa ascenderam a esse nível.

Cabe destacar que esse sistema, o UNPCRS, onde se encontram as diferentes tropas disponibilizadas pelos Estados-Membros à ONU, tem o propósito de facilitar o processo de planejamento e de tomada de decisão do Quartel-General das Nações Unidas, em Nova Iorque, com relação a posterior seleção de emprego de tropas de um determinado Estado-Membro.

Assim, após a ascensão ao Nível 2 do UNPCRS, as Forças Armadas brasileiras estarão aptas a enviar outros quatro tipos de contingentes de tropa (um batalhão mecanizado, uma companhia de engenharia e duas companhias de resposta rápida), além dos outros cinco já anteriormente disponibilizados para participar das diversas missões de paz sob a égide da ONU.

Operativo de Fuzileiros Navais de Força de Paz prepara-se para inspeção da ONU¹


A Marinha do Brasil receberá, nos dias 19 e 20 deste mês, a visita de uma comitiva da Organização das Nações Unidas (ONU), para avaliar as capacidades de um Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais como Força de Reação Rápida (em inglês Quick Reaction Force - QRF). A visita tem o propósito de certificar a capacidade do Grupamento para ascender ao nível 2, como QRF, no Sistema de Prontidão de Operações de Paz das Nações Unidas.

Essa ascensão dará ao Brasil condição básica para uma futura participação em operações de paz. O Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais de Força de Paz (GptOpFuzNav-FPaz) é composto por 220 militares da Força de Fuzileiros da Esquadra. Ele está sendo preparado para a inspeção da ONU desde maio, na área do Complexo Naval da Ilha do Governador (CNIG), no Rio de Janeiro.

No dia 13 de julho, o Comandante de Operações Navais, Almirante de Esquadra Alipio Jorge Rodrigues da Silva, e o Comandante-Geral do Corpo de Fuzileiros Navais, Almirante de Esquadra (FN) Jorge Armando Nery Soares, avaliaram o nível de preparação desses militares, realizando um percurso pelos principais pontos do CNIG. As autoridades foram recepcionadas pelo Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, Vice-Almirante (FN) Carlos Chagas Vianna Braga.

A visita teve a presença de Oficiais Generais do Corpo de Fuzileiros Navais e da imprensa. Durante o percurso, todos os participantes tiveram a oportunidade de observar o GptOpFuzNav-FPaz, realizando a demonstração de tarefas operativas de uma Companhia de Reação Rápida; visitar as instalações da Base de Operações Temporária do Grupamento e o Centro de Operações de Paz de Caráter Naval, local de preparo para missões de paz no âmbito da Marinha, pertencente ao Centro de Instrução Almirante Sylvio de Camargo (CIASC).



¹Com Centro de Comunicação Social da Marinha


VEJA MAIS