COBERTURA ESPECIAL - Nuclear - Tecnologia

26 de Janeiro, 2022 - 16:21 ( Brasília )

DESARMAMENTO NUCLEAR: uma importante Declaração Conjunta

Comentário do Embaixador Sérgio Duarte sobre a importante nota da Coalizão da Nova Agenda (NAC)

 

Nota DefesaNet

Texto em inglês:

NUCLEAR DISARMAMENT important Joint Declaration

O editor



 

DESARMAMENTO NUCLEAR:
uma importante Declaração Conjunta

 

SERGIO DUARTE
Ex-Alto Representante das Nações
Unidas para Assuntos de Desarmamento.
Presidente das Conferências Pugwash
sobre Ciência e Assuntos Mundiais
.

 

Na véspera da abertura da Décima Conferência de Exame do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares [1], os cinco países reconhecidos por esse instrumento como possuidores de tais armas (China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia) emitiram uma Declaração Conjunta na qual recordam a afirmação feita em 1987 por Ronald Reagan e Mikhail Gorbachov de que “uma guerra nuclear não terá vencedores e náo deve jamais ser travada”. Acrescentaram que as armas nucleares “devem servir a finalidades defensivas, impedir agressão e prevenir guerras”. 

A Declaração parece ter tido o objetivo de responder à crescente insatisfação dos membros não nucleares do TNP pela ausência de medidas eficazes de desarmamento nuclear. A falta de tais medidas, 52 anos após a entrada em vigor do instrumento, tem acarretado grave deterioração da confiança e autoridade do Tratado. Nos últimos tempos, inúmeras manifestações de organizações da sociedade civil vinham reclamando cada vez mais veementemente o cumprimento das obrigações de desarmamento constantes do Artigo VI do TNP. 

No final de janeiro corrente a Coalizão da Nova Agenda (NAC, na sigla em inglês), grupo informal de membros não nucleares do Tratado composto por Brasil, Egito, Irlanda, México, Nova Zelândia e África do Sul, emitiu nota em que enfatiza a necessidade de transformar aquela afirmação dos dois ex-presidentes em ações concretas para a eliminação do aramento nuclear. (Leia a nota na íntegra abaixo)  

Além disso, a NAC considera que o esforço atual de “modernização”do arsenal nuclear, em que se encontram empenhados os cinco possuidores, prejudica o compromisso de desarmamento e aumenta o risco de uso de armas nucleares e de uma nova corrida armamentista.

Na Declaração Conjunta, os cinco possuidores expressam o desejo de “cooperar com os demais estados para a criação de condições mais conducentes a progressos em desarmamento com o objetivo final de um mundo livre de armas nucleares”’. Em sua manifestação, a NAC rejeita a ideia, implicita nessa afirmação, de que as obrigações de desarmamento estejam sujeitas a condicionalidades.

De fato,  uma atitude construtiva de parte dos possuidores exigiria a definição do papel não ofensivo do armamento atömico e o reconhecimento da necessidade urgente de negociação e adoção de medidas urgentes diretamente voltadas para a eliminação desse armamento. A contínua existência de tais armas é obviamente incompatível com as aspirações da humanidade expressas em inúmeros documentos, acordos e tratados internacionais. 

<script async src="https://platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script>
Uma das principais finalidades do TNP é evitar a proliferação de armas nucleares. Esse objetivo se aplica tanto ao surgimento de novos possuidores quanto à introdução de aperfeiçoamentos tecnológicos e expansão dos arsenais existentes.

A segurança é um bem público que pertence a todos e um mundo livre de armas nucleares resultará em aumento da segurança para todos. Ao comentar a Declaração Conjunta, o Secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, reiterou a convicção de que a única maneira de eliminar os riscos nucleares é a eliminação do armamento nuclear. A ação decisiva e responsável dos cinco possuidores, em conformidade com os compromissos assumidos, seria uma contribuição inestimável para a consecução dessa aspiração comum. A comunidade  internacional não espera menos

 

 


[1] A Conferência de Exame do TNP precisou ser adiada pala terceira vez, devido a Covid 19, e ainda não tem nova data.

Declaração da Coalizão da Nova Agenda — Brasil, Egito, Irlanda, México, Nova Zelândia e África do Sul
(tradução DefesaNet)
 

25 de janeiro de 2022

1 - A Coalizão da Nova Agenda (NAC) toma nota da 'Declaração conjunta sobre a prevenção da guerra nuclear e evitando corridas armamentistas' emitida pela China, França, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos da América, em 3 de janeiro de 2022.

2 - O NAC também toma nota da ênfase da declaração conjunta na busca contínua de 'abordagens diplomáticas bilaterais e multilaterais para evitar confrontos militares, fortalecer a estabilidade e a previsibilidade, aumentar a confiança mútua e evitar uma corrida armamentista que não beneficiaria a ninguém e pôr em perigo todos.

3 - Em um momento de acirramento da tensão, o NAC vê a declaração conjunta como um esforço necessário para estabilizar as relações estratégicas e esperamos que sinalize o início de uma maior cooperação entre os Estados nucleares no cumprimento de suas obrigações de desarmamento nuclear. Em particular, a afirmação conjunta de que 'uma guerra nuclear não pode ser vencida e nunca deve ser travada' é um sinal importante, que deve agora ser traduzido em ações concretas para a eliminação total das armas nucleares.

4 - Embora a cooperação diplomática seja necessária e bem-vinda, o NAC está preocupado com as recentes declarações políticas dos Estados com armas nucleares relacionadas à modernização de seus programas de armas nucleares. Essas declarações minam seu compromisso com o desarmamento nuclear e aumentam o risco do uso de armas nucleares e de uma nova corrida anal. O desarmamento nuclear não é apenas uma obrigação legal internacional, é um imperativo humanitário e moral.

5 - O NAC é da opinião de que as armas nucleares e as políticas de segurança baseadas na dissuasão nuclear não podem fornecer estabilidade ou previsibilidade significativa e podem potencialmente encorajar a proliferação. A existência continuada de armas nucleares agrava ainda mais as tensões no ambiente de segurança internacional e representa uma grave ameaça à humanidade. Os esforços de estabilização não são suficientes por si só sem que cada um dos Estados com armas nucleares tome medidas tangíveis para diminuir a importância das armas nucleares em suas doutrinas estratégicas, levando à eliminação de seus arsenais nucleares. garantias de segurança negativas.

6 - O NAC apoia medidas destinadas a reduzir os riscos de guerra nuclear. Acreditamos que os esforços de redução de risco são soluções provisórias e que a eliminação total das armas nucleares é a única garantia contra seu uso ou ameaça de uso. Sem uma ligação direta com o objetivo final de um mundo livre de armas nucleares, medidas estratégicas e de redução de risco nuclear só contribuem para a ilusão de que podemos viver com armas nucleares indefinidamente. Enquanto as armas nucleares continuarem a existir, elas sempre representarão um risco inaceitável para a humanidade,

7 - A este respeito, o NAC recorda a expressão de profunda preocupação na Conferência de Revisão de 2010 do Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP) pelas consequências humanitárias catastróficas de qualquer uso de armas nucleares, e a sua determinação em procurar um mundo mais seguro para todos e alcançar a paz e a segurança de um mundo sem armas nucleares. A grave preocupação com o perigo para a humanidade representado pelas armas nucleares deve informar todas as deliberações, decisões e ações relacionadas ao desarmamento nuclear.

8 - O NAC salienta o compromisso inequívoco dos Estados com Armas Nucleares de realizar a eliminação total dos seus arsenais nucleares conducentes ao desarmamento nuclear, com o qual todos os Estados Partes se comprometem nos termos do artigo VI do TNP. O NAC rejeita a noção de que essas obrigações sejam condicionais, como sugerido na declaração dos Estados com armas nucleares. O atual ambiente de segurança global reforça a necessidade de urgência e determinação em sua implementação,

9 - O NAC defende a implementação de medida de desarmamento nuclear concreta, transparente, que se reforça mutuamente, verificável e irreversível. Apelamos também ao cumprimento urgente das obrigações e compromissos no âmbito do NFU, que permanecem válidos até à sua implementação.

10 - Por fim, o NAC está desapontado que, devido à pandemia de Covid-19, a Décima Conferência de Revisão do TNP, que deveria ocorrer em Nova York em janeiro de 2022, tenha sido adiada. No entanto, o adiamento agora oferece aos Estados com armas nucleares a oportunidade de reiterar publicamente e progredir na implementação completa de seu compromisso inequívoco. Tal reafirmação, acompanhada de medidas específicas e acionáveis, reforçaria o 'NM' e seu Processo de Revisão, e daria efeito adicional aos esforços mencionados pelos Estados com armas nucleares em sua declaração conjunta.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


US RU OTAN

US RU OTAN

Última atualização 27 MAI, 15:00

MAIS LIDAS

Nuclear